Recicleiros fecha parcerias para promover mudança de comportamento para reciclagem

O Brasil recicla hoje apenas 4% de seus resíduos sólidos, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Esse percentual está muito aquém dos 16% vistos em países como Chile, Argentina, África do Sul e Turquia, cuja faixa de renda e grau de desenvolvimento econômico são semelhantes, conforme dados da International Solid Waste Association (ISWA).

Fato é que esse baixo índice de materiais que voltam para a cadeia produtiva nas indústrias passa diretamente pelos hábitos arraigados dos brasileiros, que ainda misturam orgânicos com materiais recicláveis, e pouco destinam seus resíduos para a coleta seletiva. Portanto, sem dúvida, é preciso avançar de forma significativa na mudança de comportamento dos cidadãos, sobretudo no que diz respeito à reciclagem. 

Dentro deste cenário, o Instituto Recicleiros, ciente de sua vocação laboratorial e alinhado com seu compromisso com a sociedade brasileira, tem testado novos caminhos para facilitar a educação ambiental e contribuir para a expansão perene e gradual da coleta seletiva e reciclagem no país. Por isso, tem trabalhado em parceria com outras instituições comprometidas com o mesmo propósito: a mudança de comportamento das pessoas em benefício da reciclagem.

Leia também:

Conheça os 21 municípios classificados para a segunda fase da Seletiva 2024 do Programa Recicleiros Cidades

Encontro inédito de líderes de cooperativas de reciclagem promove novos conhecimentos e troca de experiências entre os catadores

A voz dos cooperados #3: a visão dos catadores que integram o Programa Recicleiros Cidades

 

Hoje, Recicleiros desenvolve atividades junto a outras duas instituições que servem a essa mesma causa: Delterra e Espaço Urbano. O objetivo é unir esforços, trocar experiências práticas e insights, e testar em uníssono novas possibilidades, a fim de fomentar a cultura da reciclagem por meio de novos hábitos e atitudes.

“Estamos unindo esforços de olho na mudança de comportamento das pessoas, inclusive para aumentar o volume de massa de recicláveis dentro das cooperativas incubadas por Recicleiros, gerando mais renda para os cooperados. Delterra e Espaço Urbano estão fazendo trabalhos parecidos, então, por que não unir para potencializar os resultados?”, diz Luciana Ribeiro, analista de projetos do Instituto Recicleiros.

Duas parcerias e novos testes e abordagens

Cada parceria tem as suas particularidades e seus objetivos específicos, embora todos estejam alinhados com a mudança de comportamento. E cada uma funciona em um território diferente: Guaxupé (MG) e Piracaia (SP), todas cidades nas quais operam uma Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) em fase de incubação por Recicleiros.

A união com Delterra tem como território base a cidade de Guaxupé (MG), e a proposta é desenhar um modelo de ação amparado na experiência do usuário. Isso envolve pesquisa de campo, testes, entrevistas presenciais e online para a criação de uma campanha de comunicação massiva em favor da reciclagem. 

Neste momento, o conceito criativo da campanha está pronto, e o passo seguinte é testar em um microterritório, que pode ser um bairro ou uma rota de coleta, para avaliar a efetividade e eventualmente adaptá-lo para que seja expandido em todo o município mineiro. Vale citar que Delterra e Recicleiros são apoiadas pela AEPW, Alliance to End Plastic Waste.

“É um prazer para a Delterra unir forças com um parceiro consagrado e apaixonado como a Recicleiros, temos tanto em comum. Através da troca de aprendizagens e experiências em mudança de comportamento e outras áreas relacionadas com a gestão de resíduos, a nossa esperança é encorajar a expansão deste tipo de projeto, que beneficia tanto o ambiente como as comunidades locais”, diz Federico Di Penta, Diretor Regional da América Latina.

Com relação a Espaço Urbano, que iniciou as ações no município de Piracaia (SP), a abordagem é diferente, vai por outro caminho, mas tem o mesmo fim: a mudança de comportamento. A metodologia testada é atrelar a reciclagem a assuntos diversos, utilizando a gamificação, ou seja, a partir de mecanismos e dinâmicas para motivar e, ao mesmo tempo, ensinar as pessoas de forma lúdica. Por exemplo, os munícipes são incentivados a doar seus recicláveis a fim de ajudar a causa animal – os materiais recicláveis valem ração para atender cães de rua.

Além disso, a Espaço Urbano não dialoga diretamente com os consumidores, mas trabalha junto a influenciadores sociais, como religiosos, líderes sociais, com a ideia que eles sejam multiplicadores da mensagem e possam impactar as pessoas que estão ao seu redor em favor da reciclagem. Assim, a organização não mobiliza pessoas, mas forma mobilizadores.

Criação de novos hábitos em Campo Largo

Em Campo Largo (PR), a startup so+ma, especializada em engajamento do consumidor, e tendo como base princípios da ciência comportamental e tecnologia, soma com o Instituto Recicleiros, mudando os hábitos dos cidadãos e trazendo mais volume e de qualidade para a unidade local do Recicleiros. 

Presente em quatro estados brasileiros, o programa so+ma vantagens reconhece as atitudes socioambientais do participante oferecendo benefícios e promovendo a economia circular na prática. A parceria com o Instituto Recicleiros se concretizou por meio da SIG, patrocinadora semente de Recicleiros, que oferece soluções para embalagens cartonadas assépticas, e grande apoiadora das duas organizações.

A ação em Campo Largo (PR), que tem também o apoio do Governo do Paraná e Prefeitura de Campo Largo, atua em duas frentes: com uma unidade de recebimento chamada casa so+ma e aprendizagem na prática em escolas. A casa so+ma é um ponto de recebimento onde os munícipes trocam seus recicláveis por pontos que podem ser convertidos em benefícios como alimentos, itens de higiene, cursos, entre outros produtos.

Em ação com escolas municipais, os alunos levam seus recicláveis, são cadastrados, acumulam créditos e podem trocar por materiais escolares, brinquedos, ingressos de cinema e vale-cultura.    

