Recicleiros e Owens-Illinois retiram 130 toneladas de vidro na Vila de Jericoacoara

O Instituto Recicleiros e a Owens-Illinois se juntaram para retirar, no início deste ano, 130 toneladas de embalagens de vidro, equivalente a cerca de 650 mil garrafas da Vila Jericoacoara, no Ceará, um dos destinos turísticos mais conhecidos do Brasil. A Vila costuma gerar em média, por dia, nada menos do que 2,5 toneladas de vidro.

A ação inédita também contou com a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Jericoacoara e o Grupo HEINEKEN para fazer a destinação ambientalmente correta dos materiais, encaminhados para a reciclagem. 

Para resolver a situação pontual, Recicleiros, O-I e a Cooperativa, com apoio do Grupo HEINEKEN, se uniram numa força tarefa para viabilizar um esquema logístico emergencial e, em aproximadamente 30 dias, retiraram o material acumulado na Vila para um transbordo localizado no município Jijoca (CE), de onde partiram grandes caminhões com esse vidro para reciclagem.

Ao todo, foram enviados quatro caminhões carregados de vidro tendo como destino a planta da Owens-Illinois em Recife (PE). O custo da operação considerou uma remuneração justa e ética por tonelada processada pelo trabalho da Cooperativa.

Os desafios da operação

 A geografia complexa na região, formada por dunas de areia que cercam a Vila de Jericoacoara, torna a reciclagem de garrafas de vidro muito desafiadora. Escoar o vidro de Jeri para reciclagem é uma tarefa que exige uma infraestrutura logística bem estruturada, além da proximidade da indústria recicladora ao local. 

Portanto, para que a operação se torne economicamente viável, é necessário carregar a maior quantidade possível de vidro em cada caminhão, pois a indústria recicladora mais próxima está a mais de 1000 km de distância, no Recife (PE). 

Tudo isso tem feito da destinação ambientalmente adequada do vidro descartado em Jeri um desafio que exige uma visão integrada e colaborativa entre o ecossistema envolvido.

“O vidro é um material permanente, inerte e infinitamente reciclável. A principal barreira para que continue sua jornada circular na cadeia é conseguir com que ele chegue em boas condições até nossas fábricas. Através da responsabilidade compartilhada e união de esforços entre diferentes atores, estamos comprometidos em buscar soluções para tornar possível e viável que o vidro consumido em destinos paradisíacos e com longas distâncias de fábricas não acabe seu ciclo de vida de forma precoce, e possa se tornar uma nova garrafa, diminuindo a necessidade de extração de matéria-prima virgem”, comenta Alexandre Macário, gerente de economia circular da Owens-Illinois. 

Agora, os esforços do Grupo HEINEKEN, Recicleiros e O-I estão voltados para o estabelecimento de uma solução para que o retorno desse material para a cadeia produtiva seja feito de maneira permanente e definitiva. A expectativa é que sejam realizados investimentos em infraestrutura e processos otimizados, além da garantia de compra do vidro para que seja transformado em novas embalagens e garanta assim a economia circular do material com  impacto social.

“Essa estruturação trará eficiência operacional e redução de custo na logística da recuperação do vidro na vila”, comenta Erich Burger, fundador e diretor institucional de Recicleiros.

Jeri e o Programa Recicleiros Cidades

A Vila de Jericoacoara foi o território piloto do Programa Recicleiros Cidades, iniciativa estruturante em coleta seletiva e reciclagem inclusiva, focada na geração de adicionalidade nos municípios brasileiros e viabilizada pelo conceito de Massa Futura – posteriormente regulamentado pelo decreto federal 11.413/23.

“Estamos gratos a equipe inteira envolvida junto à Cooperativa. Geramos hoje em torno de 75 toneladas/mês de vidro e ele se acumula muito rápido. A retirada constante desse material é de extrema importância para a preservação de Jeri e para a renda dos cooperados”, enfatiza Edicarlos Araújo, presidente da Cooperativa de Catadores de Jericoacoara.

Atualmente, o município conta com uma Lei Municipal de Coleta Seletiva, um sistema de cadastramento e fiscalização de grandes geradores e uma unidade de triagem equipada, com processos produtivos definidos e catadores treinados para operação e gestão.

 

Recicleiros fecha parcerias para promover mudança de comportamento para reciclagem

O Brasil recicla hoje apenas 4% de seus resíduos sólidos, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Esse percentual está muito aquém dos 16% vistos em países como Chile, Argentina, África do Sul e Turquia, cuja faixa de renda e grau de desenvolvimento econômico são semelhantes, conforme dados da International Solid Waste Association (ISWA).

Fato é que esse baixo índice de materiais que voltam para a cadeia produtiva nas indústrias passa diretamente pelos hábitos arraigados dos brasileiros, que ainda misturam orgânicos com materiais recicláveis, e pouco destinam seus resíduos para a coleta seletiva. Portanto, sem dúvida, é preciso avançar de forma significativa na mudança de comportamento dos cidadãos, sobretudo no que diz respeito à reciclagem. 

Dentro deste cenário, o Instituto Recicleiros, ciente de sua vocação laboratorial e alinhado com seu compromisso com a sociedade brasileira, tem testado novos caminhos para facilitar a educação ambiental e contribuir para a expansão perene e gradual da coleta seletiva e reciclagem no país. Por isso, tem trabalhado em parceria com outras instituições comprometidas com o mesmo propósito: a mudança de comportamento das pessoas em benefício da reciclagem.

Leia também:

Conheça os 21 municípios classificados para a segunda fase da Seletiva 2024 do Programa Recicleiros Cidades

Encontro inédito de líderes de cooperativas de reciclagem promove novos conhecimentos e troca de experiências entre os catadores

A voz dos cooperados #3: a visão dos catadores que integram o Programa Recicleiros Cidades

 

Hoje, Recicleiros desenvolve atividades junto a outras duas instituições que servem a essa mesma causa: Delterra e Espaço Urbano. O objetivo é unir esforços, trocar experiências práticas e insights, e testar em uníssono novas possibilidades, a fim de fomentar a cultura da reciclagem por meio de novos hábitos e atitudes.

