Recicleiros fecha parcerias para promover mudança de comportamento para reciclagem

O Brasil recicla hoje apenas 4% de seus resíduos sólidos, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Esse percentual está muito aquém dos 16% vistos em países como Chile, Argentina, África do Sul e Turquia, cuja faixa de renda e grau de desenvolvimento econômico são semelhantes, conforme dados da International Solid Waste Association (ISWA).

Fato é que esse baixo índice de materiais que voltam para a cadeia produtiva nas indústrias passa diretamente pelos hábitos arraigados dos brasileiros, que ainda misturam orgânicos com materiais recicláveis, e pouco destinam seus resíduos para a coleta seletiva. Portanto, sem dúvida, é preciso avançar de forma significativa na mudança de comportamento dos cidadãos, sobretudo no que diz respeito à reciclagem. 

Dentro deste cenário, o Instituto Recicleiros, ciente de sua vocação laboratorial e alinhado com seu compromisso com a sociedade brasileira, tem testado novos caminhos para facilitar a educação ambiental e contribuir para a expansão perene e gradual da coleta seletiva e reciclagem no país. Por isso, tem trabalhado em parceria com outras instituições comprometidas com o mesmo propósito: a mudança de comportamento das pessoas em benefício da reciclagem.

Leia também:

Conheça os 21 municípios classificados para a segunda fase da Seletiva 2024 do Programa Recicleiros Cidades

Encontro inédito de líderes de cooperativas de reciclagem promove novos conhecimentos e troca de experiências entre os catadores

A voz dos cooperados #3: a visão dos catadores que integram o Programa Recicleiros Cidades

 

Hoje, Recicleiros desenvolve atividades junto a outras duas instituições que servem a essa mesma causa: Delterra e Espaço Urbano. O objetivo é unir esforços, trocar experiências práticas e insights, e testar em uníssono novas possibilidades, a fim de fomentar a cultura da reciclagem por meio de novos hábitos e atitudes.

“Estamos unindo esforços de olho na mudança de comportamento das pessoas, inclusive para aumentar o volume de massa de recicláveis dentro das cooperativas incubadas por Recicleiros, gerando mais renda para os cooperados. Delterra e Espaço Urbano estão fazendo trabalhos parecidos, então, por que não unir para potencializar os resultados?”, diz Luciana Ribeiro, analista de projetos do Instituto Recicleiros.

Duas parcerias e novos testes e abordagens

Cada parceria tem as suas particularidades e seus objetivos específicos, embora todos estejam alinhados com a mudança de comportamento. E cada uma funciona em um território diferente: Guaxupé (MG) e Piracaia (SP), todas cidades nas quais operam uma Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) em fase de incubação por Recicleiros.

A união com Delterra tem como território base a cidade de Guaxupé (MG), e a proposta é desenhar um modelo de ação amparado na experiência do usuário. Isso envolve pesquisa de campo, testes, entrevistas presenciais e online para a criação de uma campanha de comunicação massiva em favor da reciclagem. 

Neste momento, o conceito criativo da campanha está pronto, e o passo seguinte é testar em um microterritório, que pode ser um bairro ou uma rota de coleta, para avaliar a efetividade e eventualmente adaptá-lo para que seja expandido em todo o município mineiro. Vale citar que Delterra e Recicleiros são apoiadas pela AEPW, Alliance to End Plastic Waste.

“É um prazer para a Delterra unir forças com um parceiro consagrado e apaixonado como a Recicleiros, temos tanto em comum. Através da troca de aprendizagens e experiências em mudança de comportamento e outras áreas relacionadas com a gestão de resíduos, a nossa esperança é encorajar a expansão deste tipo de projeto, que beneficia tanto o ambiente como as comunidades locais”, diz Federico Di Penta, Diretor Regional da América Latina.

Com relação a Espaço Urbano, que iniciou as ações no município de Piracaia (SP), a abordagem é diferente, vai por outro caminho, mas tem o mesmo fim: a mudança de comportamento. A metodologia testada é atrelar a reciclagem a assuntos diversos, utilizando a gamificação, ou seja, a partir de mecanismos e dinâmicas para motivar e, ao mesmo tempo, ensinar as pessoas de forma lúdica. Por exemplo, os munícipes são incentivados a doar seus recicláveis a fim de ajudar a causa animal – os materiais recicláveis valem ração para atender cães de rua.

Além disso, a Espaço Urbano não dialoga diretamente com os consumidores, mas trabalha junto a influenciadores sociais, como religiosos, líderes sociais, com a ideia que eles sejam multiplicadores da mensagem e possam impactar as pessoas que estão ao seu redor em favor da reciclagem. Assim, a organização não mobiliza pessoas, mas forma mobilizadores.