Todo o material recebido através do  programa so+ma vantagens é doado para a Recicla Campo Largo, cooperativa incubada pelo Instituto Recicleiros por meio do Programa Recicleiros Cidades. Em menos de doze meses, já foram quase 90 toneladas de recicláveis recebendo destinação correta através do programa com engajamento da população.

Em parceria com Instituto Heineken, Academia do Catador promove treinamento de consumo consciente de álcool para catadores

Com o objetivo de conscientizar catadoras e catadores de materiais recicláveis sobre o consumo consciente do álcool, o Instituto Recicleiros, por meio da Academia do Catador, promoveu um treinamento específico sobre o tema em parceria com o Instituto HEINEKEN. A jornada completa da Formação Técnica e Humana de Cooperativas de Reciclagem já foi aplicada em 12 cooperativas incubadas pelo Instituto Recicleiros. Ao todo, 248 catadoras e catadores de várias partes do país participaram do curso.

Com duração de 12 horas, o curso está divido em 3 módulos com temas e objetivos específicos: A sociedade e o consumo do álcool; Causas e efeitos do consumo do álcool; e Direcionamento e soluções. Junto à formação, os catadores e catadoras receberam uma cartilha desenvolvida em parceria com o Instituto HEINEKEN que trata da importância de beber com responsabilidade para viver melhor e mais feliz.

Discussões sobre temas que envolvem vida e trabalho

Para Kellen Sanches e Lusimar Guimarães, que fazem parte do time da Academia do Catador do Instituto Recicleiros, e responsáveis pelo desenvolvimento do curso e a preparação dos multiplicadores do conteúdo, abordar a questão do consumo de álcool para o público das cooperativas significa envolvê-los em um tema que afeta a vida pessoal e profissional.

“Levar o assunto para os cooperados e poder debater sobre ele de forma transparente, evitando qualquer viés moral, demonstrando que o consumo em excesso pode ser considerado uma doença, proporcionou que os grupos fizessem correlação com situações do dia a dia das famílias, das organizações”, conta Lusimar, gerente do Núcleo de Desenvolvimento do Catador (NDC).

Kellen complementa: “desenvolver esse curso, sem dúvida, foi um grande desafio, ainda mais quando pensamos em nosso público e toda a sua vulnerabilidade, e foi pensando nisso que optamos por transformar as falas e exemplos da forma mais leve possível. Sem dúvida, aí está o grande diferencial, falar de algo tão importante de forma única e exclusiva. Foi um grande prazer!”.

Treinamento estará disponível gratuitamente na Academia do Catador

Este treinamento será aplicado periodicamente para novos cooperados que ingressarem nas cooperativas incubadas por Recicleiros e, ainda no primeiro trimestre de 2024, estará disponível gratuitamente na Academia do Catador, plataforma online que será lançada com apoio do Instituto HEINEKEN, da SIG Group e Nestlé, e terá conteúdos formativos diversos para catadoras e catadores de todo o Brasil que atuam em cooperativas de reciclagem.

“O Instituto Heineken tem como objetivo oferecer capacitação, contribuir com o desenvolvimento de habilidades socioemocionais e empreendedoras, e com a geração de renda a catadores e catadoras, profissionais que muitas vezes são invisibilizados pela sociedade, mas que são essenciais para a cadeia da reciclagem no Brasil. Acreditamos que a transformação da sociedade por meio do equilíbrio é fundamental, e por isso investimos em iniciativas como a Academia do Catador, que fornece informações sobre o consumo responsável de álcool. Essa é uma ação importante para uma sociedade mais sustentável no longo prazo e para uma melhor relação das pessoas com nossos produtos”, afirma Vânia Guil, gerente executiva do Instituto HEINEKEN.

A visão das cooperadas

“Aprendi muitas coisas, como consumir álcool com responsabilidade, quando beber não dirigir como forma de respeitar a si e ao próximo, e da importância do consumo com moderação. O alcoolismo é muito perigoso, vivi isso com a minha família”, conta Doralice de Oliveira, da Recicla Piracaia (SP).

“O treinamento do Consumo Consciente de Álcool me ajudou. Entendi, por exemplo, a importância de estar alimentada para consumir minha cerveja, então hoje consigo me alimentar melhor e beber cerveja com mais consciência”, afirma Cleiciane Soares de Moura, da Recicla Caldas Novas (GO).

Encontro inédito de líderes de cooperativas de reciclagem promove novos conhecimentos e troca de experiências entre os catadores

Pela primeira vez, os líderes das cooperativas de reciclagem participantes do Programa Recicleiros Cidades de todo o Brasil se encontraram em um grande evento apoiado pela Nestlé, patrocinadora da Academia do Catador. 

O 1º Encontro de Lideranças das Cooperativas, que ocorreu nos dias 11 e 12 de março, em Curitiba (PR), reuniu 26 cooperadas e cooperados de 13 cooperativas, além de representantes de Recicleiros e da Nestlé.

O objetivo do encontro inédito era aproximar os líderes, fortalecer vínculos entre as pessoas e proporcionar um tempo saudável e produtivo de trocas e aprendizados. Por meio de vivências e palestras, o evento abordou o perfil atual do líder e as competências necessárias para a posição, especialmente no contexto do cooperativismo. 

“Foi um prazer estar nesse evento junto com Recicleiros, parceiro desde 2020. A ideia era trazer a experiência da viagem por meio da promoção ‘Viajar faz bem’ para os cooperados, além de unir conhecimentos com lideranças de diferentes locais. Foram várias discussões muito enriquecedoras, trocas positivas, alinhamento de conhecimentos e conceitos. O ponto alto do encontro foi a dinâmica de troca, em que o cooperado levava uma qualidade como contribuição e recebia outra. Foi incrível”, contou Tássia Vieira, coordenadora de sustentabilidade da Nestlé.

A representante da Nestlé contou um pouco mais no evento sobre o projeto “Viajar faz bem”, ação da empresa que visa correlacionar o ato de viajar e conhecer novos lugares como forma de integração social, saúde e qualidade de vida.