“Estamos unindo esforços de olho na mudança de comportamento das pessoas, inclusive para aumentar o volume de massa de recicláveis dentro das cooperativas incubadas por Recicleiros, gerando mais renda para os cooperados. Delterra e Espaço Urbano estão fazendo trabalhos parecidos, então, por que não unir para potencializar os resultados?”, diz Luciana Ribeiro, analista de projetos do Instituto Recicleiros.

Duas parcerias e novos testes e abordagens

Cada parceria tem as suas particularidades e seus objetivos específicos, embora todos estejam alinhados com a mudança de comportamento. E cada uma funciona em um território diferente: Guaxupé (MG) e Piracaia (SP), todas cidades nas quais operam uma Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) em fase de incubação por Recicleiros.

A união com Delterra tem como território base a cidade de Guaxupé (MG), e a proposta é desenhar um modelo de ação amparado na experiência do usuário. Isso envolve pesquisa de campo, testes, entrevistas presenciais e online para a criação de uma campanha de comunicação massiva em favor da reciclagem. 

Neste momento, o conceito criativo da campanha está pronto, e o passo seguinte é testar em um microterritório, que pode ser um bairro ou uma rota de coleta, para avaliar a efetividade e eventualmente adaptá-lo para que seja expandido em todo o município mineiro. Vale citar que Delterra e Recicleiros são apoiadas pela AEPW, Alliance to End Plastic Waste.

“É um prazer para a Delterra unir forças com um parceiro consagrado e apaixonado como a Recicleiros, temos tanto em comum. Através da troca de aprendizagens e experiências em mudança de comportamento e outras áreas relacionadas com a gestão de resíduos, a nossa esperança é encorajar a expansão deste tipo de projeto, que beneficia tanto o ambiente como as comunidades locais”, diz Federico Di Penta, Diretor Regional da América Latina.

Com relação a Espaço Urbano, que iniciou as ações no município de Piracaia (SP), a abordagem é diferente, vai por outro caminho, mas tem o mesmo fim: a mudança de comportamento. A metodologia testada é atrelar a reciclagem a assuntos diversos, utilizando a gamificação, ou seja, a partir de mecanismos e dinâmicas para motivar e, ao mesmo tempo, ensinar as pessoas de forma lúdica. Por exemplo, os munícipes são incentivados a doar seus recicláveis a fim de ajudar a causa animal – os materiais recicláveis valem ração para atender cães de rua.

Além disso, a Espaço Urbano não dialoga diretamente com os consumidores, mas trabalha junto a influenciadores sociais, como religiosos, líderes sociais, com a ideia que eles sejam multiplicadores da mensagem e possam impactar as pessoas que estão ao seu redor em favor da reciclagem. Assim, a organização não mobiliza pessoas, mas forma mobilizadores.

Criação de novos hábitos em Campo Largo

Em Campo Largo (PR), a startup so+ma, especializada em engajamento do consumidor, e tendo como base princípios da ciência comportamental e tecnologia, soma com o Instituto Recicleiros, mudando os hábitos dos cidadãos e trazendo mais volume e de qualidade para a unidade local do Recicleiros. 

Presente em quatro estados brasileiros, o programa so+ma vantagens reconhece as atitudes socioambientais do participante oferecendo benefícios e promovendo a economia circular na prática. A parceria com o Instituto Recicleiros se concretizou por meio da SIG, patrocinadora semente de Recicleiros, que oferece soluções para embalagens cartonadas assépticas, e grande apoiadora das duas organizações.

A ação em Campo Largo (PR), que tem também o apoio do Governo do Paraná e Prefeitura de Campo Largo, atua em duas frentes: com uma unidade de recebimento chamada casa so+ma e aprendizagem na prática em escolas. A casa so+ma é um ponto de recebimento onde os munícipes trocam seus recicláveis por pontos que podem ser convertidos em benefícios como alimentos, itens de higiene, cursos, entre outros produtos.

Em ação com escolas municipais, os alunos levam seus recicláveis, são cadastrados, acumulam créditos e podem trocar por materiais escolares, brinquedos, ingressos de cinema e vale-cultura.    

Todo o material recebido através do  programa so+ma vantagens é doado para a Recicla Campo Largo, cooperativa incubada pelo Instituto Recicleiros por meio do Programa Recicleiros Cidades. Em menos de doze meses, já foram quase 90 toneladas de recicláveis recebendo destinação correta através do programa com engajamento da população.

Em parceria com Instituto Heineken, Academia do Catador promove treinamento de consumo consciente de álcool para catadores

Com o objetivo de conscientizar catadoras e catadores de materiais recicláveis sobre o consumo consciente do álcool, o Instituto Recicleiros, por meio da Academia do Catador, promoveu um treinamento específico sobre o tema em parceria com o Instituto HEINEKEN. A jornada completa da Formação Técnica e Humana de Cooperativas de Reciclagem já foi aplicada em 12 cooperativas incubadas pelo Instituto Recicleiros. Ao todo, 248 catadoras e catadores de várias partes do país participaram do curso.

Com duração de 12 horas, o curso está divido em 3 módulos com temas e objetivos específicos: A sociedade e o consumo do álcool; Causas e efeitos do consumo do álcool; e Direcionamento e soluções. Junto à formação, os catadores e catadoras receberam uma cartilha desenvolvida em parceria com o Instituto HEINEKEN que trata da importância de beber com responsabilidade para viver melhor e mais feliz.

