Cooperativa ou associação: qual a forma mais adequada para a atividade de reciclagem?

A Formação Técnica e Humana para Cooperativas de Reciclagem, ministrada pelo Núcleo de Desenvolvimento do Catador (NDC), e que integra a plataforma online Academia do Catador – com lançamento previsto para o segundo semestre de 2024 –, foi concebida especialmente para ser desenvolvida no modelo organizacional cooperativista. Isso se deve principalmente pelo apreço aos fundamentos do cooperativismo, mas também por questões técnicas e legais. 

Portanto, é fundamental conhecer a diferença entre cooperativa e associação para entender a recomendação do NDC, a fim de que as organizações de catadores que desejam se beneficiar da Formação Técnica oferecida gratuitamente pelo Instituto Recicleiros, se constituam como cooperativas.

Leia também:

Reciclando o Futuro: conheça o projeto Recicleiros de educação ambiental nas escolas municipais

Recicleiros e Owens-Illinois retiram 130 toneladas de vidro na Vila de Jericoacoara

Seletiva 2024: Recicleiros divulga lista de municípios que avançam em processo preparatório para implantação de coleta seletiva e reciclagem

Fato é que a maioria das organizações de catadores do país estão constituídas sob a forma jurídica de Associação ou de Cooperativa. A opção por Associação se deve ao contexto dos grupos de catadores, que, de modo geral, necessitam de apoio da assistência social, além da simplicidade do processo de registro da organização, que é realizada em cartório. No caso de Cooperativa, por sua vez, a organização é registrada obrigatoriamente na Junta Comercial, que cuida criteriosamente da forma de institucionalização. 

Associação x Cooperativa

As associações são indicadas para levar adiante uma atividade social: o gerenciamento é mais simples, o custo de registro é menor e têm como finalidade a promoção de assistência social, educacional, cultural, representação política, defesa de interesses de classe ou filantropia. Está amparada na Constituição Federal – art. 5º, de XVII a XXI, e art. 174, §2º e Código Civil (Lei nº 10.406/2002).

Já as cooperativas têm objetivo essencialmente econômico, e seu principal foco é viabilizar o negócio produtivo dos associados no mercado, além de ser o meio mais adequado para desenvolver uma atividade comercial em média ou grande escala, de forma coletiva. Do ponto de vista jurídico, está amparada pelas Lei nº 5.764/1971; Lei nº 12.690/2012; Constituição Federal – art.5º, de XVII a XXI, e art. 174, §2º e Código civil (Lei nº 10.406/2002).

Ambos são modelos organizacionais associativos, mas é importante conhecer as diferenças e semelhanças, para fazer a escolha mais apropriada.

Principais diferenças

Essa diferença de natureza estabelece as responsabilidades dos gestores e associados, o tipo de vínculo e a participação nos resultados das organizações. Veja as principais diferenças entre Cooperativas e Associações.

Patrimônio

Na cooperativa, os associados são os donos do patrimônio. Ao deixar a cooperativa ou no caso de liquidação da sociedade, o cooperado tem direito à devolução do seu capital. Na associação, o patrimônio pertence à associação (pessoa jurídica). Ao deixar a associação, o associado não terá, necessariamente, direito à restituição de seu capital. O patrimônio acumulado, no caso de sua dissolução, deve ser destinado a outra instituição semelhante.

Resultados

Os resultados da atividade da cooperativa revertem para os seus cooperados. Por deliberação de assembleia geral, os resultados econômicos (as sobras) das operações anuais, podem ser distribuídos entre os cooperados. Já na associação, os resultados revertem para seus objetivos organizacionais, e não podem ser distribuídos entre os associados, retornando à própria associação.

Remuneração

O trabalho realizado pelos cooperados por meio da cooperativa deve ser, necessariamente, remunerado. No caso da associação, o associado poderá realizar trabalhos remunerados, voluntários ou sequer realizar atividades profissionais.

Compromissos financeiros

Os cooperados são igualmente responsáveis pelos compromissos financeiros da cooperativa. Isso facilita o acesso a financiamentos ou empréstimos por instituições financeiras e outros compromissos e contratos comerciais e processos de capitalização. Os associados não são diretamente responsáveis pelos compromissos financeiros da associação. Isso dificulta a aquisição de financiamentos e empréstimos. Contratos comerciais são limitados pelos objetivos sociais.

Qual é o modelo mais adequado para sua organização?

A compreensão dessas diferenças é o que determina a melhor adequação de um ou outro modelo. Enquanto a Associação é adequada para uma atividade social, a Cooperativa é mais compatível para desenvolver uma atividade econômica de forma coletiva.

Agora que você sabe a diferença entre elas, com qual modelo apresentado a sua organização mais se assemelha? Se parece com uma cooperativa, mas é uma associação, talvez seja o momento de corrigir isso. Atuar em um formato jurídico não apropriado pode prejudicar as relações com o mercado e restringir o desenvolvimento adequado da organização.

E se você faz parte de um grupo de pessoas que pretende montar um empreendimento coletivo de interesse comum com o objetivo de melhor remunerar o trabalho de seus membros, por meio da atividade de reciclagem, o modelo oportuno e juridicamente adequado é o de cooperativa.

Ao longo de sua história, o Instituto Recicleiros, por meio do Núcleo de Desenvolvimento do Catador, já formou 11 cooperativas de reciclagem do zero e, também, apoiou associações a se tornarem cooperativas dentro do Programa Recicleiros Cidades.

Reciclando o Futuro: conheça o projeto Recicleiros de educação ambiental nas escolas municipais

O Instituto Recicleiros, por meio do time de Mobilização e Marketing, iniciou neste ano um projeto piloto diferenciado de educação e conscientização ambiental nas escolas municipais, em parceria com prefeituras e secretarias de educação e meio ambiente. 

Batizado de Reciclando o Futuro, o objetivo é promover educação ambiental constante para esta e as próximas gerações nas cidades em que o Programa Recicleiros Cidades está em andamento. No momento, o projeto está em operação em seis municípios: Caçador (SC), Cajazeiras (PB), Caldas Novas (GO), Garça (SP), Naviraí (MS) e Serra Talhada (PE).

Leia também:

Recicleiros e Owens-Illinois retiram 130 toneladas de vidro na Vila de Jericoacoara

Seletiva 2024: Recicleiros divulga lista de municípios que avançam em processo preparatório para implantação de coleta seletiva e reciclagem

Recicleiros fecha parcerias para promover mudança de comportamento para reciclagem

A ideia surgiu da vontade de estar presente dentro das escolas, levando a educação ambiental, os materiais recicláveis e a coleta seletiva para o dia a dia dos alunos nos anos iniciais do ensino fundamental, sempre evidenciando a importância da reciclagem. E a expectativa do projeto é impactar a população das cidades por meio da educação ambiental, acarretando no aumento de massa para a cooperativa de reciclagem através da coleta seletiva municipal.

“O Reciclando o Futuro é voltado para alunos do ensino fundamental I, porém, impacta diretamente os docentes que têm acesso às atividades, planos de aula e material de apoio, e são responsáveis por repassar o conteúdo no melhor formato e didática. E indiretamente também atinge os responsáveis pelos alunos, que também são encorajados a participarem do projeto dentro de casa junto com as crianças”, explica Flavia Natero, analista de marketing do Instituto Recicleiros.