Conexão e missão

Erich Burger, diretor institucional, e Rafael Henrique, diretor de operações do Instituto Recicleiros, também levaram uma palavra aos líderes das cooperativas. Os fundadores de Recicleiros ressaltaram sobre o propósito do Instituto quando falamos de desenvolvimento social e economia circular. E falaram também sobre a importância de selar compromissos mútuos para enfrentar os desafios atuais do Programa Recicleiros Cidades e para a efetividade do projeto. Por fim, eles lembraram que a missão de Recicleiros é contribuir para a inclusão social de catadores, e que a cooperativa de catadores é um importante ativo da comunidade local.

“Foi uma oportunidade única de interação e troca de experiências para a construção de uma visão mais transversal de lideranças”, comentou Erich.

Lusimar Guimarães Pereira, gerente do Núcleo de Desenvolvimento do Catador do Instituto Recicleiros, destacou que o evento era um sonho antigo da Academia do Catador, e lembrou que o encontro de lideranças é parte da formação profissional do grupo, realizado pela Academia do Catador, por meio do Programa de Formação Técnica e Humana de Cooperativas de Reciclagem. 

“Foi uma oportunidade de sintonizar o modelo de cultura organizacional desejada por Recicleiros, isto é, que as cooperativas sejam de fato um ambiente de cooperação e participação democrática; que a cooperativa compreenda que é uma engrenagem do sistema de coleta seletiva local, que fazem parte de uma política pública de alta relevância para a cidade”, afirmou Lusimar.  

Vale citar ainda as participações especiais de Roger Koeppl, diretor presidente da Yougreen Cooperativa, e de Paulo Henrique Corniani, consultor em processos de desenvolvimento humano, que levaram contribuições significativas para os líderes das cooperativas. 

Visita à Recicla Campo Largo e visões

No segundo dia, o grupo de lideranças visitou a cooperativa Recicla Campo Largo, que faz parte do Programa Recicleiros Cidades. No local, conheceram a planta produtiva, os processos e interagiram com os demais cooperados da planta. O ambiente estava descontraído, em clima de dia especial. Trocaram experiências sobre seus processos produtivos e as peculiaridades de cada território. Inclusive, criaram um grupo online para continuarem em contato após o encontro. 

“Foi maravilhoso, aprendi em cada experiência, estou tendo uma nova visão. Vou levar para todos em Caldas Novas que cooperativa é união, não é só pelo trabalho. Precisamos de respeito e diálogo. Em cada momento aprendi um pouco, adorei”, relatou Iolanda Aparecida De Teixeira, presidente da Recicla Caldas Novas.

“Foi um prazer ter recebido esse convite e estar com o pessoal das cooperativas espalhadas Brasil afora. Foi uma experiência incrível poder dividir opiniões e conversar sobre os desafios das cooperativas e como podemos resolvê-los. Estou muito agradecida por ter conhecido essa galera toda e orgulhosa de representar a Recicla Serra Talhada”, elogiou Claudia Pereira de Sousa, presidente da cooperativa pernambucana.

“Estou levando experiência e conhecimento e não só para mim, porque vou transmitir para todos os cooperados. É tudo novo e foi tudo muito bom. Foi importante ver que a experiência das outras cooperativas podem agregar para nós, e que nós também podemos acrescentar na experiência deles. Temos muito o que ensinar e aprender”, enfatizou Gabriele da Rocha Ferreira, mobilizadora da Recicla São José do Rio Pardo.

Sem dúvida, foi um encontro de grande impacto social. Agradecemos à Nestlé por apoiar este evento marcante não apenas nas vidas dos catadores, mas também no futuro das organizações nas quais estas pessoas são líderes.

“Não estamos sós”, foi a síntese declarada pelo grupo ao final do encontro. É por isso que Recicleiros acredita em um futuro mais coletivo e cooperativo. 

 

A voz dos cooperados #2: o que dizem os catadores que fazem parte do Programa Recicleiros Cidades

O Programa Recicleiros Cidades faz a diferença no município, uma vez que ajuda a estruturar um sistema inteligente de coleta seletiva e reciclagem do zero. Assim, contribui para a limpeza urbana, além de atuar na preservação dos recursos naturais e do meio ambiente.

Outro ponto tão importante é a transformação de vidas de pessoas em situação de vulnerabilidade – muitos que até então já atuavam como catadores de materiais recicláveis. Ou seja, a atuação é socioambiental.

Com a criação de uma cooperativa de reciclagem na cidade, esses profissionais passam a integrar uma Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) e garantem, todos os meses, a uma renda digna, condições adequadas de trabalho e extensa formação, com capacitação técnica e humana.

Leia também:

A voz dos cooperados #1: o impacto social proporcionado pelo Programa Recicleiros Cidades

Cooxupé fecha parceria para doar cerca de 15 toneladas de recicláveis à Recicla Guaxupé

Recicleiros promove Live para debater como Créditos de Massa Futura podem impulsionar a reciclagem

Confira alguns depoimentos de cooperados que estão dentro das cooperativas incubadas pelo Instituto Recicleiros.

“Eu era catadora da rua, trabalhava me arriscando sem ter luva, sapato, nada que me protegesse. Passava muita necessidade com meus filhos, morava em um quartinho, dormindo todos no chão porque não tinha espaço para nenhuma cama, mas graças a Deus hoje tenho outra vida. Trabalho com EPI, tenho segurança e condições de oferecer uma vida melhor para meus filhos. Hoje, pago aluguel de uma casa, faço feira, compro as coisinhas deles e tô terminando de pagar as camas. Se Deus quiser, o próximo passo é comprar o guarda-roupa. Com meu trabalho tenho a certeza de que aos poucos vou conseguir dar uma vida cada dia mais saudável, confortável e segura para meus tesouros, que crio sozinha. Agradeço todos os dias a Deus por essa oportunidade na minha vida e torço para que quem trabalhava como eu sem nenhuma esperança de melhorar de vida, tenha uma chance dessa de ter a vida transformada como a minha e de minha família”.

Maria Aparecida, 36 anos, Recicla Serra Talhada.