Discussões sobre temas que envolvem vida e trabalho

Para Kellen Sanches e Lusimar Guimarães, que fazem parte do time da Academia do Catador do Instituto Recicleiros, e responsáveis pelo desenvolvimento do curso e a preparação dos multiplicadores do conteúdo, abordar a questão do consumo de álcool para o público das cooperativas significa envolvê-los em um tema que afeta a vida pessoal e profissional.

“Levar o assunto para os cooperados e poder debater sobre ele de forma transparente, evitando qualquer viés moral, demonstrando que o consumo em excesso pode ser considerado uma doença, proporcionou que os grupos fizessem correlação com situações do dia a dia das famílias, das organizações”, conta Lusimar, gerente do Núcleo de Desenvolvimento do Catador (NDC).

Kellen complementa: “desenvolver esse curso, sem dúvida, foi um grande desafio, ainda mais quando pensamos em nosso público e toda a sua vulnerabilidade, e foi pensando nisso que optamos por transformar as falas e exemplos da forma mais leve possível. Sem dúvida, aí está o grande diferencial, falar de algo tão importante de forma única e exclusiva. Foi um grande prazer!”.

Treinamento estará disponível gratuitamente na Academia do Catador

Este treinamento será aplicado periodicamente para novos cooperados que ingressarem nas cooperativas incubadas por Recicleiros e, ainda no primeiro trimestre de 2024, estará disponível gratuitamente na Academia do Catador, plataforma online que será lançada com apoio do Instituto HEINEKEN, da SIG Group e Nestlé, e terá conteúdos formativos diversos para catadoras e catadores de todo o Brasil que atuam em cooperativas de reciclagem.

“O Instituto Heineken tem como objetivo oferecer capacitação, contribuir com o desenvolvimento de habilidades socioemocionais e empreendedoras, e com a geração de renda a catadores e catadoras, profissionais que muitas vezes são invisibilizados pela sociedade, mas que são essenciais para a cadeia da reciclagem no Brasil. Acreditamos que a transformação da sociedade por meio do equilíbrio é fundamental, e por isso investimos em iniciativas como a Academia do Catador, que fornece informações sobre o consumo responsável de álcool. Essa é uma ação importante para uma sociedade mais sustentável no longo prazo e para uma melhor relação das pessoas com nossos produtos”, afirma Vânia Guil, gerente executiva do Instituto HEINEKEN.

A visão das cooperadas

“Aprendi muitas coisas, como consumir álcool com responsabilidade, quando beber não dirigir como forma de respeitar a si e ao próximo, e da importância do consumo com moderação. O alcoolismo é muito perigoso, vivi isso com a minha família”, conta Doralice de Oliveira, da Recicla Piracaia (SP).

“O treinamento do Consumo Consciente de Álcool me ajudou. Entendi, por exemplo, a importância de estar alimentada para consumir minha cerveja, então hoje consigo me alimentar melhor e beber cerveja com mais consciência”, afirma Cleiciane Soares de Moura, da Recicla Caldas Novas (GO).

Conheça os 21 municípios classificados para a segunda fase da Seletiva 2024 do Programa Recicleiros Cidades

A “Seletiva 2024: Qualificar para Transformar”, promovida pela Academia Recicleiros do Gestor Público, encerrou a primeira fase neste mês de março e, assim, a lista dos municípios classificados para a próxima fase está consolidada.

Ao todo, foram 70 inscrições gerais em 14 estados brasileiros. Dessas, foram 21 inscrições oficiais de municípios. O Piauí, com cinco representantes, liderou a lista de estados com mais inscritos. Depois, aparecem Bahia e Rio Grande do Sul com quatro, Mato Grosso com três, Amazonas e Sergipe com dois e Maranhão com um.

Neste ano, vale lembrar, a Academia Recicleiros do Gestor Público está direcionando esforços na qualificação de municípios localizados em estados nos quais a logística reversa já foi regulamentada. São eles: Amazonas, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Rio Grande do Sul e Sergipe.

Leia também:

Recicleiros busca novos acordos com estados para fomentar a reciclagem a partir da logística reversa

A voz dos cooperados #3: a visão dos catadores que integram o Programa Recicleiros Cidades

Encontro inédito de líderes de cooperativas de reciclagem promove novos conhecimentos e troca de experiências entre os catadores

 

Veja abaixo a lista de municípios classificados para a próxima fase da Seletiva 2024:

  • Itacoatiara (AM)
  • Manacapuru (AM)
  • Jaguaquara (BA)
  • Jaguarari (BA)
  • Senhor do Bonfim (BA)
  • Cruz das Almas (BA)
  • Paço do Lumiar (MA)
  • Cáceres (MT)
  • Poconé (MT)
  • Paranatinga (MT)
  • Cocal de Telha (PI)
  • Floriano (PI)
  • Porto Alegre do Piauí (PI)
  • Queimada Nova (PI)
  • Uruçuí (PI)
  • Charqueadas (RS)
  • Dom Pedrito (RS)
  • Gramado (RS)
  • Montenegro (RS)
  • Estância (SE)
  • São Cristóvão (SE)

A segunda fase da Seletiva 2024, que acontece até meados de abril, envolve a qualificação desses territórios. Nesse período, os gestores públicos deverão percorrer a Trilha do Conhecimento na Plataforma on-line da Academia Recicleiros do Gestor Público, assistir as Mentorias Técnicas e participar dos plantões de dúvidas com especialistas.

Ao final deste processo, os municípios aptos e mais engajados e comprometidos com a causa socioambiental serão convidados a participar de rodadas de consultorias exclusivas com especialistas Recicleiros, além de concorrerem a uma vaga no Programa Recicleiros Cidades.

“A Seletiva 2024 teve seu foco em estados importantes para Recicleiros. Não apenas pela necessidade de implantarmos unidades produtivas, mas também pela nossa missão estatutária: de levar nosso conhecimento acumulado ao longo de quase duas décadas de atuação, para que o municípios possam implementar suas políticas públicas de coleta seletiva de reciclagem, com ou sem aporte de recursos do Instituto. Nosso objetivo é o de estar presente nesses territórios”, afirma Cezar Augusto, gerente da Academia Recicleiros do Gestor Público.