Educação ambiental na teoria e na prática

A equipe de Mobilização e Marketing de Recicleiros é responsável pela criação dos conteúdos e materiais, os mobilizadores locais enviam para as secretarias ou diretorias de escolas, que distribuem aos professores. Esses, por fim, aplicam os conteúdos em sala de aula. Todo mês tem uma atividade diferente.

“O diferencial do Reciclando o Futuro é ter uma trilha de conhecimento muito didática e apropriada para a idade. No primeiro semestre, convidamos os alunos a conhecerem os materiais recicláveis e a terem um olhar sobre o seu próprio consumo e como realizar o descarte correto. Já no segundo semestre, o intuito é falar sobre o descarte de forma incorreta, mostrando as consequências das suas ações e da irresponsabilidade do seu consumo. Tratamos também da destinação final daquele reciclável que o aluno teve tanto contato o ano inteiro, encerrando assim com a economia circular”, conta Mariana Almeida, analista de marketing do Instituto Recicleiros.

O projeto tem duração de 11 meses. Na teoria, percorre a trilha de conhecimento proposta por Recicleiros mês a mês e, na prática, faz atividades lúdicas mensalmente com os alunos em sala de aula para demonstrar, de fato, como é fácil e importante reciclar.

Mascotes para tornar a reciclagem mais lúdica

Para tornar a reciclagem mais amigável e próxima das crianças, o projeto conta com mascotes que representam cada um dos recicláveis – plástico (Pati), vidro (Vitor), papel (Pepe), metal (Mel) e óleo de cozinha (Léo) –, além do rejeito (Renê). “Pensamos que as crianças precisavam ter mais intimidade e afeto com os recicláveis para criarem vínculo com o tema e de fato terem vontade de realizar a ação corretamente. Assim surgiram os personagens com representatividade e acolhimento”, comenta Flavia.

As primeiras impressões do Reciclando o Futuro são positivas. Até o momento, as cidades que estão aplicando a trilha do conhecimento têm dado bons retornos. Os alunos estão se envolvendo com as atividades e se identificando com as personagens e os professores estão se mostrando satisfeitos com os planos de aula. 

A intenção do time de Mobilização e Marketing é que o projeto Reciclando o Futuro se torne perene, replicado nos anos seguintes com novos conteúdos e até mesmo, para novos anos escolares, a fim de difundir cada vez mais a educação ambiental e a importância da reciclagem nos municípios brasileiros.

Recicleiros e Owens-Illinois retiram 130 toneladas de vidro na Vila de Jericoacoara

O Instituto Recicleiros e a Owens-Illinois se juntaram para retirar, no início deste ano, 130 toneladas de embalagens de vidro, equivalente a cerca de 650 mil garrafas da Vila Jericoacoara, no Ceará, um dos destinos turísticos mais conhecidos do Brasil. A Vila costuma gerar em média, por dia, nada menos do que 2,5 toneladas de vidro.

A ação inédita também contou com a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Jericoacoara e o Grupo HEINEKEN para fazer a destinação ambientalmente correta dos materiais, encaminhados para a reciclagem. 

Para resolver a situação pontual, Recicleiros, O-I e a Cooperativa, com apoio do Grupo HEINEKEN, se uniram numa força tarefa para viabilizar um esquema logístico emergencial e, em aproximadamente 30 dias, retiraram o material acumulado na Vila para um transbordo localizado no município Jijoca (CE), de onde partiram grandes caminhões com esse vidro para reciclagem.

Ao todo, foram enviados quatro caminhões carregados de vidro tendo como destino a planta da Owens-Illinois em Recife (PE). O custo da operação considerou uma remuneração justa e ética por tonelada processada pelo trabalho da Cooperativa.

Os desafios da operação

 A geografia complexa na região, formada por dunas de areia que cercam a Vila de Jericoacoara, torna a reciclagem de garrafas de vidro muito desafiadora. Escoar o vidro de Jeri para reciclagem é uma tarefa que exige uma infraestrutura logística bem estruturada, além da proximidade da indústria recicladora ao local. 

Portanto, para que a operação se torne economicamente viável, é necessário carregar a maior quantidade possível de vidro em cada caminhão, pois a indústria recicladora mais próxima está a mais de 1000 km de distância, no Recife (PE). 

Tudo isso tem feito da destinação ambientalmente adequada do vidro descartado em Jeri um desafio que exige uma visão integrada e colaborativa entre o ecossistema envolvido.

“O vidro é um material permanente, inerte e infinitamente reciclável. A principal barreira para que continue sua jornada circular na cadeia é conseguir com que ele chegue em boas condições até nossas fábricas. Através da responsabilidade compartilhada e união de esforços entre diferentes atores, estamos comprometidos em buscar soluções para tornar possível e viável que o vidro consumido em destinos paradisíacos e com longas distâncias de fábricas não acabe seu ciclo de vida de forma precoce, e possa se tornar uma nova garrafa, diminuindo a necessidade de extração de matéria-prima virgem”, comenta Alexandre Macário, gerente de economia circular da Owens-Illinois. 

Agora, os esforços do Grupo HEINEKEN, Recicleiros e O-I estão voltados para o estabelecimento de uma solução para que o retorno desse material para a cadeia produtiva seja feito de maneira permanente e definitiva. A expectativa é que sejam realizados investimentos em infraestrutura e processos otimizados, além da garantia de compra do vidro para que seja transformado em novas embalagens e garanta assim a economia circular do material com  impacto social.

“Essa estruturação trará eficiência operacional e redução de custo na logística da recuperação do vidro na vila”, comenta Erich Burger, fundador e diretor institucional de Recicleiros.

Jeri e o Programa Recicleiros Cidades

A Vila de Jericoacoara foi o território piloto do Programa Recicleiros Cidades, iniciativa estruturante em coleta seletiva e reciclagem inclusiva, focada na geração de adicionalidade nos municípios brasileiros e viabilizada pelo conceito de Massa Futura – posteriormente regulamentado pelo decreto federal 11.413/23.

“Estamos gratos a equipe inteira envolvida junto à Cooperativa. Geramos hoje em torno de 75 toneladas/mês de vidro e ele se acumula muito rápido. A retirada constante desse material é de extrema importância para a preservação de Jeri e para a renda dos cooperados”, enfatiza Edicarlos Araújo, presidente da Cooperativa de Catadores de Jericoacoara.

Atualmente, o município conta com uma Lei Municipal de Coleta Seletiva, um sistema de cadastramento e fiscalização de grandes geradores e uma unidade de triagem equipada, com processos produtivos definidos e catadores treinados para operação e gestão.

 

Conheça os 21 municípios classificados para a segunda fase da Seletiva 2024 do Programa Recicleiros Cidades

A “Seletiva 2024: Qualificar para Transformar”, promovida pela Academia Recicleiros do Gestor Público, encerrou a primeira fase neste mês de março e, assim, a lista dos municípios classificados para a próxima fase está consolidada.

Ao todo, foram 70 inscrições gerais em 14 estados brasileiros. Dessas, foram 21 inscrições oficiais de municípios. O Piauí, com cinco representantes, liderou a lista de estados com mais inscritos. Depois, aparecem Bahia e Rio Grande do Sul com quatro, Mato Grosso com três, Amazonas e Sergipe com dois e Maranhão com um.