Criação de novos hábitos em Campo Largo

Em Campo Largo (PR), a startup so+ma, especializada em engajamento do consumidor, e tendo como base princípios da ciência comportamental e tecnologia, soma com o Instituto Recicleiros, mudando os hábitos dos cidadãos e trazendo mais volume e de qualidade para a unidade local do Recicleiros. 

Presente em quatro estados brasileiros, o programa so+ma vantagens reconhece as atitudes socioambientais do participante oferecendo benefícios e promovendo a economia circular na prática. A parceria com o Instituto Recicleiros se concretizou por meio da SIG, patrocinadora semente de Recicleiros, que oferece soluções para embalagens cartonadas assépticas, e grande apoiadora das duas organizações.

A ação em Campo Largo (PR), que tem também o apoio do Governo do Paraná e Prefeitura de Campo Largo, atua em duas frentes: com uma unidade de recebimento chamada casa so+ma e aprendizagem na prática em escolas. A casa so+ma é um ponto de recebimento onde os munícipes trocam seus recicláveis por pontos que podem ser convertidos em benefícios como alimentos, itens de higiene, cursos, entre outros produtos.

Em ação com escolas municipais, os alunos levam seus recicláveis, são cadastrados, acumulam créditos e podem trocar por materiais escolares, brinquedos, ingressos de cinema e vale-cultura.    

Todo o material recebido através do  programa so+ma vantagens é doado para a Recicla Campo Largo, cooperativa incubada pelo Instituto Recicleiros por meio do Programa Recicleiros Cidades. Em menos de doze meses, já foram quase 90 toneladas de recicláveis recebendo destinação correta através do programa com engajamento da população.

Recicleiros cria Protocolos de Manutenção de Máquinas e Equipamentos e de Saúde e Segurança do Trabalho voltada a catadores

O Instituto Recicleiros deu um importante passo para melhorar os processos técnicos de cooperativas de materiais recicláveis e, ao mesmo tempo, proporcionar mais segurança e bem-estar às catadoras e aos catadores de todo o Brasil. 

Após meses de intenso trabalho, Recicleiros concluiu dois novos e importantes instrumentos de atuação profissional: Protocolo de Manutenção de Máquinas e Equipamentos e Protocolo de Saúde e Segurança do Trabalho. Importante dizer que essa instrumental servirá às operações das Unidades de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMRs) incubadas pelo Instituto Recicleiros e, também, a outras organizações de catadores de todo o Brasil, já que se trata de conteúdo livre e gratuito disponibilizado pela Academia Recicleiros do Catador.

Em linhas gerais, trata-se de protocolos completos formados por um conjunto de manuais, checklists e materiais de treinamento. Juntos, têm como objetivo treinar, formar e instrumentalizar catadoras e catadores para que possam lidar com essas duas importantes questões, ambas fundamentais para o dia a dia de trabalho das operações que têm como premissa serem funcionais e saudáveis, tanto do ponto de vista humano quanto da gestão do empreendimento em si.

Capacitação técnica para cuidar da infraestrutura de trabalho

“Estamos priorizando o atendimento às operações e, por isso, por meio do Núcleo de Desenvolvimento do Catador, criamos um treinamento completo para dar suporte às áreas operacionais. Criamos dois blocos de materiais audiovisuais, um para os multiplicadores e outro para cooperados”, comenta Roberto Pimenta, Coordenador de Infraestrutura do Instituto Recicleiros.

O plano de manutenção elaborado por Recicleiros, que incorpora conhecimentos básicos de elétrica, mecânica e segurança do trabalho, basicamente vai formar as catadoras e catadores para que eles mesmos possam cuidar dos aspectos essenciais da manutenção de máquinas, além da manutenção das instalações, infraestrutura civil e predial. E, também, quando for o caso, poder acompanhar serviços externos com o máximo qualidade e propriedade. 

“O treinamento está formando os catadores para que eles façam manutenção preventiva regularmente na cooperativa contando ou não com mão de obra de terceiros. A ideia é que alguns serviços eles mesmos executem, como limpeza, ajustes, lubrificação. E, no caso de serviços que precisam de terceiros, estão sendo preparados para avaliar e saber fazer o acompanhamento correto. Esse trabalho é fundamental para eles terem essa autonomia e esse conhecimento, sobretudo quando houver a emancipação da cooperativa”, explica Jonathan Stabolaitz, Técnico de Manutenção do Instituto Recicleiros.