Vale ressaltar que os municípios cuja população na região urbana esteja entre 32,5 mil e 200 mil habitantes, estão aptos a integrarem o Programa Recicleiros Cidades e podem receber até R$ 5 milhões que são investidos em soluções para implementação da reciclagem inclusiva, como infraestrutura, gestão, assessoria técnica, comunicação e muito mais.

ZBRA desenvolve software exclusivo de gestão de dados para Recicleiros

O Instituto Recicleiros fechou uma parceria inédita com a ZBRA, empresa de desenvolvimento de software com quase 20 anos de mercado, que está gerando grandes resultados dentro e fora da organização. 

O objetivo é desenvolver um sistema personalizado para gestão inteligente de dados e, assim, trazer ainda mais transparência às ações de Recicleiros, além de melhorar os procedimentos internos de administração e governança corporativa. 

O acordo também faz parte do compromisso da organização de promover inovação e melhoria contínua nos processos, beneficiando a todos os segmentos envolvidos no dia a dia do Instituto. Afinal, com um sistema moderno digital, as informações ficarão mais acessíveis, por exemplo, aos investidores que apoiam as ações de Recicleiros, assim como as cooperativas parceiras, geridas por catadores, que operam as Unidades de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMRs). 

Leia também:

Conheça os impactos ambientais, sociais e econômicos obtidos com o Programa Recicleiros Cidades

3 fatos que comprovam o caráter inovador da Academia Recicleiros do Gestor Público

Saiba como a Academia Recicleiros do Catador faz a incubação em uma UPMR

Para acompanhar o crescimento de Recicleiros nos últimos anos, a evolução na gestão de dados tornou-se uma necessidade. “Em síntese, temos um grande volume de dados dentro do Instituto Recicleiros, com muitas variáveis. Como são muitas informações para correlacionar, chega em um momento em que realmente é um trabalho muito complexo de fazer por meio de planilhas”, explica Jessika Arimura, da área de relacionamento comercial, pós-venda e conciliação de Recicleiros.

Essa foi a razão pela qual Recicleiros procurou apoio da tecnologia oferecida pela ZBRA, especialista, dentre outras coisas, em transformar os processos baseados em planilhas em softwares eficientes de gestão de dados.

Software construído a muitas mãos

Para iniciar os trabalhos, no início de 2022, representantes de ZBRA e Recicleiros se encontraram durante oito dias inteiros para fazer descobertas, trocar informações, analisar e compreender os desafios e, então, encontrar as possíveis soluções. 

“Eram 10 pessoas de diferentes perfis, incluindo os usuários finais, e isso é importante para a cocriação porque tem um alinhamento, tanto estratégico quanto a operação do sistema. Foram dias de muita discussão e conseguimos chegar a uma ideia de solução”, conta Gustavo Ayres, CIO da ZBRA. 

Feito isso, o passo seguinte foi começar a programar, mexer no código e, em seguida, começar a fazer as entregas faseadas do sistema. Hoje, aliás, a maior parte dos dados já está presente no novo sistema de Recicleiros, e a entrega final do software está prevista para acontecer no próximo mês de agosto, antes do previsto inicialmente no cronograma.

“O que fizemos foi criar um sistema que facilita a entrada de dados, centraliza todos os dados e também facilita o acesso à informação a todos os interessados, como investidores, órgãos reguladores e cooperativas. Por exemplo, o próprio investidor pode atualizar dados dentro do sistema”, acrescenta Ayres. 

Assim, os investidores terão fácil acesso a informações sobre as operações de logística reversa do Instituto Recicleiros com previsão de massa futura, incluindo os contratos em vigor, o que já foi realizado e a previsão das próximas entregas.

Jessika afirma ainda que o novo software da ZBRA vai melhorar a produtividade, já que a gestão do tempo está sendo aprimorada. “A economia de tempo será melhor, pois vamos agilizar processos internos com as informações mais acessíveis dentro do sistema”, projeta.

Alinhamento com a causa socioambiental

A parceria entre Recicleiros e ZBRA, é bom dizer, só foi possível graças ao alinhamento existente entre as partes. De acordo com os líderes da ZBRA, essa conexão com o cliente é muito importante, até para a execução mais fluida do trabalho. “O foco de Recicleiros de oferecer uma vida digna aos catadores marcou a gente desde o início. E o esforço para fazer esse projeto acontecer tem a ver com esse alinhamento de valores”, conta Gustavo.

“Internamente a gente fala muito sobre empatia. No caso de Recicleiros para nós é fácil ter empatia porque é uma causa social que a gente se identifica, tem a ver com reciclagem. Isso gera muito mais motivação na equipe porque eles entendem o valor do software que estão entregando. Se o software funcionar, terão mais catadores tendo uma vida digna e mais resíduos sendo reciclados”, complementa Alexandre Cunha, sócio da ZBRA. 

Segundo ele, a empatia com o usuário e com o cliente faz parte do modo de operar com todos os clientes.

Um pouco mais sobre a ZBRA

A ZBRA nasceu 18 anos atrás a partir da união de Alexandre Cunha e Milton Terra, que viram uma oportunidade em iniciar um negócio que prezasse pela satisfação do engenheiro de software e, também, do cliente, ou seja, em que as duas partes ficassem satisfeitas.

Com o tempo, a empresa foi crescendo organicamente, inclusive por conta das indicações. Hoje, o time da ZBRA conta com praticamente 100 pessoas. 

“Criamos um ambiente onde as pessoas querem permanecer, e isso é muito importante para nós. E do outro lado, os clientes também querem ficar. Por exemplo, tem cliente que está com a gente desde o começo, outros com mais de 10 anos. Para nós, a medida de sucesso é isso, quanto tempo os clientes e os desenvolvedores querem ficar com a gente”, diz Alexandre.