“Entrei na cooperativa como diretor financeiro e atualmente estou como presidente. Estou na Recicla Caçador desde o início, cerca de 1 ano e meio. O que mudou na minha vida? Consegui abrir um negócio próprio, voltei a estudar. Tem alguns cursos que fiz dentro da cooperativa e que eu não conseguiria fazer. O estudo tem feito muito bem para mim. Além dos benefícios que a cooperativa tem, como o horário, eu consigo ir à escola e não é tão cansativo como em outros lugares”.

Luiz Eduardo Malaquias, 23 anos, Recicla Caçador.

“Até entrar na cooperativa eu não fazia nada, só ficava em casa. Mudou muita coisa e pra melhor. Primeiramente, mudou minha autoestima, segundo a minha independência financeira. Graças a Deus, hoje, posso dizer que vivo bem. Realizei o sonho de comprar minha moto e agora estou construindo minha casa.  Graças à cooperativa estou realizando o meu sonho. Aqui foi ensinado muita coisa, como operação de máquinas, esteira, computador, voltei a estudar, o que é muito bom. Nunca tive vontade de estudar, e através da cooperativa, recebi inspiração. Aprendi demais, como paciência e a lidar com pessoas”.

Elizabeth Dantas de Souza, 43 anos, Recicla Cajazeiras.

Estou na cooperativa há quase 1 ano e hoje exerço o cargo de diretor administrativo. Antes, trabalhava como ajudante de pedreiro. Não era fixo, mas me ajudava muito, porque precisava dessa renda para auxiliar em casa, apesar de ser bem desgastante. Quando surgiu a oportunidade na cooperativa, não pensei duas vezes. Sabia que era um compromisso muito grande e uma experiência nova para mim. Agradeço ao Instituto Recicleiros, pois estão me ajudando muito, não só a mim, mas a todos que trabalham aqui na cooperativa. Antes, não conseguia pagar o INSS. Mais: já comecei a pagar a minha Carteira Nacional de Habilitação, hoje consigo ajudar em casa, posso pagar minhas contas sem depender de ninguém. Fora a experiência. Me tornei uma pessoa mais séria e comprometida tanto pessoal quanto profissional. Pretendo estudar mais para buscar conhecimento para minha vida, fazer cursos profissionalizantes na área. Só agradecer ao Instituto Recicleiros, que me ajuda nessa minha trajetória”.

Andrei Junior Barbosa de Oliveira, 19 anos, Recicla Garça.

Atualmente, mais de 300 cooperados em 14 municípios brasileiros são diretamente beneficiados com o Programa Recicleiros Cidades.

Formação técnica e humana fortalece cooperativas de reciclagem e muda a vida dos profissionais

O Núcleo de Desenvolvimento do Catador, área do Instituto Recicleiros que atua na formação e capacitação de cooperadas e cooperados, faz um trabalho essencial na consolidação das cooperativas que hoje fazem parte do Programa Recicleiros Cidades.

Para se ter uma ideia de sua importância, 11 das 14 Unidades incubadas atualmente foram formadas do zero pelo time do Núcleo de Desenvolvimento do Catador. E todo esse trabalho envolve treinamentos e capacitações diversas, tanto técnicas, ligadas diretamente à cooperativa, quanto humanas.

Leia também:

Seletiva 2023: veja os 9 municípios habilitados para o Programa Recicleiros Cidades

Quadro Gestão à Vista proporciona mais transparência e agilidade na tomada de decisão dentro das cooperativas

Academia do Catador desenvolve treinamento para governança das cooperativas

“Como organização ambientalista seria simplista falar que montamos uma planta e preparamos pessoas para trabalhar. Fazemos muito mais do que isso. Ali nasce uma organização com valores, ideias, princípios, que constrói uma visão de mundo coletiva e inclusiva”, afirma Lusimar Guimarães Pereira, Gerente do Núcleo de Desenvolvimento do Catador.

O trabalho do Núcleo em números

  • 4800 pessoas interessadas em fazer parte das cooperativas nas cidades
  • 275 pessoas convidadas para fazer parte da cooperativa nas localidades (25 por unidade)
  • 660 horas de integração/treinamentos preparatórios para operação 
  • 48 horas de treinamento para lideranças das cooperativas
  • 140 horas de mentorias às lideranças das cooperativas 

“O interessante é o impacto que causamos. Os cooperados, à medida que evoluem na jornada, são pessoas cada vez mais respeitadas na comunidade. São mais do que pessoas que trabalham na coleta seletiva, são legítimas lideranças da comunidade. Essas pessoas se empoderam também nos espaços que elas frequentam, como no bairro onde moram, por exemplo”, acrescenta.

Um dos desafios do Núcleo é fortalecer as bases das cooperativas. O trabalho passa por unir um grupo de pessoas, empoderá-las e deixá-las apaixonadas pelo negócio. Uma vez que as estruturas estão construídas, os esforços são para promover o desenvolvimento de um do negócio social. Isso inclui além de capacitações, encontros quinzenais de mentoria junto às diretorias e cooperados, visitas periódicas às praças para supervisão educacional, e o acompanhamento por meio de planos de desenvolvimento individual (PDI).

Treinamentos para o trabalho e para a vida

O trabalho desenvolvido pelo NDC gera repercussões diretas na vida desses profissionais:

“O NDC nos dá toda a assistência para lidar com as questões burocráticas da empresa e questões legais. Fornece conhecimento técnico que só conseguiríamos se fizéssemos uma faculdade”, revela Deizideria Saraiva, Cooperada da Recicla Cajazeiras (PB).

De acordo com Hugo Coutinho, líder regional do Instituto Recicleiros, o NDC contribui para o fortalecimento de vínculo de confiança e gratidão entre os cooperados e o Instituto Recicleiros, pois percebem na prática que fazem parte de um programa que investe tempo neles.

“O processo operacional é importante, mas o nosso processo também é desenvolver pessoas. Situamos essas pessoas no mundo, alguns receberam um certificado pela primeira vez. Aqui, os incentivamos a dar a opinião, se posicionar. Nós empoderamos, trabalhamos a autoestima, falamos que eles podem, sim, sonhar, e isso é fundamental para a mudança de vida”, finaliza.