Os benefícios da ação para as Unidades de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMRs):

  • Segurança e saúde
  • Ambiente limpo e organizado
  • Eficiência na produção
  • Redução de falhas e aumento da vida útil dos equipamentos 
  • Bem-estar financeiro da cooperativa

“Estamos fazendo isso junto com eles para dar autonomia. O foco da área de infraestrutura é garantir que as unidades tenham capacidade para atender o aumento previsto das demandas, dentro do padrão Recicleiros de qualidade. É isso o que estamos fazendo neste momento”, acrescenta Renato Sobrinho, Gerente de Serviços Técnicos do Instituto Recicleiros. 

Um outro ponto interessante desse novo protocolo de manutenção é o olhar mais amplo da manutenção. A partir dessa sistematização, é possível ter uma radiografia mais clara do que está acontecendo em cada UPMR, o que nos permite, por conta dos dados coletados, fazer comparações e tomar decisões estratégicas para a boa gestão do Instituto Recicleiros.

Saúde e Segurança do Trabalho para todos os cooperados

Esse trabalho começou com uma consultoria nas UPMRs e, a partir dos laudos gerados, criou-se um plano de ação. Entre os treinamentos pautados por Recicleiros estão brigada de incêndio, primeiros socorros, uso de EPIs, armazenamento e transporte de materiais, ginástica laboral, entre muitos outros que ainda estão por vir. 

Uma outra ação nesse sentido é a criação de um Grupo de Segurança, por meio do qual os cooperados poderão multiplicar os conhecimentos relacionados à saúde e à segurança do trabalho. 

“Levamos esses conhecimentos para a vida. Vemos segurança do trabalho em todo o lugar, isso é importante porque acaba mudando a nossa visão, criando essa cultura prevencionista de segurança. A minha ideia é que eles se sintam acolhidos e cuidados. É muito importante que todos os cooperados tenham um ambiente seguro e saudável no trabalho e que retornem em segurança para suas casas no final do dia”, conclui Michele Almeida, Analista de Saúde e Segurança do Trabalho, que há 10 anos trabalha junto a cooperativas.

O resultado das ações

João Vitor da Silva Lima, cooperado da Recicla Serra Talhada, conta como foi vivenciar essa jornada de aprendizado e os benefícios que essas experiências trouxeram.

“A proposta é, principalmente, nossa segurança, e que pudéssemos manter ao máximo a vida útil dos nossos equipamentos, através de checklist, manutenções semanais, mensais e anuais. Todos os treinamentos, tanto teórico quanto prático, hoje servem justamente para prevenir acidentes e cuidar dos equipamentos”, diz João Vitor.

“O que posso dizer com toda certeza é que todo o conhecimento que foi passado levarei para a vida toda, mudou minha visão em relação ao trabalho. Sou grato a Recicleiros por me darem essa visão. Hoje trabalho com segurança e saúde”, encerra.

Nova lei de gestão de resíduos em eventos em SP remete ao início de Recicleiros e reforça seu caráter inovador

O governo de São Paulo publicou uma lei que traz novas diretrizes para a gestão de resíduos sólidos em eventos no Estado. A lei 17.806/2023, que envolve eventos públicos, privados ou público-privados, visa gerar impacto econômico e socioambiental.

De acordo com a lei, é de responsabilidade de organizadores, fornecedores e estabelecimentos o gerenciamento de toda a cadeia, desde coleta, transbordo, transporte, tratamento até a destinação final ambientalmente adequada. Isso vale para shows, festivais musicais, festas regionais, campeonatos esportivos, congressos, feiras, entre outros. 

Além disso, a nova lei diz que essa gestão de resíduos deverá ser conduzida, preferencialmente, por cooperativas de catadores de material reciclável.

Recicleiros como precursora de gestão de resíduos em eventos

A publicação dessa lei estadual traz à tona os primeiros passos de Recicleiros, ainda no início dos anos 2000. Foi nesta época que os então amigos de universidade Ana Beall, Erich Burger e Gustavo Giopatto, inspirados pelo conceito de negócio social, do Nobel da Paz, Muhammad Yunus, começaram a imaginar o que seria Recicleiros, com a missão de abrir novos caminhos e promover impacto socioambiental positivo para o planeta. Encontraram na gestão de resíduos de eventos um espaço para materializar esse empreendimento.

“Não tivemos uma atuação direta na criação dessa lei estadual, mas o curioso é que fizemos isso muito tempo atrás, em 2007, quando não existia sequer a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que veio em 2010. O que havia era uma pressão nas marcas para fazer ações ambientais. Foi nesse contexto que fizemos o primeiro projeto de Recicleiros, trabalhando com gestão de resíduos em grandes eventos. As marcas olhavam para isso mais como marketing do que sustentabilidade. O assunto era muito incipiente”, relembra Ana Beall, hoje Diretora de Compliance e Governança do Instituto Recicleiros.