Jessika fala das trocas produtivas que tiveram até aqui. “Eles são muito ativos, estão ajudando em vários aspectos, até como consultores. É uma parceria muito boa para nós. Desde as primeiras conversas eles mostraram engajamento com a causa, acreditaram no nosso projeto e fizeram questão de contribuir”, encerra Jessika, a coordenadora deste projeto.

Para saber mais informações sobre a empresa, acesse: https://zbra.dev/

Anuário da Reciclagem traz um raio-X do segmento no Brasil

O Anuário da Reciclagem, desenvolvido a partir da iniciativa do Instituto Pragma, é um material de referência no setor. Foi criado para evidenciar o potencial econômico, social e ambiental da reciclagem e, também, mostrar a importância de catadoras e catadores de recicláveis na promoção e viabilização da cadeia sustentável.

Temos orgulho de ter contribuído com dados estatísticos que compõem esse conteúdo tão rico e que nos ajuda a refletir e pensar nos próximos passos para criarmos um modelo sustentável que una os aspectos ambientais e sociais.

Destacamos aqui 8 pontos relevantes do Anuário, cuja última edição foi lançada em dezembro de 2022. Confira!

1. O perfil demográfico das catadoras e catadores no Brasil

De acordo com o Anuário da Reciclagem 2022, em média, são 32 catadoras e catadores de materiais recicláveis por cooperativa/associação, considerando uma amostragem de 306 organizações pesquisadas em todo o país, e um total de 9.854 profissionais. 

Olhando para as regiões, o Centro-Oeste conta com a maior média de profissionais por organização (50). Depois, aparecem Sudeste e Nordeste (31), Sul (29) e Norte (22).

Outro ponto interessante é a análise em números absolutos por região. A Sudeste apresenta o maior número de catadoras e catadores, com 3.977, cerca de 40% dos trabalhadores, seguida da Sul, com 1.964. Já o Norte tem o menor número entre as regiões do país (568), aproximadamente 6%.

Considerando os estados, São Paulo tem o maior número de trabalhadores: 2.854. Na sequência, vem o Distrito Federal (1.052). Na outra ponta, os estados da Paraíba e do Acre registraram o menor número de catadoras e catadores, com 23 e 22, respectivamente. 

Importante ressaltar que esse cenário de distribuição das catadoras e catadores pode estar relacionada a alguns fatores, como a presença de políticas públicas voltadas à coleta seletiva operacionalizada por organizações de catadores de materiais recicláveis, bem como incentivos públicos, além da presença de indústrias da reciclagem.

Recicleiros está presente hoje em todas as regiões do país. E o plano é, até 2027, marcar presença em 60 cidades, e alcançar mais de 3 mil postos de trabalho nas cooperativas.

2. A proporção de homens e mulheres dentro da reciclagem

As mulheres representam 56% do total de trabalhadores vinculados à reciclagem, versus 44% dos homens. A análise considera 306 organizações, num total de 9.854 catadores.

Em números absolutos, são 5.483 mulheres, enquanto 4.371 são homens, ou seja, uma diferença de 1.112 mulheres a mais nas atividades de coleta, triagem, enfardamento e comercialização de materiais recicláveis dentro do universo pesquisado.

Quando analisada a distribuição de mulheres e homens por região, a Sudeste é a que conta com a maior presença feminina: 60% ou 2.381 profissionais. Depois, aparecem as regiões Sul com 1.077 mulheres (55%); Centro-Oeste com 919 (53%), Norte com 291 (51%) e Nordeste com 815 (50,3%).

As mulheres, além de essenciais na cadeia da reciclagem, são protagonistas em diversos movimentos da categoria pelo país. 

3. Renda média de catadoras e catadores

A renda média mensal foi um dos pontos levantados no Anuário. De acordo com ele, a média nacional da renda desses profissionais da reciclagem é de R$ 1.478, ou seja, ligeiramente acima do salário mínimo atual, fixado em R$ 1.320.

Quando olhamos a renda média por região, Centro-Oeste, Sul e Sudeste registraram R$ 1.671, R$ 1.594 e R$ 1.574, respectivamente, acima da média nacional. As regiões Nordeste e Norte ficaram abaixo da média nacional e, também, inferior ao salário mínimo. A primeira registrou R$ 1.008, enquanto a segunda R$ 1.022.

O estudo também revela um crescimento expressivo da renda média mensal das catadoras e catadores entre os anos de 2019 e 2021. O valor, que era de R$ 1.072, passou para R$ 1.448 dois anos depois, uma elevação considerável de 35,1%. 

Destaque para as regiões Centro-Oeste e Sudeste, que cresceram acima da média nacional. Na Centro-Oeste, subiu de R$ 800 para R$ 1.671, aumento de 108,9%. Já a Sudeste passou de R$ 1.073 para 1.574, acréscimo de 46,7%. Vale mencionar que as outras regiões também cresceram, mas com índices um pouco menores.

Apesar das conquistas nos últimos anos em relação à remuneração, é bom ressaltar que ainda existem muitos avanços pela frente. Afinal, os valores ainda não são satisfatórios e, também, a informalidade é uma realidade nesse contexto. É comum se ver ambientes de trabalho precários, nos quais muitos trabalhadores seguem sem benefícios trabalhistas e direito à seguridade social, por exemplo. E isso precisa mudar.

Recicleiros defende uma remuneração justa a catadoras e catadores como elemento importante dentro da cadeia da reciclagem. Veja este texto publicado aqui no blog.

4. Preço médio dos materiais comercializados para reciclagem

O alumínio é disparado o item reciclável mais rentável na hora da venda, de acordo com o Anuário da Reciclagem 2022. O valor médio cobrado pelo item no Brasil é de R$ 4,77 o quilo. Quando feito o recorte por região, na Sudeste o alumínio é negociado por até R$ 5,94, enquanto no Nordeste, o valor fica em R$ 2,82.