Neste ano, vale lembrar, a Academia Recicleiros do Gestor Público está direcionando esforços na qualificação de municípios localizados em estados nos quais a logística reversa já foi regulamentada. São eles: Amazonas, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Rio Grande do Sul e Sergipe.

Leia também:

Recicleiros busca novos acordos com estados para fomentar a reciclagem a partir da logística reversa

A voz dos cooperados #3: a visão dos catadores que integram o Programa Recicleiros Cidades

Encontro inédito de líderes de cooperativas de reciclagem promove novos conhecimentos e troca de experiências entre os catadores

 

Veja abaixo a lista de municípios classificados para a próxima fase da Seletiva 2024:

  • Itacoatiara (AM)
  • Manacapuru (AM)
  • Jaguaquara (BA)
  • Jaguarari (BA)
  • Senhor do Bonfim (BA)
  • Cruz das Almas (BA)
  • Paço do Lumiar (MA)
  • Cáceres (MT)
  • Poconé (MT)
  • Paranatinga (MT)
  • Cocal de Telha (PI)
  • Floriano (PI)
  • Porto Alegre do Piauí (PI)
  • Queimada Nova (PI)
  • Uruçuí (PI)
  • Charqueadas (RS)
  • Dom Pedrito (RS)
  • Gramado (RS)
  • Montenegro (RS)
  • Estância (SE)
  • São Cristóvão (SE)

A segunda fase da Seletiva 2024, que acontece até meados de abril, envolve a qualificação desses territórios. Nesse período, os gestores públicos deverão percorrer a Trilha do Conhecimento na Plataforma on-line da Academia Recicleiros do Gestor Público, assistir as Mentorias Técnicas e participar dos plantões de dúvidas com especialistas.

Ao final deste processo, os municípios aptos e mais engajados e comprometidos com a causa socioambiental serão convidados a participar de rodadas de consultorias exclusivas com especialistas Recicleiros, além de concorrerem a uma vaga no Programa Recicleiros Cidades.

“A Seletiva 2024 teve seu foco em estados importantes para Recicleiros. Não apenas pela necessidade de implantarmos unidades produtivas, mas também pela nossa missão estatutária: de levar nosso conhecimento acumulado ao longo de quase duas décadas de atuação, para que o municípios possam implementar suas políticas públicas de coleta seletiva de reciclagem, com ou sem aporte de recursos do Instituto. Nosso objetivo é o de estar presente nesses territórios”, afirma Cezar Augusto, gerente da Academia Recicleiros do Gestor Público.

Vale ressaltar que os municípios cuja população na região urbana esteja entre 32,5 mil e 200 mil habitantes, estão aptos a integrarem o Programa Recicleiros Cidades e podem receber até R$ 5 milhões que são investidos em soluções para implementação da reciclagem inclusiva, como infraestrutura, gestão, assessoria técnica, comunicação e muito mais.

Encontro inédito de líderes de cooperativas de reciclagem promove novos conhecimentos e troca de experiências entre os catadores

Pela primeira vez, os líderes das cooperativas de reciclagem participantes do Programa Recicleiros Cidades de todo o Brasil se encontraram em um grande evento apoiado pela Nestlé, patrocinadora da Academia do Catador. 

O 1º Encontro de Lideranças das Cooperativas, que ocorreu nos dias 11 e 12 de março, em Curitiba (PR), reuniu 26 cooperadas e cooperados de 13 cooperativas, além de representantes de Recicleiros e da Nestlé.

O objetivo do encontro inédito era aproximar os líderes, fortalecer vínculos entre as pessoas e proporcionar um tempo saudável e produtivo de trocas e aprendizados. Por meio de vivências e palestras, o evento abordou o perfil atual do líder e as competências necessárias para a posição, especialmente no contexto do cooperativismo. 

“Foi um prazer estar nesse evento junto com Recicleiros, parceiro desde 2020. A ideia era trazer a experiência da viagem por meio da promoção ‘Viajar faz bem’ para os cooperados, além de unir conhecimentos com lideranças de diferentes locais. Foram várias discussões muito enriquecedoras, trocas positivas, alinhamento de conhecimentos e conceitos. O ponto alto do encontro foi a dinâmica de troca, em que o cooperado levava uma qualidade como contribuição e recebia outra. Foi incrível”, contou Tássia Vieira, coordenadora de sustentabilidade da Nestlé.

A representante da Nestlé contou um pouco mais no evento sobre o projeto “Viajar faz bem”, ação da empresa que visa correlacionar o ato de viajar e conhecer novos lugares como forma de integração social, saúde e qualidade de vida.

Conexão e missão

Erich Burger, diretor institucional, e Rafael Henrique, diretor de operações do Instituto Recicleiros, também levaram uma palavra aos líderes das cooperativas. Os fundadores de Recicleiros ressaltaram sobre o propósito do Instituto quando falamos de desenvolvimento social e economia circular. E falaram também sobre a importância de selar compromissos mútuos para enfrentar os desafios atuais do Programa Recicleiros Cidades e para a efetividade do projeto. Por fim, eles lembraram que a missão de Recicleiros é contribuir para a inclusão social de catadores, e que a cooperativa de catadores é um importante ativo da comunidade local.

“Foi uma oportunidade única de interação e troca de experiências para a construção de uma visão mais transversal de lideranças”, comentou Erich.

Lusimar Guimarães Pereira, gerente do Núcleo de Desenvolvimento do Catador do Instituto Recicleiros, destacou que o evento era um sonho antigo da Academia do Catador, e lembrou que o encontro de lideranças é parte da formação profissional do grupo, realizado pela Academia do Catador, por meio do Programa de Formação Técnica e Humana de Cooperativas de Reciclagem. 

“Foi uma oportunidade de sintonizar o modelo de cultura organizacional desejada por Recicleiros, isto é, que as cooperativas sejam de fato um ambiente de cooperação e participação democrática; que a cooperativa compreenda que é uma engrenagem do sistema de coleta seletiva local, que fazem parte de uma política pública de alta relevância para a cidade”, afirmou Lusimar.  

Vale citar ainda as participações especiais de Roger Koeppl, diretor presidente da Yougreen Cooperativa, e de Paulo Henrique Corniani, consultor em processos de desenvolvimento humano, que levaram contribuições significativas para os líderes das cooperativas. 

Visita à Recicla Campo Largo e visões

No segundo dia, o grupo de lideranças visitou a cooperativa Recicla Campo Largo, que faz parte do Programa Recicleiros Cidades. No local, conheceram a planta produtiva, os processos e interagiram com os demais cooperados da planta. O ambiente estava descontraído, em clima de dia especial. Trocaram experiências sobre seus processos produtivos e as peculiaridades de cada território. Inclusive, criaram um grupo online para continuarem em contato após o encontro. 

“Foi maravilhoso, aprendi em cada experiência, estou tendo uma nova visão. Vou levar para todos em Caldas Novas que cooperativa é união, não é só pelo trabalho. Precisamos de respeito e diálogo. Em cada momento aprendi um pouco, adorei”, relatou Iolanda Aparecida De Teixeira, presidente da Recicla Caldas Novas.