A ideia central era fazer a gestão eficiente de resíduos do evento com o apoio de uma cooperativa de reciclagem da cidade, a partir de uma central de triagem itinerante e colocando os catadores no centro das ações. Todos recebiam remuneração, uniformes, EPIs e condições dignas de trabalho. E os resíduos processados tornavam-se propriedade da cooperativa, gerando renda para a unidade. Após o evento, Recicleiros elaborava um relatório com o volume de materiais processados e entregava aos organizadores.

“Agora, ver uma lei aprovada é sensacional. Demorou para acontecer, mas que bom que ela existe agora. Nós olhamos para isso em 2007, fomos precursores, e estamos em 2023, veja quantos anos se passaram. Hoje temos uma legislação de algo que já fazíamos há muito tempo”, acrescenta Ana.

Eventos diversos e reconhecimento

O primeiro evento realizado por Recicleiros nesses moldes foi o festival de música Planeta Terra, em 2007, com cerca de 15 mil pessoas, na capital paulista. Diante do ineditismo e do sucesso da ação com organizadores e público do festival, a gestão de resíduos sólidos em eventos coordenada por Recicleiros ganhou corpo e projeção. 

Para se ter uma noção, só do Planeta Terra, foram quatro participações consecutivas. Vale citar que no segundo ano desse festival, a Central de Triagem de Recicleiros foi eleita pelo público como a atração mais surpreendente de todo o evento, segundo o voto popular. Outro ponto de reconhecimento pelo trabalho inovador foi a inclusão pela Federação Internacional de Vôlei de Praia, do sistema de gestão de resíduos Recicleiros no Guide Book mundial de organização do evento, recomendando a Central de Triagem de Resíduos Sólidos criada por Recicleiros para todas as etapas do Mundial.

Entre os muitos eventos nos quais Recicleiros fez a gestão de resíduos em parceria com cooperativas de reciclagem, podemos citar os festivais de música SWU, Maquinária, About Us e o Natura Nós, além de eventos esportivos de calibre internacionais como Mundial de Vôlei de Praia, São Paulo Indy 300, Sharapova x Dulko e nacionais, como Stock Car e Descida da Escadaria de Santos.

Conexão com as cooperativas e destaque para os cooperados

A gestão de resíduos em eventos tinha como ponto central a conexão de Recicleiros com as cooperativas locais, abrindo um novo horizonte e subvertendo a lógica da época. Afinal, era (ou é?) comum os responsáveis pelos eventos chamarem catadores para darem a destinação final dos resíduos. O pagamento? O próprio resíduo. Porém, a bandeira levantada por Recicleiros, que segue hasteada até hoje, passa pela remuneração pelos serviço prestado pelos catadores, que pode ter como parte do pagamento os próprios resíduos. Por isso, a remuneração aos catadores e catadoras estava clara nos orçamentos dos eventos.

Por conta dos altos volumes triados e vendidos pelas cooperativas, muitas conseguiram, a partir dos recursos, aperfeiçoar a infraestrutura. Por exemplo, com o dinheiro dos resíduos, teve unidade que quitou um caminhão financiado, criou um sistema de combate a incêndio, um sistema de iluminação do galpão para trabalhar em dois turnos e aumentar a produtividade, entre outras conquistas. “O impacto gerado era muito positivo. Essa lógica era e ainda é inovadora”, diz Erich  Burger, Diretor Institucional do Instituto Recicleiros.

“A gente fazia dessa experiência com os catadores uma espécie de workshop de capacitação. Muitas cooperativas não tinham onde triar resíduos, era no chão. Criamos então uma bancada de triagem extremamente simples, leve e barata, especialmente desenvolvida para o contexto de eventos, assim como processos produtivos que simplificavam essa operação. Tudo isso é tecnologia social. A gente viajava para as cidades, conhecia as cooperativas e trocava conhecimentos, de lado a lado”, conta Erich.

Uma outra conquista foi tirar os catadores da invisibilidade. “Essas pessoas, que antes não eram vistas, foram para o centro. Tornaram-se prestadores de serviço  que eram aplaudidos pelo público, que eram percebidos por públicos de eventos que tinham grandes bandas no palco, por exemplo. Eram pagos para fazer o trabalho, e tinham seu espaço. Elevamos a autoestima de pessoas muito sofridas”, comenta o diretor de Recicleiros.