Veja o que os cooperados que fazem parte do Programa Recicleiros Cidades estão falando!

A voz dos cooperados #1: o impacto social proporcionado pelo Programa Recicleiros Cidades

O Programa Recicleiros Cidades muda a história do município ao estruturar do zero um sistema inteligente de coleta seletiva e reciclagem, contribuindo para a limpeza urbana, além de preservar o meio ambiente e os recursos naturais. 

Ao mesmo tempo, transforma a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade – muitos que até então já atuavam como catadores de materiais recicláveis. Com a criação de uma cooperativa de reciclagem na cidade, esses profissionais agora integram uma Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) e passam a ter acesso, todos os meses, a uma renda digna, condições adequadas de trabalho e extensa formação, com capacitação técnica e humana.

Leia também:

Seletiva 2023: veja os 9 municípios habilitados para o Programa Recicleiros Cidades

Quadro Gestão à Vista proporciona mais transparência e agilidade na tomada de decisão dentro das cooperativas

Recicleiros e Owens-Illinois fecham parceria inovadora para viabilizar reciclagem de embalagens de vidro no Brasil

Veja alguns depoimentos de cooperados que atuam nas cooperativas estruturadas e incubadas pelo Instituto Recicleiros.

“A cooperativa me ajudou bastante com a chance de cursar a faculdade de Farmácia na Univértix, de poder ter uma renda para que eu consiga fazer os meus projetos, realizar meus sonhos e avançar. Também, de chegar ao final de semana e ter algum dinheiro no bolso, de correr atrás das coisas que eu planejava. Por isso, agradeço pela oportunidade, pois hoje em dia está tão difícil conseguir alguma forma de ter uma renda e a Cooperativa Recicla Três Rios me ajudou com isso”.

Messias Neves Marques, 26 anos, Recicla Três Rios.

“Estava desempregada. Estou aqui há quase 2 anos. Para mim mudou tudo. Recebo minha remuneração e consigo fazer planos. Hoje tenho minha independência financeira, vou ao mercado e compro o que eu quiser. E consegui pagar o tratamento do meu filho, que está recuperado. Foi a minha maior vitória. Tenho muitos aprendizados socialmente falando. Comunicativa eu já era e fiquei ainda melhor. Quando chego nos lugares para falar da cooperativa, consigo falar bem. Gostei também dos cursos que realizei sobre a cooperativa, de marketing, saúde, educação financeira, nutricionista, psicólogo… Só tenho a agradecer Recicleiros por ter me proporcionado esse trabalho, que veio na hora certa. Estava com alguns problemas, mas vim trabalhar e aqui estou eu. É bom demais!”

Francilene Marinheiro, 41 anos, Recicla Cajazeiras.

“Aprendi muitas funções para a minha vida e carreira profissional. Infelizmente, nos últimos empregos, fiquei apenas três meses. Aqui, já estou há sete meses, é o lugar onde estou trabalhando por mais tempo, atuando como assistente administrativo. Além disso, foi o único local que me aceitou do jeito que sou. Estou pensando em fazer faculdade de Análise de Sistemas ou Programação, visando crescer ainda mais na minha vida. Só tenho a agradecer pela oportunidade de estar trabalhando aqui, pois evolui tanto profissionalmente quanto pessoalmente, sou muito feliz aqui”.

Alex Santana, 30 anos, Recicla Piracaia.

“A experiência na Recicla Campo Largo foi uma parte muito importante da história que eu tô construindo na cidade. Sou da Bahia e as relações que eu desenvolvi na cooperativa foram as primeiras que fiz na cidade nova, com pessoas que me acompanham e torcem pelo meu sucesso. A Cleusa, a Dayane, a Adriana, o Alisson e a Dona Suzely, minha mãe, são pessoas de extrema importância para mim. Pude conhecer também o Rafa, o Erich, o Marciano e a Andréia, de Recicleiros, que acabaram agregando ainda mais e por quem vou sempre ser agradecido. Foi através do Rafa, inclusive, que cheguei à empresa onde trabalho hoje – SIG Group. Ele que enxergou meu talento e a possibilidade, que me levaram ao lugar certo na hora certa. Minha vida não seria a mesma sem ter conhecido a Recicla Campo Largo e eu serei grato eternamente à minha mãe por ter me levado até lá e a todas as pessoas que foram trazidas 'no balaio’”.

Thiago Ramos de Souza, 24 anos, ex-cooperado da Recicla Campo Largo e atualmente estagiário de comunicação na SIG Brasil.

Hoje, mais de 300 cooperados em 14 municípios brasileiros são diretamente beneficiados com o Programa Recicleiros Cidades.

Recicleiros e Owens-Illinois fecham parceria inovadora para viabilizar reciclagem de embalagens de vidro no Brasil

O entrave que impede a reciclagem de embalagens de vidro parecia intransponível. Sem uma oferta estruturada que viabilize os custos de recuperação, triagem, processamento e transporte do material até os recicladores, bem como a falta de profissionalização, colaboração e integração entre diferentes agentes da cadeia, faz cerca de 60% das embalagens de vidro irem direto para aterros e lixões. 

Comprometidos em subverter essa lógica, o Instituto Recicleiros e a Owens-Illinois (O-I), líder mundial na fabricação de embalagens de vidro, fecharam uma parceria para garantir que as embalagens de vidro pós-consumo processadas nas 14 unidades de triagem do Programa Recicleiros Cidades, espalhadas nas cinco regiões do Brasil, possam ser recicladas e transformadas em novas embalagens de vidro. A expectativa inicial é recuperar cerca de 3 mil toneladas no primeiro ano do projeto.

Desafio logístico do vidro

O principal desafio da reciclagem do vidro é logístico, uma vez que é um monomaterial permanente, ou seja, após produzido pela primeira vez, não necessita de outras matérias virgens para ser reciclado novamente, podendo fazê-lo infinitas vezes sem perder suas características principais. Entretanto, devido a problemas no descarte, na falta de infraestrutura de coleta e processamento na cadeia, o vidro pós-consumo acaba se misturando com diversos contaminantes antes de retornar à indústria.