“Foi um prazer ter recebido esse convite e estar com o pessoal das cooperativas espalhadas Brasil afora. Foi uma experiência incrível poder dividir opiniões e conversar sobre os desafios das cooperativas e como podemos resolvê-los. Estou muito agradecida por ter conhecido essa galera toda e orgulhosa de representar a Recicla Serra Talhada”, elogiou Claudia Pereira de Sousa, presidente da cooperativa pernambucana.

“Estou levando experiência e conhecimento e não só para mim, porque vou transmitir para todos os cooperados. É tudo novo e foi tudo muito bom. Foi importante ver que a experiência das outras cooperativas podem agregar para nós, e que nós também podemos acrescentar na experiência deles. Temos muito o que ensinar e aprender”, enfatizou Gabriele da Rocha Ferreira, mobilizadora da Recicla São José do Rio Pardo.

Sem dúvida, foi um encontro de grande impacto social. Agradecemos à Nestlé por apoiar este evento marcante não apenas nas vidas dos catadores, mas também no futuro das organizações nas quais estas pessoas são líderes.

“Não estamos sós”, foi a síntese declarada pelo grupo ao final do encontro. É por isso que Recicleiros acredita em um futuro mais coletivo e cooperativo. 

 

A voz dos cooperados #3: a visão dos catadores que integram o Programa Recicleiros Cidades

O Programa Recicleiros Cidades, que estrutura um sistema eficiente de coleta seletiva e reciclagem partindo do zero, gera impacto positivo tanto no município, quanto na vida das pessoas que mais precisam. 

Do ponto de vista ambiental, contribui para a limpeza urbana, além de atuar na preservação dos recursos naturais e do meio ambiente. Já no aspecto social, transforma a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade – a maioria catadores de materiais recicláveis.

A partir da criação de uma cooperativa de reciclagem no município, essas pessoas passam a integrar uma Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) e assim garantem uma renda digna, condições adequadas de trabalho, além de treinamentos e formações, com capacitação técnica e humana promovida pelo Instituto Recicleiros.

Leia também:

A voz dos cooperados #1: o impacto social proporcionado pelo Programa Recicleiros Cidades

Cooxupé fecha parceria para doar cerca de 15 toneladas de recicláveis à Recicla Guaxupé

Recicleiros promove Live para debater como Créditos de Massa Futura podem impulsionar a reciclagem

Veja abaixo alguns depoimentos de cooperadas que atuam nas cooperativas de reciclagem incubadas pelo Instituto Recicleiros.

“Estou na Recicla Guaxupé desde a fundação. Fiquei muito tempo desempregada e quando vi a oportunidade, segui todos os passos da seleção e consegui a vaga e, com isso, a tão sonhada independência, além da certeza de saber que você é necessária para algo. Comecei na produção e, hoje, ocupo a presidência da cooperativa, onde estou aprendendo muito com todos, descobrindo que sou capaz de muitas coisas e crescer profissionalmente. Depois que entrei na cooperativa, consegui também uma estabilidade econômica boa, tirei minha tão sonhada habilitação e já estou partindo para o almejado carro e, em breve, minha casa própria. Essa é minha expectativa na Recicla Guaxupé: realizar meus sonhos e ter uma vida confortável.” 

Daniela Paulino, 44 anos, Recicla Guaxupé.

“Depois que entrei aqui mudou muita coisa na minha vida. Consigo pagar minha casa, meu filho conseguiu um carro, graças a Deus. Eu não tinha emprego e não conseguia pagar as minhas contas, era difícil para mim. Muita coisa boa aconteceu na minha vida.” 

Maria Aparecida Vieira dos Santos, 57 anos, Recicla Caçador.

 

 

"Eu fiquei algum tempo sem trabalhar e estava precisando, então Recicleiros entrou em contato comigo e me chamou para atuar na cooperativa Recicla Piracaia. Estou aqui há mais de 2 anos, trabalhando com gosto e aprendendo muito. Hoje até faço parte do setor financeiro da cooperativa. Fico feliz porque agora consigo pagar meu aluguel, sustentar meus dois filhos e até meus animaizinhos. Também retomei os estudos; estou no sexto ano e pretendo concluir o ensino fundamental. Quero expressar minha alegria por trabalhar aqui. Mesmo com as dificuldades, gosto muito e tenho orgulho de fazer parte da cooperativa Recicla Piracaia.”

Maria Nazaré, 53 anos, Recicla Piracaia.

Atualmente, mais de 300 cooperados em 14 municípios brasileiros são diretamente beneficiados com o Programa Recicleiros Cidades.

Reciclagem tem gênero?

“A nossa vida é tão corrida, que a gente precisa de tempo pra tudo. Eu que sou mãe de família, esposa e dona de casa e ainda trabalho fora, assim que acordo tenho que preparar o café, arrumar e levar meu filho pra escola e só depois ir para o trabalho. Tudo isso leva tempo. Aí quando a gente pega o lixo, é mais fácil jogar tudo em um lugar só”.  Nós entendemos a correria da dona Ângela (nome fictício) e como a vida dela é tomada de atividades, que vão além da sua profissão de auxiliar de serviços gerais. Mas a princípio queremos dizer para ela, que reciclar é simples e fácil (vamos explicar sobre isso no decorrer deste artigo), mas ela não precisa ser a única responsável por esta atividade.

Mas primeiro vale esclarecer de onde surgiu esta fala da dona Ângela, de 40 anos, que reside no estado de Pernambuco. Ela foi uma das entrevistadas de uma pesquisa realizada pelo Vox Lab - que é um laboratório de pesquisas e produção de conhecimento do Instituto Recicleiros para a mudança de comportamento para a reciclagem. Sua principal missão é gerar dados e indicadores para acelerar a curva de adesão da população aos sistemas de coleta seletiva e promover o aumento das taxas de reciclagem no país. A proposta é também suprir uma demanda latente por conhecimento, que possa ser replicada e ajude iniciativas ao redor do país, inclusive na construção de políticas públicas de gestão de resíduos sólidos.

Leia também:

Seletiva 2024: Recicleiros abre inscrições para processo de qualificação de municípios interessados em receber Programa Recicleiros Cidades

Recicleiros cria Protocolos de Manutenção de Máquinas e Equipamentos e de Saúde e Segurança do Trabalho voltada a catadores

A voz dos cooperados #2: o que dizem os catadores que fazem parte do Programa Recicleiros Cidades

Foram nestas entrevistas, realizadas em três municípios de três estados brasileiros, entre eles Pernambuco, que um fato nos chamou a atenção e abriu um leque de questionamentos. Descartar os resíduos recicláveis é uma atividade doméstica, que sobrecarrega ainda mais as mulheres? Vale aqui a definição de atividade doméstica, também denominada de “economia do cuidado”, que é um conjunto de ações não remuneradas, geralmente exercidas por mulheres, como a limpeza e organização da casa, preparação de alimentos e os cuidados com crianças, idosos, entre outras ações.

Mas vamos voltar à pesquisa que nos direcionou para a problematização sobre os atores sociais da reciclagem. Vamos trazer mais três falas que levantamos nesta pesquisa. É a minha mãe que cuida do lixo”, disse o auxiliar de pedreiro, de 22 anos, que reside no estado do Mato Grosso do Sul. "Eu peço para a moça que trabalha comigo separar”, afirmou o comerciante, de 79 anos, que também mora no estado do Mato Grosso do Sul. Por fim, não menos importante para este contexto de análise, a fala da dona de casa, de 38 anos, da Paraíba. “Eu que faço o serviço de casa, então eu que sou a responsável pela separação do que é reciclável. Eu coloco em um saquinho separado.” 