Em seguida, aparece o plástico, negociado a R$ 1,73 o quilo na média nacional. Aqui, é bom lembrar, existem hoje diversos tipos de plásticos, como PEAD, PEBD, PP, PET e PS. Alguns bem mais valorizados pelo mercado do que outros, o que acaba desvalorizando a comercialização dos que possuem menor demanda.

O terceiro item é “outros metais” (sucatas), vendido, em média, a R$ 1,58. Já o papel é comercializado a R$ 0,81, em média. Por último na lista vem o vidro, cujo preço de negociação fica em apenas R$ 0,21. Sobre esse valor tão baixo envolvendo o vidro, vale uma ponderação.

Apesar de a reciclagem do vidro ser um dos processos de reciclagem menos complexos, o material ainda enfrenta o desafio da logística, por conta de seu peso e fragilidade. Atento a isso, Recicleiros tem desenvolvido projetos em conjunto com o setor empresarial para a real evolução da cadeia de reciclagem de vidro. O objetivo é garantir que este material aumente o percentual de reciclabilidade, ao mesmo tempo que garanta uma remuneração justa às cooperativas e, por consequência, aos cooperados.

Quando analisamos a representatividade por material coletado dentro das cooperativas, o papel é o item que tem maior participação, com 46% do total recolhido. Na sequência, vem o plástico, com 22%. 

Os metais representam 16% de toda a quantidade de recicláveis coletada pelas cooperativas brasileiras, sendo apenas 2% de alumínio, o item mais rentável. Importante destacar que este baixíssimo percentual de alumínio que chega às cooperativas acontece, em geral, pela coleta de catadores avulsos nas ruas e estabelecimentos em geral, situação esta onde comumente o catador ou a catadora estão em situação de alta vulnerabilidade social. Os vidros, por sua vez, correspondem a 16%.

Os dados foram obtidos a partir das informações disponibilizadas por 646 organizações de catadores, que correspondem a uma amostragem de 32% do Banco de Dados do Anuário.

Embora as iniciativas para transformar este cenário sejam muitas, o caminho ainda é longo. Recicleiros acredita que uma cadeia sustentável de reciclagem passa necessariamente pelo pagamento de um preço justo dos materiais recicláveis. 

Só assim será possível promover impacto profundo do ponto de vista ambiental e social, e que seja perene para benefício de toda a sociedade.

5. Coleta Seletiva nos municípios

As 1.996 organizações que compõem o Banco de Dados do Anuário da Reciclagem 2022 estão sediadas em 1.032 municípios espalhados por todo o país. 

A partir daí, foram consultados os dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) sobre a gestão de resíduos sólidos no Brasil. O resultado? Constatou-se que 692 municípios possuem coleta seletiva, o que corresponde a 67% do total de municípios mapeados pela pesquisa. A margem de erro é de 5%. Vale ressaltar que os 1.032 municípios correspondem a 18,5% do total de municípios no Brasil. 

Ao fazer o recorte por regiões, a Sudeste é a que concentra o maior número de municípios com coleta seletiva em operação: 48,5%. A Sul aparece em segundo lugar com 29,6%, seguida pela região Nordeste com 11,1%. 

Em quarto lugar, vem a Centro-Oeste com 7,3% e, fechando a lista, a Norte, com 3,3%.

Dentro do universo pesquisado, o Estado de São Paulo figura com o maior número de cidades com coleta seletiva: 185. O Paraná vem em segundo com 125, e Minas Gerais fecha o top-3 com 100 municípios.

É importante destacar que em diversos municípios brasileiros a coleta seletiva ainda é incipiente e/ou ineficiente, sendo ao mesmo tempo que um grande obstáculo, tanto para a gestão de resíduos sólidos quanto para as cooperativas que têm seu trabalho e renda atrelado ao serviço, também uma grande oportunidade para que estes sistemas sejam otimizados. 

6. Impactos ambientais da atuação das organizações de catadores

Para além de uma atividade econômica importantíssima, a reciclagem tem um papel essencial na preservação do planeta. Por exemplo, a partir da reciclagem, podemos reduzir as emissões de gases do efeito estufa na atmosfera.

Sem dúvida nenhuma, essa é uma das grandes motivações para implantar ou mesmo ampliar a coleta seletiva de resíduos, como fazemos, em parceria com as prefeituras, por meio do Programa Recicleiros Cidades. 

Essa diminuição de emissões de CO2 a partir da reciclagem acontece de forma direta e indireta. O efeito direto se aplica na redução da geração de gases naturalmente emitidos durante o processo de decomposição dos materiais nos locais de descarte. Já o efeito indireto diz respeito à redução da produção de materiais virgens.

De acordo com o Anuário da Reciclagem 2022, foram coletadas pelas organizações de catadores que compõem o banco de dados da pesquisa, 421,7 mil toneladas de materiais. Esse volume está associado com o potencial de redução de emissões de 282,4 mil toneladas de CO2, considerando a redução da produção de materiais virgens, além da diminuição do descarte de resíduos em aterros e lixões, e, por consequência, do gás metano emitido durante o processo de decomposição.

O material que mais contribui para a potencial redução de emissões, conforme dados do Anuário, é o metal, que soma 51%, em razão do alto nível energético envolvido na produção da matéria-prima virgem. Na sequência vem o plástico, que responde por aproximadamente 40% de todas as emissões evitadas.

Esse cenário deixa evidente a lógica da cadeia da sustentabilidade defendida por Recicleiros, que envolve impacto ambiental e social. Afinal, a atividade das catadoras e catadores, que são ponto-chave nesse sistema, tem um papel essencial na redução da emissão de gases do efeito estufa, aliada à preservação dos recursos naturais. 