Leia também:

Remuneração justa de catadores como elemento de sustentabilidade da reciclagem

Academia do Catador desenvolve treinamento para governança das cooperativas

O que o aumento da reciclagem tem a ver com a estratégia de mitigação dos lixões?

Conheça os impactos ambientais, sociais e econômicos obtidos com o Programa Recicleiros Cidades

“Queremos aumentar a reciclagem de vidro em regiões do país onde ainda não era viável. Ao fomentar a base da cadeia e a venda desse material por parte das cooperativas diretamente para a indústria, incentivamos a geração de empregos e renda, bem como a redução da extração de matéria-prima virgem do ambiente, a redução no consumo de energia e das emissões de CO2. Outro aspecto importante é que ao reciclar o vidro, é possível aumentar a vida útil dos aterros sanitários, bem como diminuir as despesas do poder público relacionadas ao descarte desse material”, explica Alexandre Macário, gerente da área de Economia Circular da O-I.

De acordo com o Erich Burger, fundador e diretor institucional do Instituto Recicleiros, o contrato firmado entre O-I e Recicleiros representa um marco na relação entre cooperativas e indústria, pois foi negociado tendo como premissa um elemento básico fundamental na formação do preço, a garantia de remuneração mínima-justa do processo produtivo.

“De um lado, entregamos o que há de mais produtivo e seguro em termos de processo, com vistas a obter um material de muita qualidade, processado com os melhores padrões de segurança e produtividade. Do outro, a indústria reconhece os atributos de qualidade e a garantia de origem sustentável do produto, o que gera valor em um mercado pautado pela agenda ESG e os compromissos globais das grandes empresas”, diz Erich Burger.

Parceria baseada na eficiência e padrão de qualidade

A viabilidade desta parceria está baseada num modelo de busca de eficiência e padrão de qualidade que possa trazer mais valor para o material pós-consumo produzido nas unidades de triagem. Com equipamentos e processos produtivos adequados, além da busca contínua pela melhoria dos indicadores de produção, torna-se possível oferecer um material com os padrões de qualidade desejados pelos recicladores, eliminando perdas ao longo de todo o processo. Com isso é possível trazer mais valor para a negociação de venda do material, tornando viável do ponto de vista econômico o retorno desses cacos para serem reciclados.

Na visão de Erich, este é um produto diferenciado, que não pode ser tratado como outro qualquer. “Entregamos um material com rastreabilidade ponta a ponta e garantia de origem digna para que seja transformado em novos produtos e embalagens”, afirma. 

O vidro processado nas Unidades de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) incubadas pelo Instituto Recicleiros é fruto de um projeto que começa com a criação de políticas públicas municipais apoiadas pela Academia Recicleiros do Gestor Público, da instalação de infraestrutura qualificada nas cidades, que oferece ao catador um ambiente saudável, seguro e estimulante para o trabalho, além de equipamentos que permitem melhores taxas de produtividade. Adicione-se a isso o fator remuneração mínima-justa dos catadores, primeira linha considerada na formação do preço de venda do material.

A iniciativa da Owens-Illinois ajuda a consolidar um conceito fundamental para quem quer fazer essa cadeia de recuperação de materiais pós-consumo acontecer. Inclusive, esta tem sido uma bandeira prioritária no Instituto Recicleiros: debater o tema junto à indústria.

“Responsabilidade compartilhada gera prosperidade coletiva. Enquanto maior recicladora de vidro do mundo, entendemos a urgência de unir esforços entre os diversos agentes da cadeia a fim de criar modelos de negócio que não só promovam a transição para economia circular, mas, que, principalmente, tragam adicionalidade à massa de vidro reciclada no país, de forma profissional, eficiente, ética e inclusiva, unindo indústria, cooperativas, poder público, marcas e consumidores. Recicleiros traz justamente esta proposta e decidimos apostar juntos”, acrescenta Macário.

Lógica necessária para a solidez de um grande projeto

Houve um avanço nos últimos anos com o entendimento da indústria e do governo sobre a importância das ações estruturantes para alavancar a capacidade de recuperação do material reciclável de maneira qualificada e conectada com o serviço público de limpeza urbana. Agora, para preservar e potencializar esse investimento é fundamental se olhar para o protagonismo que os contratos de venda do material têm na viabilidade econômica dessas unidades de triagem. 

É essencial que a indústria entenda que a oscilação de preços coloca em xeque a viabilidade operacional das cooperativas e, portanto, coloca em risco todo o investimento feito em infraestrutura e capacitação técnica dos catadores. Garantir o preço mínimo que viabiliza a operação digna dessas unidades de triagem operadas por catadores é dar a mínima condição desses prestadores de serviço se manterem ativos e animados para que os resultados almejados pela cadeia de valor aconteçam.

“As embalagens usadas precisam ser recicladas, isso é uma condição. Então precisamos olhar para o sistema produtivo e identificar o que ele precisa para ser o mais eficiente possível sem abrir mão da dignidade e justiça social. Nossa proposta é entregar qualidade e previsibilidade para a indústria recicladora por meio de um processo justo e sustentável”, acrescenta o diretor do Instituto Recicleiros.

Parceria inspiradora e com visão de futuro

O Decreto 11.300, de 2022, traz mudanças importantes a fim de criar um ecossistema que aumente os índices de reciclagem de vidro no Brasil. Esse acordo entre O-I e Recicleiros busca apoiar a amarração final dessa visão de construção de ecossistema, uma vez que para se criar adicionalidade na reciclagem (decreto 11.413/23 de Crédito de Massa Futura) e garantir o cumprimento das metas de recuperação de vidro (Decreto 11.300/22) é preciso investir não só em infraestrutura, mas também ter o compromisso da indústria com o preço mínimo – que viabiliza o processamento e transporte do material para reciclagem.