Sobre a pesquisa, ainda vale pontuar uma situação vivenciada pelos nossos entrevistadores, que tem muito a ver com a temática deste artigo. Quando as pessoas abordadas eram do gênero masculino, assim que informadas que o tema da entrevista seria sobre reciclagem, na maioria das vezes, a esposa, ou a mãe ou a irmã e até mesmo a empregada doméstica, eram chamadas para responder às perguntas. Era quase como nos dizer: este assunto é de mulher.

Por isso, a pergunta “Reciclagem tem gênero?  Não trazemos uma resposta pronta para o título deste artigo. Mas, precisamos sim, pensar a reciclagem na perspectiva de gênero. A diretoria da rede global GenderCC – Women for Climate Justice, Gotelind Alber, especialista em políticas climáticas e sua relação com a questão de gênero, afirma, em uma entrevista na Revista Humboldt Brasil, que no debate sobre o meio ambiente, já se aborda a “feminização da responsabilidade ambiental”. Isso significa que as pessoas que são geralmente responsáveis pelos trabalhos que envolvem cuidados – em sua maioria, mulheres – ficam sobrecarregadas com tarefas adicionais. E, segundo ela, são justamente as mulheres que não têm praticamente nenhum horário livre, que assumem as maiores tarefas da sustentabilidade na vida cotidiana.

Precisamos aprofundar nossas pesquisas para este olhar da “feminização da responsabilidade ambiental”, citado pela cientista Gotelind Alber. E vamos fazer. Até lá, com o direcionamento do conhecimento que temos até aqui, precisamos falar do quão importante é reciclar e se não tivermos corresponsabilidades neste propósito, não vamos conseguir sair do patamar de reciclagem de apenas 4%, que se configura no contexto brasileiro atual.

A responsabilidade de fazer a gestão dos resíduos domésticos, separando o que é reciclável e destinando de forma correta, não pode ser uma obrigação só das mulheres. Tem que ser um compromisso de quem habita este planeta. E, além disso, ela tem que ser internalizada em todos os momentos da nossa vida. No trabalho, nos eventos sociais, nas nossas viagens e por todo canto onde vamos e geramos resíduos. Se eu não faço em casa essa tarefa, a chance de não fazer em outros locais é muito grande. Se eu misturo para alguém separar depois, a chance de não acontecer também é enorme.

E retornando à fala da dona Ângela, quando ficamos de explicar que reciclar é fácil e rápido, vamos falar de uma organização simples. Comece colocando duas lixeiras uma ao lado da outra e tenha atenção na hora de descartar. O que é reciclável vai para uma, o que não é, vai para a outra. Se na sua cidade tiver coleta seletiva é só colocar para fora no dia e horário certos. Caso contrário, procure a Prefeitura e se informe qual é a maneira mais fácil de destinar seu recicláveis.

Mas, para que isso vire um hábito dentro de casa, é preciso o comprometimento de toda família. Depois que todos entenderem a importância deste ato tão simples, podemos evoluir no debate das ações que promovem uma reciclagem inclusiva e ambientalmente correta. 

O que nos cabe agora é falar da responsabilidade compartilhada – termo que vem da nossa Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.3035/10), que se refere às atribuições que são desempenhadas por todos os participantes envolvidos no processo produtivo, desde a fabricação de um produto até sua destinação final. Mas vamos trazer este termo para dentro de casa: compartilhada também no sentido de que é uma responsabilidade de todos os gêneros – uma ação de comprometimento planetário, que só vai evoluir quando todas e todos fizerem a sua parte.

As políticas públicas devem fomentar este processo com narrativas que abordam o tema da divisão das responsabilidades ambientais. Um assunto que também perpassa pelo escopo e direcionamento da Educação Ambiental, que precisa sim de uma abordagem de gênero nesse compromisso de mudança de comportamento para a reciclagem.

E no final, o que a gente quer dizer para dona Ângela, é que reciclar não pode ser mais uma sobrecarga de trabalho para a vida dela que já é tão atribulada. Precisamos de um caminho que promova a igualdade de gênero nos deveres e compromissos com a regeneração planetária, que, com certeza, passa por alavancar o índice de reciclagem no Brasil.

Reciclar não pode ter gênero. 

Reciclar é cidadania.

Recicleiros promove Live para debater como Créditos de Massa Futura podem impulsionar a reciclagem

O Instituto Recicleiros promoveu na última quarta-feira (28), a Live “Créditos de Massa Futura para Logística Reversa: papel estratégico para avanço da reciclagem inclusiva e mecanismos para realização de projetos”.

O evento online contou com a participação de representantes das esferas federal, estadual e municipal, como Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima, CETESB e IMASUL, prefeituras, além de nomes ligados às organizações de catadores.

O objetivo era debater como o mecanismo de Massa Futura, que surgiu no Instituto Recicleiros alguns anos atrás e, mais recentemente, tornou-se parte do Decreto 11.413/2023, está abrindo novas possibilidades em termos de infraestrutura para o avanço da reciclagem inclusiva no Brasil.

Panorama geral

A Live começou com Erich Burger e Rafael Henrique, fundadores e atuais diretores do Instituto Recicleiros, falando sobre a situação atual e precária da reciclagem no Brasil. Na pauta, a demanda por infraestrutura para a recuperação de materiais pós-consumo e o papel estratégico do mecanismo de Massa Futura para adicionalidade dos resultados de reciclagem.

O Brasil gera mais de 82 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos todos os anos, de acordo com a Abrelpe. Nesse contexto, 60% das cidades brasileiras usam lixões e apenas 4% acaba sendo reciclado. “Evoluímos pouco nesses dois indicadores da gestão de resíduos em nosso país, que é o uso de lixões e baixas taxas de reciclagem. Desde o início de Recicleiros, há 17 anos, não vemos esses números evoluírem”, comentou Erich Burger.

Hoje, temos um grande volume de recicláveis que não contam com sistema de coleta seletiva, e encontram sobrevida pelas mãos dos catadores. São cerca de 1 milhão de catadoras e catadores, muitos sobrevivem com menos de um salário por mês. Do outro lado, temos uma procura crescente e cada vez mais consolidada pela reciclagem desses materiais, seja porque as empresas têm de cumprir o que diz a legislação nacional, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, seja por terem aderido a agendas ESG, a pactos globais e precisam entregar reciclagem. 

“Existe um ponto de convergência muito íntimo entre o setor empresarial, prefeituras, catadores e cidadãos. A reciclagem precisa acontecer, mas não vem acontecendo, mesmo depois de 13 anos de Política Nacional de Resíduos Sólidos. Para ter resultados, precisamos sair de uma lógica de improviso e lançar uma solução transversal, interdependente e complexa. É preciso haver políticas públicas, capacidade de reciclar, mudar o comportamento do consumidor e amadurecer a relação com o mercado, fazer a reintrodução desses materiais acontecer de maneira estruturada e virtuosa”, acrescentou Erich.