A realidade de hoje foi construída ontem

Apesar de a gestão de resíduos em eventos não fazer mais parte do negócio Recicleiros – ocorreu entre 2007 e 2012 –, esse momento embrionário foi fundamental para a atuação atual do Instituto, em 2023. 

“Hoje, defendemos uma metodologia estruturada para o que a gente faz, que é implantar uma estrutura de coleta seletiva com dignidade para catadores, com inclusão social, com elementos básicos. Isso estava na apresentação quando pensamos em fazer a reciclagem em eventos. Percebemos que nesse ambiente havia resíduos e o catador estava envolvido nesse ecossistema. É a mesma lógica de hoje, do que precisa ser feito para ter reciclagem com inclusão social. Falávamos na época que tinha de ter legislação, infraestrutura, comunicação para engajamento e remuneração para os catadores, exatamente o que fazemos hoje em dia”, completa Erich.

A nova lei 17.806/2023, mais do que despertar um sentimento acalentador de nostalgia por rememorar o início de tudo, deixa evidente o caráter inovador de Recicleiros, que está sempre à frente do seu tempo quando o assunto é reciclagem e inclusão social.

Veja aqui uma coletânea de fotos que mostra a atuação de Recicleiros na gestão de resíduos em eventos.

Quadro Gestão à Vista proporciona mais transparência e agilidade na tomada de decisão dentro das cooperativas

Mais transparência e agilidade na tomada de decisão dos cooperados. Esses são os principais benefícios do quadro de Gestão à Vista, implantado recentemente em todas as Unidades de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMRs) que integram o Programa Recicleiros Cidades.

A novidade está facilitando a gestão das cooperativas incubadas por Recicleiros, uma vez que simplifica informações relevantes do dia a dia e traz mais clareza e acessibilidade aos assuntos essenciais das UPMRs, como metas e resultados. 

“O quadro de Gestão à Vista é uma forma fácil e prática de os cooperados acompanharem os níveis de produtividade da Unidade, compreenderem a questão financeira e a entrada de materiais recicláveis a partir da coleta seletiva municipal”, explica Cauê Henrique Pelegrineli, líder de unidade. 

No painel fixado na parede da cooperativa estão dados como metas de processamento de materiais recicláveis, as entradas da última semana, o volume de rejeitos – itens enviados à coleta seletiva, mas que não são reciclados – entre outras informações importantes.

Semanalmente, os cooperados se reúnem em frente ao quadro, analisam as informações ali projetadas e podem tomar decisões estratégicas para maior eficiência da UPMR. “Por exemplo, se o volume de rejeito está alto, conversamos imediatamente com os coletores e buscamos soluções com parceiros e mobilização nas ruas para atenuar a entrada desses itens não recicláveis na cooperativa”, conta Cauê.

O quadro de Gestão à Vista foi uma construção coletiva, com líderes locais Recicleiros e, também, com a participação dos cooperados.

“Além de nos auxiliar na visibilidade das nossas metas, o quadro de Gestão à Vista nos permite a transparência de todos os dados da cooperativa. Toda vez que nos reunimos e fazemos a análise dos dados fica mais fácil demonstrar com o quadro. Ali desenhamos as nossas metas, processamento, coleta seletiva, rejeito e em como podemos diminuir faltas, além de toda parte financeira. É uma ferramenta muito importante para nós cooperados”, diz Carla Luiza Alves Cavalcante, Presidente da Recicla Garça.

Anuário da Reciclagem traz um raio-X do segmento no Brasil

O Anuário da Reciclagem, desenvolvido a partir da iniciativa do Instituto Pragma, é um material de referência no setor. Foi criado para evidenciar o potencial econômico, social e ambiental da reciclagem e, também, mostrar a importância de catadoras e catadores de recicláveis na promoção e viabilização da cadeia sustentável.

Temos orgulho de ter contribuído com dados estatísticos que compõem esse conteúdo tão rico e que nos ajuda a refletir e pensar nos próximos passos para criarmos um modelo sustentável que una os aspectos ambientais e sociais.

Destacamos aqui 8 pontos relevantes do Anuário, cuja última edição foi lançada em dezembro de 2022. Confira!

1. O perfil demográfico das catadoras e catadores no Brasil

De acordo com o Anuário da Reciclagem 2022, em média, são 32 catadoras e catadores de materiais recicláveis por cooperativa/associação, considerando uma amostragem de 306 organizações pesquisadas em todo o país, e um total de 9.854 profissionais. 

Olhando para as regiões, o Centro-Oeste conta com a maior média de profissionais por organização (50). Depois, aparecem Sudeste e Nordeste (31), Sul (29) e Norte (22).