“O conceito de valor mínimo, que considera os custos do processo produtivo na formação do preço do material reciclável, com especial enfoque no custo da mão-de-obra dos catadores, é uma bandeira prioritária no Instituto Recicleiros para todos os materiais pelo impacto que isso tem no desenvolvimento da cadeia de valor, no aumento da reciclagem e na dignidade dos postos de trabalho dos catadores. Este é o primeiro contrato que celebramos com esse enfoque e espero que inspire um movimento nesse sentido”, comenta Rafael Henrique, fundador e diretor de operações do Instituto Recicleiros.

Transformação da realidade socioambiental

A parceria entre Recicleiros e O-I vai gerar um grande impacto positivo na cadeia produtiva.

“Esse contrato representa mais um avanço na retomada da valorização das catadoras e catadores de materiais recicláveis, buscando garantir remuneração minimamente digna pelo importante serviço prestado por esses trabalhadores e também segurança para a empresa quanto à origem dos resíduos triados. Esperamos que esse modelo possa ser replicado para outros tipos de materiais, pois sabemos que sem a remuneração justa dos serviços dos catadores não conseguiremos avançar na reciclagem e na melhoria de suas condições de trabalho”, enfatiza Sabrina Gimenes de Andrade, Coordenadora Geral de Logística Reversa do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima.

Cleiciane Soares, Presidente da Recicla Caldas Novas, uma das cooperativas beneficiadas diretamente pela parceria, já que faz parte do Programa Recicleiros Cidades, comenta sobre os impactos do acordo não apenas para a unidade, mas para o todo. 

“Esses contratos longos só têm a ajudar as cooperativas a manter o projeto, a crescer ao longo do tempo e a ter mais cooperativas abraçadas por ONGs como Recicleiros, para que mais pessoas possam sair dos lixões e virem trabalhar com equipamentos, limpos, dignos, em um local bem cuidado, onde serão bem tratados, bem vistos e a gente só tem a crescer com contratos assim”, diz Cleiciane.

Por fim, Rhaiza Matos, prefeita de Naviraí (MS), uma das 14 cidades que fazem parte do Programa Recicleiros Cidades, traz seu ponto de vista.

“A parceria que a Prefeitura de Naviraí tem com o Instituto Recicleiros tem sido fundamental para a implementação do Programa de Coleta Seletiva na nossa cidade. O vidro é um dos resíduos com a logística mais complicada e uma parceria nesse sentido vai nos garantir a destinação em maior quantidade e qualidade, proporcionando uma renda maior para os cooperados e um meio ambiente mais saudável”, encerra.

O acordo, acreditam as instituições, vai inspirar outros segmentos da indústria a fazer o mesmo e oferecer essa estabilidade necessária para a economia circular se desenvolver. Afinal, uma iniciativa como essa tem por trás um conceito de ecossistema de mercado envolvido. 

As cooperativas incubadas por Recicleiros ainda possuem desafios que precisam ser superados, como encontrar novos parceiros para o mesmo tipo de acordo, porém com outros materiais envolvidos, como plásticos e papel, por exemplo.

Quer fazer parte dessa história? Entre em contato conosco!

O que o aumento da reciclagem tem a ver com a estratégia de mitigação dos lixões?

A reciclagem tem um papel fundamental no desenvolvimento sustentável do planeta, já que preserva recursos naturais, diminui a quantidade de resíduos nos lixões e aterros sanitários, reduz a poluição do solo, água e ar, entre outros benefícios.

Além do aspecto ambiental, a coleta seletiva e reciclagem tem um papel social importante, uma vez que um grande número de catadoras e catadores ganham a vida com a renda obtida a partir da venda de resíduos sólidos recicláveis.

Leia também:

ZBRA desenvolve software exclusivo de gestão de dados para Recicleiros

Conheça os impactos ambientais, sociais e econômicos obtidos com o Programa Recicleiros Cidades

3 fatos que comprovam o caráter inovador da Academia Recicleiros do Gestor Público

O aumento da reciclagem pode ser visto como um indutor da mitigação de lixões. De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), 39% do total de resíduos coletados em 2022, que corresponde a 29,7 milhões de toneladas, vão para a destinação inadequada, incluindo lixões.

Isso ocorre pois muitos municípios se deparam com a escassez de recursos financeiros para garantir a destinação final ambientalmente adequada para aterros, principalmente quando esses são distantes das cidades e o custo de transporte se torna um agravante para a inviabilidade. Aterros estão cada vez mais distantes das cidades e, portanto, cada vez mais caros para os municípios. 

Como o custo de destinação é uma relação entre volume e quantidade, quanto mais resíduos, mais caminhões, quanto mais caminhões, mais caro, a redução de quantidade de material tende a tornar a substituição de lixões por aterros mais factível. 

Para um município com alta eficiência na coleta seletiva de recicláveis, destinar os rejeitos para aterro é algo muito mais viável.

Dito isso, um ponto bastante relevante dentro desse contexto é a relação do aumento da reciclagem com a redução dos lixões. Afinal, quanto mais resíduos vão para a reciclagem e a cadeia produtiva da economia circular, menos itens têm os lixões como destino final.

Não existe a ideia de “jogar fora”

De certa forma, tudo que “jogamos fora” vai parar em algum lugar. Ou seja, na melhor das hipóteses, o lixo está indo para um aterro sanitário, o que ainda significa que está se acumulando de forma desenfreada no planeta. Por esse motivo, é bom ficarmos atentos, pois, na realidade, não existe esse conceito de “jogar fora”.

Quando não separamos os recicláveis do lixo comum, só estamos contribuindo para deixar nosso grande lar cada vez mais perto de se tornar inabitável. Mas, ao dar a destinação correta aos nossos resíduos, por meio da coleta seletiva e reciclagem, estamos contribuindo diretamente para uma cidade e um planeta mais limpo e sustentável, seja no aspecto social ou ambiental.

Por que os lixões devem ser combatidos?

Nunca é demais lembrar: o lixão é uma maneira inadequada de lidar com os resíduos, por isso devem ser extintos. 