Estamos falando de um problema que é comum a todos. E, de fato, a responsabilidade para resolver essa questão é compartilhada, como preconiza a nossa lei. O maior gargalo hoje, de acordo com Rafael Henrique, é o primeiro elo de recuperação do material reciclável, que sai da casa das pessoas.

“A Massa Futura é um elemento particular de viabilização de um projeto com características muito peculiares que, sim, por natureza é estruturante. Mas, se propõe a ir um pouco além. É gerador de adicionalidade em sua essência, traz impacto social e ambiental a partir da sedimentação de políticas públicas”, disse Rafael. 

A visão do Ministério do Meio Ambiente

Depois, foi a vez de Sabrina Gimenes, Coordenadora dos Processos de Logística Reversa e Resíduos Perigosos pelo Governo Federal, trazer a visão do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima sobre o tema. Sabrina abordou os resultados esperados com a regulamentação dos Créditos de Massa Futura, as condições previstas em lei para Massa Futura, além de critérios para validação de projeto e estudo de viabilidade econômica.

Sabrina afirmou que não tem como avançar na logística reversa se a coleta seletiva também não funcionar. 

“Quando fizemos a revisão do antigo Decreto, o Recicla+ para o 11.413, o nosso foco era como melhorar a participação dos catadores e a qualidade dos resíduos. Então, reforçamos a importância da continuidade dos projetos estruturantes. Porque hoje, no Brasil, a coleta seletiva ainda é precária e temos esse desafio enorme de como integrar a coleta seletiva com a logística reversa. E vimos os Créditos de Massa Futura como uma alternativa, uma solução integrada, que dá segurança jurídica para investimentos do setor empresarial, que tem a responsabilidade da logística reversa e que apoie também os municípios na estruturação da sua coleta seletiva. Esperamos com o Decreto a continuidade dos projetos”, falou Sabrina. 

Erich e Rafael retomaram a fala e mostraram, a partir do Programa Recicleiros Cidades, que está ativo em 14 cidades brasileiras atualmente, como Recicleiros tem trabalhado, na prática, com o mecanismo de Massa Futura. A dupla detalhou a experiência precursora do Programa do Instituto Recicleiros, revelou os resultados alcançados e compartilhou as lições aprendidas e principais desafios.

A participação dos Estados nesse processo

Em seguida, a discussão foi em torno do papel do Estado na validação, monitoramento e avaliação de medidas compensatórias. Regiane Yogui, que atua no Departamento de Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e Eficiência dos Recursos da CETESB, e Luciene de Souza e Nathalia do Amaral, que fazem parte do corpo técnico da IMASUL, abordaram os principais aspectos dos Termos de Compromisso.

As falas incluíram também a validação dos projetos submetidos e monitoramento dos resultados, e a avaliação de medidas compensatórias em caso de não cumprimento da massa no período pré-estabelecido.

Tanto São Paulo quanto Mato Grosso do Sul, de maneira pioneira, regulamentaram a logística reversa em seus territórios.

“Uma coisa que foi bem importante para nós no Estado de São Paulo, foi a publicação da decisão de diretoria, lá em 2018, que trouxe a logística reversa como condicionante para a emissão das licenças. Isso trouxe um incentivo, um estímulo para que o setor produtivo passasse a aderir e investir nesses sistemas de logística reversa. A partir daí, começamos a conversar para entender como era realmente o sistema. Foi bem interessante porque passamos a entender que a necessidade de estruturação de Massa Futura era uma estratégia importante de ser agregada junto com os outros sistemas de logística reversa para que as empresas pudessem trazer os investimentos com segurança jurídica. Foram muitas reuniões em 2019, e o Termo de Compromisso só foi celebrado em 2020”, relembrou Regiane. 

Ela continuou: “precisamos dar os meios e as condições para que as empresas cumpram a logística reversa no Estado. A capacidade de coleta não está plenamente instalada para que todos os empreendimentos, se forem cobrados, cumpram a logística reversa. Então, precisamos diversificar as estratégias e a Massa Futura é uma possibilidade para essa ampliação, para que todos consigam trazer resultados e benefícios para o meio ambiente, saúde pública, geração de oportunidades, renda e emprego”.

As representantes do IMASUL também elogiaram o modelo proposto por Recicleiros.

“Vemos com bons olhos o modelo estruturante proposto por Recicleiros. Em Naviraí (MS), existe uma realidade antes e depois de Recicleiros. Vimos de perto o dimensionamento que foi feito em serviços de coleta seletiva, os roteiros dentro da cidade, a operação e toda a estratégia de comunicação e mobilização junto à comunidade. Isso foi muito importante, além da organização da cooperativa. Esse modelo beneficia não só os catadores, mas o município como um todo por conta da geração de renda, e essas pessoas precisam desse apoio do início ao fim”, relatou Nathália.

A vez dos gestores municipais

Dando continuidade, Marcio Zanetti, Prefeito de São José do Rio Pardo (SP), e Sinézio Rodrigues, Secretário de Meio Ambiente de Serra Talhada (PE), trataram das atribuições dos municípios no arranjo da responsabilidade compartilhada. 

Os gestores públicos ressaltaram a relevância do suporte técnico aos municípios parceiros de projetos de massa futura, os investimentos complementares para sistemas de coleta seletiva municipal e, ainda, as atribuições dos municípios para o alcance dos resultados pretendidos inicialmente.

Ambos mencionaram também a importância da regulamentação e fiscalização, da coleta seletiva, além do engajamento dos munícipes.

“Dentro da ideia de co-participação, me encanta e me agrada muito o modelo ofertado para São José do Rio Pardo para que a gente pudesse cumprir enquanto poder público municipal a nossa obrigação de promover coleta seletiva. Nós identificamos no nosso município um problema e tivemos a felicidade de encontrar rapidamente um caminho que nos foi ofertado por meio de um edital público que permitiu a São José do Rio Pardo ter a oportunidade de trabalhar pela constituição de uma cooperativa com toda a assistência técnica e direcionamento dado pelo Instituto Recicleiros, que tem um projeto sustentável e confiável”, elogiou Marcio. 

O prefeito continuou: “nós, gestores públicos municipais, não estamos preparados para fazer coleta seletiva, educar ambientalmente. Nós precisamos de apoio, amparo e caminho. Vocês têm dado a nós a oportunidade de trilhar esse caminho sustentável”.

“Essa co-participação exige responsabilidade financeira de todos nós, principalmente do poder público, que tem de assumir seu papel de relevância. Por que o município não pode destinar recurso do seu orçamento para garantir a promoção e efetivação desse tipo de política tão importante?”, questionou Marcio.

Sinezio Rodrigues foi na mesma direção e falou da experiência em Serra Talhada (PE), cidade que também conta hoje com o Programa Recicleiros Cidades.

“Precisamos enquanto poder público dar incentivos para que a gente consiga resultados mais imediatos. Em Serra Talhada, estamos enviando à Câmara dos Vereadores uma proposta de incentivo para o empresariado, por meio de desconto de alvará de funcionamento de estabelecimentos àqueles que façam a adesão à coleta seletiva, e para a população por meio da taxa de coleta do lixo. São formas que encontramos para agilizar a conscientização e adesão. E, claro, muita educação ambiental. Para isso, criamos uma parceria com universidades para estudantes fazerem a conscientização porta a porta falando da importância da coleta seletiva para preservação ambiental, geração de empregos e qualificar esses trabalhadores”, contou Sinezio. 