Outro ponto interessante é a análise em números absolutos por região. A Sudeste apresenta o maior número de catadoras e catadores, com 3.977, cerca de 40% dos trabalhadores, seguida da Sul, com 1.964. Já o Norte tem o menor número entre as regiões do país (568), aproximadamente 6%.

Considerando os estados, São Paulo tem o maior número de trabalhadores: 2.854. Na sequência, vem o Distrito Federal (1.052). Na outra ponta, os estados da Paraíba e do Acre registraram o menor número de catadoras e catadores, com 23 e 22, respectivamente. 

Importante ressaltar que esse cenário de distribuição das catadoras e catadores pode estar relacionada a alguns fatores, como a presença de políticas públicas voltadas à coleta seletiva operacionalizada por organizações de catadores de materiais recicláveis, bem como incentivos públicos, além da presença de indústrias da reciclagem.

Recicleiros está presente hoje em todas as regiões do país. E o plano é, até 2027, marcar presença em 60 cidades, e alcançar mais de 3 mil postos de trabalho nas cooperativas.

2. A proporção de homens e mulheres dentro da reciclagem

As mulheres representam 56% do total de trabalhadores vinculados à reciclagem, versus 44% dos homens. A análise considera 306 organizações, num total de 9.854 catadores.

Em números absolutos, são 5.483 mulheres, enquanto 4.371 são homens, ou seja, uma diferença de 1.112 mulheres a mais nas atividades de coleta, triagem, enfardamento e comercialização de materiais recicláveis dentro do universo pesquisado.

Quando analisada a distribuição de mulheres e homens por região, a Sudeste é a que conta com a maior presença feminina: 60% ou 2.381 profissionais. Depois, aparecem as regiões Sul com 1.077 mulheres (55%); Centro-Oeste com 919 (53%), Norte com 291 (51%) e Nordeste com 815 (50,3%).

As mulheres, além de essenciais na cadeia da reciclagem, são protagonistas em diversos movimentos da categoria pelo país. 

3. Renda média de catadoras e catadores

A renda média mensal foi um dos pontos levantados no Anuário. De acordo com ele, a média nacional da renda desses profissionais da reciclagem é de R$ 1.478, ou seja, ligeiramente acima do salário mínimo atual, fixado em R$ 1.320.

Quando olhamos a renda média por região, Centro-Oeste, Sul e Sudeste registraram R$ 1.671, R$ 1.594 e R$ 1.574, respectivamente, acima da média nacional. As regiões Nordeste e Norte ficaram abaixo da média nacional e, também, inferior ao salário mínimo. A primeira registrou R$ 1.008, enquanto a segunda R$ 1.022.

O estudo também revela um crescimento expressivo da renda média mensal das catadoras e catadores entre os anos de 2019 e 2021. O valor, que era de R$ 1.072, passou para R$ 1.448 dois anos depois, uma elevação considerável de 35,1%. 

Destaque para as regiões Centro-Oeste e Sudeste, que cresceram acima da média nacional. Na Centro-Oeste, subiu de R$ 800 para R$ 1.671, aumento de 108,9%. Já a Sudeste passou de R$ 1.073 para 1.574, acréscimo de 46,7%. Vale mencionar que as outras regiões também cresceram, mas com índices um pouco menores.

Apesar das conquistas nos últimos anos em relação à remuneração, é bom ressaltar que ainda existem muitos avanços pela frente. Afinal, os valores ainda não são satisfatórios e, também, a informalidade é uma realidade nesse contexto. É comum se ver ambientes de trabalho precários, nos quais muitos trabalhadores seguem sem benefícios trabalhistas e direito à seguridade social, por exemplo. E isso precisa mudar.

Recicleiros defende uma remuneração justa a catadoras e catadores como elemento importante dentro da cadeia da reciclagem. Veja este texto publicado aqui no blog.

4. Preço médio dos materiais comercializados para reciclagem

O alumínio é disparado o item reciclável mais rentável na hora da venda, de acordo com o Anuário da Reciclagem 2022. O valor médio cobrado pelo item no Brasil é de R$ 4,77 o quilo. Quando feito o recorte por região, na Sudeste o alumínio é negociado por até R$ 5,94, enquanto no Nordeste, o valor fica em R$ 2,82.

Em seguida, aparece o plástico, negociado a R$ 1,73 o quilo na média nacional. Aqui, é bom lembrar, existem hoje diversos tipos de plásticos, como PEAD, PEBD, PP, PET e PS. Alguns bem mais valorizados pelo mercado do que outros, o que acaba desvalorizando a comercialização dos que possuem menor demanda.