7. Economia de matéria-prima virgem 

Entre os muitos benefícios da coleta seletiva e reciclagem, hoje vamos olhar para o impacto positivo do ponto de vista da economia da matéria prima virgem. Já imaginou quanto podemos poupar de matéria-prima ao reutilizar materiais?

Por exemplo, estudos indicam¹ que a reciclagem de uma tonelada de papel economiza, em média, o equivalente a 20 árvores, 3,51 mil kWh de energia, e 29.202 litros de água. Já uma tonelada de plástico reciclado economiza cerca de 0,5 toneladas de petróleo e 5,3 mil kWh de energia, enquanto uma tonelada de vidro economiza, em média, 1,2 toneladas de areia e 800 kW/h de energia elétrica.

A partir daí, o Anuário da Reciclagem 2022 calculou o potencial de preservação considerando as informações reportadas pelas organizações que constam neste Banco de Dados, que serve de base para o Anuário.

Vale ressaltar que os cálculos dizem respeito apenas à economia da matéria-prima que deixa de ser empregada na produção de um novo material, sem considerar os insumos aplicados na reciclagem dos materiais usados.

Portanto, levando-se em conta o volume de resíduos coletados para a reciclagem mapeadas no Banco de Dados do Anuário da Reciclagem 2022, a economia potencial de matéria-prima seria de:

  • 1.378,1 milhões de kWh de energia
  • 3,9 milhões de árvores
  • 5.706 milhões de litros de água
  • 46,6 mil toneladas de petróleo
  • 42,8 mil toneladas de bauxita, 
  • 57,7 mil toneladas de ferro-gusa 
  • 80,2 mil toneladas de areia

Os números são impressionantes!

Por aqui, temos orgulho de ser parte disso. Por meio do Programa Recicleiros Cidades, contribuímos de forma direta para dar vida à coleta seletiva e à reciclagem e, claro, para a economia de matéria prima gerada a partir do reaproveitamento de resíduos sólidos.

1.Hisatugo, Erika e Marçal Júnior, Oswaldo. Coleta seletiva e reciclagem como instrumentos para conservação ambiental: um estudo de caso em Uberlândia, Sociedade & Natureza, v. 19, n. 2, pp. 205-216. 2007.

8. Evolução da quantidade de resíduos sólidos destinados à reciclagem

Dentre tantas informações relevantes do segmento, a quarta edição do Anuário da Reciclagem mostra a evolução de alguns indicadores, como a quantidade de resíduos sólidos destinados à reciclagem. 

Neste caso, foi feita uma análise evolutiva da quantidade expandida, ou seja, quando a média obtida pelas organizações pesquisadas pelo Anuário é estendida às demais organizações da macrorregião.

Dito isso, o crescimento de resíduos sólidos destinados à reciclagem em todo o Brasil foi de 23%, saltando de 1057,5 mil toneladas em 2019 para 1304,5 mil toneladas em 2021.

Na análise por região, a Nordeste foi a que mais cresceu neste mesmo intervalo: 63%. Depois, aparecem Norte, com 36%, Sudeste (29%), Centro-Oeste (15%) e Sul (4%).

O dado, por um lado, é positivo porque sinaliza uma evolução da coleta seletiva e reciclagem nos últimos anos. Mas, sabemos que, mesmo se tratando de um crescimento na casa de dois dígitos, ainda há muito espaço para a reciclagem evoluir e se fortalecer no nosso país. 

É por isso que trabalhamos em diversas frentes, sempre em parceria com o poder público, iniciativa privada e sociedade civil para promover mudanças significativas do ponto de vista ambiental dentro da coleta seletiva e reciclagem.

Vox Lab une inovação, pesquisa e prática diária para promover mudança de comportamento para reciclagem

Envolvendo três áreas do Instituto Recicleiros, o Vox Lab tem como objetivo gerar inteligência para incentivar a mudança de comportamento entre os cidadãos brasileiros. A partir da execução de ações de comunicação e engajamento, coleta e análise de dados, a iniciativa quer acelerar o ritmo de adesão da população ao descarte seletivo e compartilhar conhecimento de maneira aberta.

A inovação e a geração de conhecimento a partir da prática (e também do erro) já é algo que faz parte do DNA do Instituto Recicleiros. Em uma área ainda tão incipiente no Brasil como é a reciclagem, esse posicionamento maker e laboratorial a que Recicleiros se propõe, encontra uma demanda latente por conhecimento que possa ser replicado e ajude iniciativas ao redor do país a alavancarem seus resultados. 

“Por sermos pioneiros em nossa área de atuação, essa postura de testar e aprender com a prática deixa de ser uma opção e passa a ser uma necessidade. A demanda por conhecimento existe e alguém tem que ir a campo testar, descobrir como as coisas funcionam para então sistematizar e difundir o conhecimento”, afirma Erich Burger, diretor institucional do Instituto Recicleiros.

Agora, imagine só unir essa frente de inovação, tão presente no cotidiano Recicleiros, com pesquisa científica para produzir conhecimento, criar procedimentos sistemáticos e aprimorar processos internos? E mais: com base nesses estudos, gerar um arcabouço de conhecimento que pode se tornar conteúdo de referência para dividir com o mercado? 

Pois bem, a união de inovação e pesquisa para mudança de comportamento formata um pouco do que se denominou Vox Lab.

Pesquisa de campo junto à população.

Leia também:

Modalidade de Logística Reversa criada pelo Instituto Recicleiros vira política pública no Brasil

Saiba quais são os requisitos mínimos para o município receber o Programa Recicleiros Cidades

Mentorias com especialistas Recicleiros qualificam gestores públicos para introduzir coleta seletiva nos municípios

O principal objetivo do Vox Lab é descobrir como incentivar a mudança de comportamento para a reciclagem e, assim, aumentar o volume de materiais recicláveis coletados nas cidades, não apenas onde está o Programa Recicleiros Cidades, mas também em outros municípios, já que esse conhecimento será aberto. 