O secretário também abordou o tema da lei. “Precisamos avançar na aplicação da legislação. Quando aprovamos o plano de coleta seletiva, criamos regras e estabelecemos passos. Acredito que associada à comunicação, ao trabalho de educação ambiental e aos incentivos, precisamos atrelar a aplicação da lei”, apontou.

A voz das organizações de catadores

Por último, foi a vez de Claudia Pereira, Presidente da Recicla Serra Talhada (PE), e Celso Luiz Moulaz, Presidente da Coocamarji (RO), cooperativas incubadas pelo Programa Recicleiros Cidades, além de Roger Koeppl, Presidente da Cooperativa Yougreen (SP) participarem do debate. O trio discorreu a respeito do envolvimento e organizações de catadores na estruturação do projeto de Massa Futura.

“Temos valores muito comuns. Minha trajetória foi construindo uma cooperativa de catadores e também com profissionais de outras áreas para provar que era possível uma cooperativa prestar serviços para grandes geradores e empresas. Preenchemos esse espaço e deu super certo. Quando começamos a nos relacionar com Recicleiros, não existia do nosso lado um grande plano de negócios, mas sim uma grande vocação em querer resolver problemas. Não tínhamos experiência na área comercial, administrativa e como se relacionar com o mercado. Quando começamos a viabilizar esses projetos com Recicleiros, parece que tudo se encaixou. No primeiro projeto, viabilizamos um caminhão, esteira, duas prensas e mais alguns equipamentos para a cooperativa, e até hoje são os itens que dão estrutura a YouGreen. Ver o avanço de Recicleiros do nosso projeto-piloto até hoje é muito gratificante”, disse Roger Koeppl.

“A Massa Futura é muito importante para nós, tivemos um crescimento muito grande na região, que é muito distante dos grandes centros e temos dificuldade na comercialização e logística. Esse mecanismo possibilitou nosso crescimento, aprendemos muito. Ainda temos muito a fazer, mas depois de Recicleiros, as coisas mudaram muito. Quando chegaram, éramos pequenos, e hoje tomamos uma proporção muito grande, tanto que já temos duas filiais aqui em Rondônia, e pretendemos abrir outras”, contou Celso.

“Eu me apaixonei pelo projeto Recicleiros, que coloca a mão na massa, procura investimentos para implantar, incubar e dar dignidade às pessoas, que foi o que aconteceu em Serra Talhada. Temos educação ambiental, treinamento, capacitação, usamos equipamentos de proteção individual, existe um carinho e dedicação por parte do Instituto Recicleiros em relação a todos os cooperados”, falou Claudia. 

Na sua fala, Claudia também apontou um grande desafio: “é preciso conscientização das pessoas e mais atividade do poder público nessa questão. O que é cooperativismo? O que é material reciclável? As pessoas são carentes dessas informações”, encerrou.

Foram quase 3h30 de conversas e debates de alto nível, com personagens que fazem a reciclagem inclusiva acontecer. Para assistir na íntegra, acesse esse link aqui.

Nova lei de gestão de resíduos em eventos em SP remete ao início de Recicleiros e reforça seu caráter inovador

O governo de São Paulo publicou uma lei que traz novas diretrizes para a gestão de resíduos sólidos em eventos no Estado. A lei 17.806/2023, que envolve eventos públicos, privados ou público-privados, visa gerar impacto econômico e socioambiental.

De acordo com a lei, é de responsabilidade de organizadores, fornecedores e estabelecimentos o gerenciamento de toda a cadeia, desde coleta, transbordo, transporte, tratamento até a destinação final ambientalmente adequada. Isso vale para shows, festivais musicais, festas regionais, campeonatos esportivos, congressos, feiras, entre outros. 

Além disso, a nova lei diz que essa gestão de resíduos deverá ser conduzida, preferencialmente, por cooperativas de catadores de material reciclável.

Recicleiros como precursora de gestão de resíduos em eventos

A publicação dessa lei estadual traz à tona os primeiros passos de Recicleiros, ainda no início dos anos 2000. Foi nesta época que os então amigos de universidade Ana Beall, Erich Burger e Gustavo Giopatto, inspirados pelo conceito de negócio social, do Nobel da Paz, Muhammad Yunus, começaram a imaginar o que seria Recicleiros, com a missão de abrir novos caminhos e promover impacto socioambiental positivo para o planeta. Encontraram na gestão de resíduos de eventos um espaço para materializar esse empreendimento.

“Não tivemos uma atuação direta na criação dessa lei estadual, mas o curioso é que fizemos isso muito tempo atrás, em 2007, quando não existia sequer a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que veio em 2010. O que havia era uma pressão nas marcas para fazer ações ambientais. Foi nesse contexto que fizemos o primeiro projeto de Recicleiros, trabalhando com gestão de resíduos em grandes eventos. As marcas olhavam para isso mais como marketing do que sustentabilidade. O assunto era muito incipiente”, relembra Ana Beall, hoje Diretora de Compliance e Governança do Instituto Recicleiros.

A ideia central era fazer a gestão eficiente de resíduos do evento com o apoio de uma cooperativa de reciclagem da cidade, a partir de uma central de triagem itinerante e colocando os catadores no centro das ações. Todos recebiam remuneração, uniformes, EPIs e condições dignas de trabalho. E os resíduos processados tornavam-se propriedade da cooperativa, gerando renda para a unidade. Após o evento, Recicleiros elaborava um relatório com o volume de materiais processados e entregava aos organizadores.

“Agora, ver uma lei aprovada é sensacional. Demorou para acontecer, mas que bom que ela existe agora. Nós olhamos para isso em 2007, fomos precursores, e estamos em 2023, veja quantos anos se passaram. Hoje temos uma legislação de algo que já fazíamos há muito tempo”, acrescenta Ana.

Eventos diversos e reconhecimento

O primeiro evento realizado por Recicleiros nesses moldes foi o festival de música Planeta Terra, em 2007, com cerca de 15 mil pessoas, na capital paulista. Diante do ineditismo e do sucesso da ação com organizadores e público do festival, a gestão de resíduos sólidos em eventos coordenada por Recicleiros ganhou corpo e projeção. 

Para se ter uma noção, só do Planeta Terra, foram quatro participações consecutivas. Vale citar que no segundo ano desse festival, a Central de Triagem de Recicleiros foi eleita pelo público como a atração mais surpreendente de todo o evento, segundo o voto popular. Outro ponto de reconhecimento pelo trabalho inovador foi a inclusão pela Federação Internacional de Vôlei de Praia, do sistema de gestão de resíduos Recicleiros no Guide Book mundial de organização do evento, recomendando a Central de Triagem de Resíduos Sólidos criada por Recicleiros para todas as etapas do Mundial.

Entre os muitos eventos nos quais Recicleiros fez a gestão de resíduos em parceria com cooperativas de reciclagem, podemos citar os festivais de música SWU, Maquinária, About Us e o Natura Nós, além de eventos esportivos de calibre internacionais como Mundial de Vôlei de Praia, São Paulo Indy 300, Sharapova x Dulko e nacionais, como Stock Car e Descida da Escadaria de Santos.