O terceiro item é “outros metais” (sucatas), vendido, em média, a R$ 1,58. Já o papel é comercializado a R$ 0,81, em média. Por último na lista vem o vidro, cujo preço de negociação fica em apenas R$ 0,21. Sobre esse valor tão baixo envolvendo o vidro, vale uma ponderação.

Apesar de a reciclagem do vidro ser um dos processos de reciclagem menos complexos, o material ainda enfrenta o desafio da logística, por conta de seu peso e fragilidade. Atento a isso, Recicleiros tem desenvolvido projetos em conjunto com o setor empresarial para a real evolução da cadeia de reciclagem de vidro. O objetivo é garantir que este material aumente o percentual de reciclabilidade, ao mesmo tempo que garanta uma remuneração justa às cooperativas e, por consequência, aos cooperados.

Quando analisamos a representatividade por material coletado dentro das cooperativas, o papel é o item que tem maior participação, com 46% do total recolhido. Na sequência, vem o plástico, com 22%. 

Os metais representam 16% de toda a quantidade de recicláveis coletada pelas cooperativas brasileiras, sendo apenas 2% de alumínio, o item mais rentável. Importante destacar que este baixíssimo percentual de alumínio que chega às cooperativas acontece, em geral, pela coleta de catadores avulsos nas ruas e estabelecimentos em geral, situação esta onde comumente o catador ou a catadora estão em situação de alta vulnerabilidade social. Os vidros, por sua vez, correspondem a 16%.

Os dados foram obtidos a partir das informações disponibilizadas por 646 organizações de catadores, que correspondem a uma amostragem de 32% do Banco de Dados do Anuário.

Embora as iniciativas para transformar este cenário sejam muitas, o caminho ainda é longo. Recicleiros acredita que uma cadeia sustentável de reciclagem passa necessariamente pelo pagamento de um preço justo dos materiais recicláveis. 

Só assim será possível promover impacto profundo do ponto de vista ambiental e social, e que seja perene para benefício de toda a sociedade.

5. Coleta Seletiva nos municípios

As 1.996 organizações que compõem o Banco de Dados do Anuário da Reciclagem 2022 estão sediadas em 1.032 municípios espalhados por todo o país. 

A partir daí, foram consultados os dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) sobre a gestão de resíduos sólidos no Brasil. O resultado? Constatou-se que 692 municípios possuem coleta seletiva, o que corresponde a 67% do total de municípios mapeados pela pesquisa. A margem de erro é de 5%. Vale ressaltar que os 1.032 municípios correspondem a 18,5% do total de municípios no Brasil. 

Ao fazer o recorte por regiões, a Sudeste é a que concentra o maior número de municípios com coleta seletiva em operação: 48,5%. A Sul aparece em segundo lugar com 29,6%, seguida pela região Nordeste com 11,1%. 

Em quarto lugar, vem a Centro-Oeste com 7,3% e, fechando a lista, a Norte, com 3,3%.

Dentro do universo pesquisado, o Estado de São Paulo figura com o maior número de cidades com coleta seletiva: 185. O Paraná vem em segundo com 125, e Minas Gerais fecha o top-3 com 100 municípios.

É importante destacar que em diversos municípios brasileiros a coleta seletiva ainda é incipiente e/ou ineficiente, sendo ao mesmo tempo que um grande obstáculo, tanto para a gestão de resíduos sólidos quanto para as cooperativas que têm seu trabalho e renda atrelado ao serviço, também uma grande oportunidade para que estes sistemas sejam otimizados. 

6. Impactos ambientais da atuação das organizações de catadores

Para além de uma atividade econômica importantíssima, a reciclagem tem um papel essencial na preservação do planeta. Por exemplo, a partir da reciclagem, podemos reduzir as emissões de gases do efeito estufa na atmosfera.

Sem dúvida nenhuma, essa é uma das grandes motivações para implantar ou mesmo ampliar a coleta seletiva de resíduos, como fazemos, em parceria com as prefeituras, por meio do Programa Recicleiros Cidades. 

Essa diminuição de emissões de CO2 a partir da reciclagem acontece de forma direta e indireta. O efeito direto se aplica na redução da geração de gases naturalmente emitidos durante o processo de decomposição dos materiais nos locais de descarte. Já o efeito indireto diz respeito à redução da produção de materiais virgens.

De acordo com o Anuário da Reciclagem 2022, foram coletadas pelas organizações de catadores que compõem o banco de dados da pesquisa, 421,7 mil toneladas de materiais. Esse volume está associado com o potencial de redução de emissões de 282,4 mil toneladas de CO2, considerando a redução da produção de materiais virgens, além da diminuição do descarte de resíduos em aterros e lixões, e, por consequência, do gás metano emitido durante o processo de decomposição.