Acelerar essa curva de adesão da população aos sistemas de coleta seletiva é mandatório para atender a urgente demanda por aumento das taxas de reciclagem no país. Uma demanda que é ambiental, econômica e social, já que cooperativas de catadores dependem do volume de material que chega às unidades de triagem para garantir o sustento dos catadores e a viabilidade econômica de suas cooperativas.

Mas não apenas. A verticalização dessa curva de resultados da reciclagem nas cidades é de grande interesse do setor empresarial, que investe em sistemas de logística reversa, como é o caso do Programa Recicleiros Cidades, e precisam de volumes crescentes de materiais pós-consumo para produzir produtos e embalagens mais sustentáveis.

Apesar do conceito de aprendizagem intrínseco ao que é Recicleiros, Vox Lab nasceu como projeto em 2021, com o aporte do patrocínio semente da SIG Brasil. Lá começaram os primeiros passos no sentido de organizar uma metodologia de atuação que pudesse aproveitar a diversidade formada pelos municípios do Programa Recicleiros Cidades, e com isso gerar informação valiosa para superar esse grande desafio que é mobilizar pessoas tão diversas, em locais tão diferentes, a fazer a mesma coisa: separar seus recicláveis.

Desde o ano passado, o projeto ganhou força com a formação de um núcleo dedicado de pesquisa e a composição de um squad junto com as áreas de Mobilização Social e Serviços de Marketing.

Conscientização das pessoas em eventos é parte da estratégia de comunicação.

“Com um cronograma integrado e um planejamento específico, pudemos unir forças e priorizar ações que vão nos levar a respostas mais precisas e rápidas. Queremos que essa diversidade cultural e de público que nossas cidades oferecem nos alimente como conhecimento para acelerar os benefícios sociais e ambientais da reciclagem”, destaca Tamires Lavor, gerente de comunicação do Instituto Recicleiros.

O que tem acontecido é a fusão do lado empírico, que já acontecia na prática diária, com o olhar científico. “Hoje, vejo o Vox Lab em dois parâmetros. Primeiro, a pesquisa aplicada, que é o debate com o Programa Recicleiros Cidades. Com base nas informações coletadas, o que vamos aplicar na prática. Segundo, a análise acadêmica, ou seja, o que vamos transformar em produção científica para discutir com a Academia”, conta Mônica Alves, pesquisadora do Instituto Recicleiros.

Vox Lab: conexão de três áreas que trabalham em sintonia e parceria

“É interessante que o Vox Lab tem uma atuação circular, ele não termina, vai se retroalimentando. Está tudo muito interligado”, acrescenta Mônica.

Enquanto o departamento de Mobilização Social promove ações diárias de engajamento nas cidades onde o Programa Recicleiros Cidades está presente, a área de Pesquisa ocupa-se em levantar e analisar dados desses territórios de maneira transversal. A partir dos insights gerados, o time de Marketing propõe soluções e campanhas para públicos específicos.

Vox Lab é um movimento natural de aprendizagem que acontece nos municípios em que trabalhamos e, principalmente, no espaço que existe entre esses municípios que é a correlação de dados desses diferentes territórios. O conhecimento que podemos gerar com as experiências realizadas nessas localidades pode nos ajudar a definir modelos de interação com a sociedade que abreviem a jornada da mudança de comportamento. Isso, no fim, é redução do custo da tonelada reciclada e aumento de renda e qualidade de vida para catadores.

Programa Recicleiros Cidades pelo Brasil.

Nossa missão com esse projeto é aprender para compartilhar conhecimento.

“O Vox Lab é uma mistura, uma soma de esforços dessas áreas. As soluções são feitas em conjunto, é algo vivo, que vai acontecendo nas praças. Envolve orientação e engajamento da população para o aumento das taxas da reciclagem, campanhas de conscientização, pesquisa para entender o que está acontecendo, e desenvolvimento de novas soluções, não necessariamente nessa ordem, mas sempre em aprendizado e desenvolvimento constante. Esse todo forma o Vox Lab”, explica Tamires.

“Esse trabalho é inédito, primeiro porque estamos trazendo o acadêmico para próximo, o que é essencial. Ter a facilidade de testar in loco, sem dúvida, é um diferencial. O Vox Lab faz, mede e devolve as ações com melhorias, e isso é muito positivo. Por último, estamos falando de uma ação feita por uma equipe multidisciplinar, e decisões baseadas em dados”, afirma Carolina Martinelli, coordenadora de marketing de Recicleiros.

Os benefícios do Vox Lab

Ação nas ruas de Serra Talhada (PE).

Com o Vox Lab, o Instituto Recicleiros tem a oportunidade de gerenciar um grande volume de informações geradas a partir do Programa Recicleiros Cidades. E transformar essas informações em conhecimento. Eis um dos muitos benefícios gerados na ponta.

“Temos um mesmo Programa em várias regiões do Brasil, e conseguimos levantar esses dados e comparar a partir de vários indicadores. Isso é muito rico tanto para a Academia, que se baseia em dados científicos, quanto para o Instituto aperfeiçoar as ações internas. Podemos evoluir o nosso Projeto, e gerar conhecimento para outras ações de políticas de gestão de resíduos. É algo inédito no Brasil”, diz Mônica.

Todo esse conhecimento acumulado tem um grande objetivo: promover mudança de comportamento para a reciclagem, que abrange também a coleta seletiva, a incubação de cooperativas, dentre outros assuntos correlatos.

Ficou com dúvidas? Entre em contato!

+[84] 1800 333 555

Rua General Sócrates, 418 – Penha da França, São Paulo, SP, CEP 03632-040.

Explore

Receba notícias eatualizações:

Nossas redes:

© 2022 – Instituto Recicleiros. Todos os direitos reservados.

Carefully crafted by Themelexus