Conexão com as cooperativas e destaque para os cooperados

A gestão de resíduos em eventos tinha como ponto central a conexão de Recicleiros com as cooperativas locais, abrindo um novo horizonte e subvertendo a lógica da época. Afinal, era (ou é?) comum os responsáveis pelos eventos chamarem catadores para darem a destinação final dos resíduos. O pagamento? O próprio resíduo. Porém, a bandeira levantada por Recicleiros, que segue hasteada até hoje, passa pela remuneração pelos serviço prestado pelos catadores, que pode ter como parte do pagamento os próprios resíduos. Por isso, a remuneração aos catadores e catadoras estava clara nos orçamentos dos eventos.

Por conta dos altos volumes triados e vendidos pelas cooperativas, muitas conseguiram, a partir dos recursos, aperfeiçoar a infraestrutura. Por exemplo, com o dinheiro dos resíduos, teve unidade que quitou um caminhão financiado, criou um sistema de combate a incêndio, um sistema de iluminação do galpão para trabalhar em dois turnos e aumentar a produtividade, entre outras conquistas. “O impacto gerado era muito positivo. Essa lógica era e ainda é inovadora”, diz Erich  Burger, Diretor Institucional do Instituto Recicleiros.

“A gente fazia dessa experiência com os catadores uma espécie de workshop de capacitação. Muitas cooperativas não tinham onde triar resíduos, era no chão. Criamos então uma bancada de triagem extremamente simples, leve e barata, especialmente desenvolvida para o contexto de eventos, assim como processos produtivos que simplificavam essa operação. Tudo isso é tecnologia social. A gente viajava para as cidades, conhecia as cooperativas e trocava conhecimentos, de lado a lado”, conta Erich.

Uma outra conquista foi tirar os catadores da invisibilidade. “Essas pessoas, que antes não eram vistas, foram para o centro. Tornaram-se prestadores de serviço  que eram aplaudidos pelo público, que eram percebidos por públicos de eventos que tinham grandes bandas no palco, por exemplo. Eram pagos para fazer o trabalho, e tinham seu espaço. Elevamos a autoestima de pessoas muito sofridas”, comenta o diretor de Recicleiros.

A realidade de hoje foi construída ontem

Apesar de a gestão de resíduos em eventos não fazer mais parte do negócio Recicleiros – ocorreu entre 2007 e 2012 –, esse momento embrionário foi fundamental para a atuação atual do Instituto, em 2023. 

“Hoje, defendemos uma metodologia estruturada para o que a gente faz, que é implantar uma estrutura de coleta seletiva com dignidade para catadores, com inclusão social, com elementos básicos. Isso estava na apresentação quando pensamos em fazer a reciclagem em eventos. Percebemos que nesse ambiente havia resíduos e o catador estava envolvido nesse ecossistema. É a mesma lógica de hoje, do que precisa ser feito para ter reciclagem com inclusão social. Falávamos na época que tinha de ter legislação, infraestrutura, comunicação para engajamento e remuneração para os catadores, exatamente o que fazemos hoje em dia”, completa Erich.

A nova lei 17.806/2023, mais do que despertar um sentimento acalentador de nostalgia por rememorar o início de tudo, deixa evidente o caráter inovador de Recicleiros, que está sempre à frente do seu tempo quando o assunto é reciclagem e inclusão social.

Veja aqui uma coletânea de fotos que mostra a atuação de Recicleiros na gestão de resíduos em eventos.

Formação técnica e humana fortalece cooperativas de reciclagem e muda a vida dos profissionais

O Núcleo de Desenvolvimento do Catador, área do Instituto Recicleiros que atua na formação e capacitação de cooperadas e cooperados, faz um trabalho essencial na consolidação das cooperativas que hoje fazem parte do Programa Recicleiros Cidades.

Para se ter uma ideia de sua importância, 11 das 14 Unidades incubadas atualmente foram formadas do zero pelo time do Núcleo de Desenvolvimento do Catador. E todo esse trabalho envolve treinamentos e capacitações diversas, tanto técnicas, ligadas diretamente à cooperativa, quanto humanas.

Leia também:

Seletiva 2023: veja os 9 municípios habilitados para o Programa Recicleiros Cidades

Quadro Gestão à Vista proporciona mais transparência e agilidade na tomada de decisão dentro das cooperativas

Academia do Catador desenvolve treinamento para governança das cooperativas

“Como organização ambientalista seria simplista falar que montamos uma planta e preparamos pessoas para trabalhar. Fazemos muito mais do que isso. Ali nasce uma organização com valores, ideias, princípios, que constrói uma visão de mundo coletiva e inclusiva”, afirma Lusimar Guimarães Pereira, Gerente do Núcleo de Desenvolvimento do Catador.

O trabalho do Núcleo em números

  • 4800 pessoas interessadas em fazer parte das cooperativas nas cidades
  • 275 pessoas convidadas para fazer parte da cooperativa nas localidades (25 por unidade)
  • 660 horas de integração/treinamentos preparatórios para operação 
  • 48 horas de treinamento para lideranças das cooperativas
  • 140 horas de mentorias às lideranças das cooperativas 

“O interessante é o impacto que causamos. Os cooperados, à medida que evoluem na jornada, são pessoas cada vez mais respeitadas na comunidade. São mais do que pessoas que trabalham na coleta seletiva, são legítimas lideranças da comunidade. Essas pessoas se empoderam também nos espaços que elas frequentam, como no bairro onde moram, por exemplo”, acrescenta.

Um dos desafios do Núcleo é fortalecer as bases das cooperativas. O trabalho passa por unir um grupo de pessoas, empoderá-las e deixá-las apaixonadas pelo negócio. Uma vez que as estruturas estão construídas, os esforços são para promover o desenvolvimento de um do negócio social. Isso inclui além de capacitações, encontros quinzenais de mentoria junto às diretorias e cooperados, visitas periódicas às praças para supervisão educacional, e o acompanhamento por meio de planos de desenvolvimento individual (PDI).

Treinamentos para o trabalho e para a vida

O trabalho desenvolvido pelo NDC gera repercussões diretas na vida desses profissionais:

“O NDC nos dá toda a assistência para lidar com as questões burocráticas da empresa e questões legais. Fornece conhecimento técnico que só conseguiríamos se fizéssemos uma faculdade”, revela Deizideria Saraiva, Cooperada da Recicla Cajazeiras (PB).

De acordo com Hugo Coutinho, líder regional do Instituto Recicleiros, o NDC contribui para o fortalecimento de vínculo de confiança e gratidão entre os cooperados e o Instituto Recicleiros, pois percebem na prática que fazem parte de um programa que investe tempo neles.

“O processo operacional é importante, mas o nosso processo também é desenvolver pessoas. Situamos essas pessoas no mundo, alguns receberam um certificado pela primeira vez. Aqui, os incentivamos a dar a opinião, se posicionar. Nós empoderamos, trabalhamos a autoestima, falamos que eles podem, sim, sonhar, e isso é fundamental para a mudança de vida”, finaliza.

Veja o que os cooperados que fazem parte do Programa Recicleiros Cidades estão falando!

Ficou com dúvidas? Entre em contato!

+[84] 1800 333 555

Rua General Sócrates, 418 – Penha da França, São Paulo, SP, CEP 03632-040.

Explore

Receba notícias eatualizações:

Nossas redes:

© 2022 – Instituto Recicleiros. Todos os direitos reservados.

Carefully crafted by Themelexus