O material que mais contribui para a potencial redução de emissões, conforme dados do Anuário, é o metal, que soma 51%, em razão do alto nível energético envolvido na produção da matéria-prima virgem. Na sequência vem o plástico, que responde por aproximadamente 40% de todas as emissões evitadas.

Esse cenário deixa evidente a lógica da cadeia da sustentabilidade defendida por Recicleiros, que envolve impacto ambiental e social. Afinal, a atividade das catadoras e catadores, que são ponto-chave nesse sistema, tem um papel essencial na redução da emissão de gases do efeito estufa, aliada à preservação dos recursos naturais. 

7. Economia de matéria-prima virgem 

Entre os muitos benefícios da coleta seletiva e reciclagem, hoje vamos olhar para o impacto positivo do ponto de vista da economia da matéria prima virgem. Já imaginou quanto podemos poupar de matéria-prima ao reutilizar materiais?

Por exemplo, estudos indicam¹ que a reciclagem de uma tonelada de papel economiza, em média, o equivalente a 20 árvores, 3,51 mil kWh de energia, e 29.202 litros de água. Já uma tonelada de plástico reciclado economiza cerca de 0,5 toneladas de petróleo e 5,3 mil kWh de energia, enquanto uma tonelada de vidro economiza, em média, 1,2 toneladas de areia e 800 kW/h de energia elétrica.

A partir daí, o Anuário da Reciclagem 2022 calculou o potencial de preservação considerando as informações reportadas pelas organizações que constam neste Banco de Dados, que serve de base para o Anuário.

Vale ressaltar que os cálculos dizem respeito apenas à economia da matéria-prima que deixa de ser empregada na produção de um novo material, sem considerar os insumos aplicados na reciclagem dos materiais usados.

Portanto, levando-se em conta o volume de resíduos coletados para a reciclagem mapeadas no Banco de Dados do Anuário da Reciclagem 2022, a economia potencial de matéria-prima seria de:

  • 1.378,1 milhões de kWh de energia
  • 3,9 milhões de árvores
  • 5.706 milhões de litros de água
  • 46,6 mil toneladas de petróleo
  • 42,8 mil toneladas de bauxita, 
  • 57,7 mil toneladas de ferro-gusa 
  • 80,2 mil toneladas de areia

Os números são impressionantes!

Por aqui, temos orgulho de ser parte disso. Por meio do Programa Recicleiros Cidades, contribuímos de forma direta para dar vida à coleta seletiva e à reciclagem e, claro, para a economia de matéria prima gerada a partir do reaproveitamento de resíduos sólidos.

1.Hisatugo, Erika e Marçal Júnior, Oswaldo. Coleta seletiva e reciclagem como instrumentos para conservação ambiental: um estudo de caso em Uberlândia, Sociedade & Natureza, v. 19, n. 2, pp. 205-216. 2007.

8. Evolução da quantidade de resíduos sólidos destinados à reciclagem

Dentre tantas informações relevantes do segmento, a quarta edição do Anuário da Reciclagem mostra a evolução de alguns indicadores, como a quantidade de resíduos sólidos destinados à reciclagem. 

Neste caso, foi feita uma análise evolutiva da quantidade expandida, ou seja, quando a média obtida pelas organizações pesquisadas pelo Anuário é estendida às demais organizações da macrorregião.

Dito isso, o crescimento de resíduos sólidos destinados à reciclagem em todo o Brasil foi de 23%, saltando de 1057,5 mil toneladas em 2019 para 1304,5 mil toneladas em 2021.

Na análise por região, a Nordeste foi a que mais cresceu neste mesmo intervalo: 63%. Depois, aparecem Norte, com 36%, Sudeste (29%), Centro-Oeste (15%) e Sul (4%).

O dado, por um lado, é positivo porque sinaliza uma evolução da coleta seletiva e reciclagem nos últimos anos. Mas, sabemos que, mesmo se tratando de um crescimento na casa de dois dígitos, ainda há muito espaço para a reciclagem evoluir e se fortalecer no nosso país. 

É por isso que trabalhamos em diversas frentes, sempre em parceria com o poder público, iniciativa privada e sociedade civil para promover mudanças significativas do ponto de vista ambiental dentro da coleta seletiva e reciclagem.

Ficou com dúvidas? Entre em contato!

+[84] 1800 333 555

Rua General Sócrates, 418 – Penha da França, São Paulo, SP, CEP 03632-040.

Explore

Receba notícias eatualizações:

Nossas redes:

© 2022 – Instituto Recicleiros. Todos os direitos reservados.

Carefully crafted by Themelexus