Veja abaixo alguns motivos claros para o fim definitivo dos lixões nas cidades:

  • Poluição do solo e águas por conta do chorume acumulado.
  • Oferece riscos à saúde por conta do ambiente favorável à proliferação de doenças.
  • Recebimento de materiais perigosos, como os resíduos de serviços de saúde.
  • Gera grandes riscos a pessoas em situação de vulnerabilidade que buscam renda.
  • Geração de gases que podem provocar incêndios e potencializar mudanças climáticas. 

Para ampliar e aperfeiçoar os processos de coleta seletiva e reciclagem, a fim de vencer o desafio dos lixões, precisamos adotar novas medidas, como fomento à educação ambiental, bem como trabalhar a responsabilidade compartilhada dos diferentes agentes que fazem parte dessa cadeia sustentável.

Japão: exemplo inspirador de reciclagem

Um exemplo que pode inspirar a realidade brasileira e dar novos rumos à coleta seletiva e reciclagem é o Japão. Diante de uma área territorial restrita e grande população, lidar com a gestão dos resíduos é crucial para o país asiático. 

Houve, por anos, um investimento significativo em educação ambiental, além de busca por soluções que pudessem transformar a realidade local. Hoje, a gestão de resíduos no Japão está ancorada em três pilares principais.

O primeiro é a divisão clara de responsabilidades. Os consumidores, o setor privado, como indústria e comércio, e também o poder público tiveram seus papéis muito bem definidos. E não se trata apenas de direcionamento. Foi tudo bem estabelecido por lei. E cada parte responde pelo seu eventual descumprimento. E, aliado à lei, está a fiscalização.

O segundo pilar tem um aspecto econômico. O consumidor tem de pagar pelo descarte do lixo que produz, incluindo aqui o transporte e a reciclagem. Ou seja, quanto menos resíduos gerar, menor será a conta no final do mês. Aqui, entram também os famosos conceitos 3Rs – reduzir, reutilizar e reciclar.

Por fim, o terceiro ponto é a implementação gradual desse movimento em diferentes locais que, somados, acabam impactando o estado e, depois, o país inteiro. 

Em síntese, estamos falando em conscientização e educação ambiental, responsabilidade compartilhada, além da aplicação e fiscalização das leis.

Vamos trabalhar juntos pelo aumento da reciclagem? Estamos à disposição!

Conheça os impactos ambientais, sociais e econômicos obtidos com o Programa Recicleiros Cidades

Quais são os impactos socioambientais e econômico possível a partir da implementação do Programa Recicleiros Cidades? Esse foi um dos assuntos da 10ª Mentoria Técnica, promovida pela Academia Recicleiros do Gestor Público.

O décimo e último encontro on-line deste ciclo da Seletiva 2023 falou sobre os efeitos positivos desta ação nos aspectos ambientais, econômicos e sociais, sobretudo, como é possível na prática implantar o sistema municipal de coleta seletiva e reciclagem dentro do escopo proposto pelo Instituto Recicleiros no Programa Recicleiros Cidades. 

O encontro coordenado por Cezar Augusto, gerente da Academia Recicleiros do Gestor Público, fez uma espécie de retrospectiva, resgatando um resumo dos conteúdos trabalhados anteriormente nas outras nove mentorias, como legislação, coleta e transporte, comunicação e mobilização, entre outros assuntos.

Leia também:

Os desafios da comunicação para o sucesso do Programa Recicleiros Cidades

Saiba como a Academia Recicleiros do Catador faz a incubação em uma UPMR

Anuário da Reciclagem traz um raio-X do segmento no Brasil

Além disso, contou com duas entradas ao vivo com relatos importantes que evidenciaram os resultados em diferentes municípios, sob óticas diversas. Primeiro, Cauê Henrique Pelegrineli, líder de Unidade em Garça (SP), mostrou um pouco do trabalho realizado pela Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) em Garça (SP), inaugurada há pouco mais de 2 anos.

Dignidade ao ser humano e respeito ao meio ambiente

Em seguida, foi a vez de Sinézio Rodrigues, secretário do meio ambiente de Serra Talhada (PE), direto da Recicla Serra Talhada, falar da experiência de fazer parte do Programa Recicleiros Cidades sob o ponto de vista do gestor público.

“A gente destinava todos nossos resíduos para o aterro sanitário, ou seja, a Prefeitura não gerava emprego e não garantia dignidade para um público que estava à margem da sociedade. A gente costuma dizer que enterrava dinheiro. Com essa parceria com Recicleiros, nós resolvemos um grande problema, já que o material reciclável estava sendo enterrado no lixão”, explica Sinézio Rodrigues.

“Hoje, geramos emprego e renda para mais de 20 pessoas, e a perspectiva da cooperativa é chegar a 60 cooperados. Nós estamos levando dignidade para as pessoas através de um projeto bacana e que a prefeitura de Serra Talhada não teria condições de fazer com investimentos próprios. É isso que Recicleiros faz: leva dignidade às pessoas que mais precisam, respeito ao meio ambiente e economia ao município”, completa.

Quais os impactos positivos da coleta seletiva e da reciclagem?

Veja agora alguns dos impactos positivos gerados pelo Programa Recicleiros Cidades, considerando o período de incubação de 60 meses em uma praça.

Ambiental

  • Recuperação

Potencial de recuperação de massa reciclável da ordem de 7.900 toneladas.

  • Preservação

Diminuição do passivo ambiental e da área degradada a ser recuperada.

  • Reciclagem

Reintrodução de materiais no ciclo produtivo.

  • Redução

Diminuição da extração de matéria-prima para produção de embalagens.

Social

  • Trabalho e renda digna

Geração de mais de 50 postos de trabalho qualificados diretos.

  • Capacitação

Potencialização das capacidades profissionais dos cooperados;

  • Empoderamento

Aumento da autoestima e da valorização das pessoas envolvidas.

  • Mobilidade

Possibilidade de oportunizar mobilidade social.

Econômico

  • Dinheiro novo

Injeção de dinheiro novo na economia local, entre R$ 2,5 e R$ 3 milhões.

  • Economia de recursos

Diminuição dos recursos aportados em assistência social.

  • Produtividade

Menos investimento em programas de recuperação de área degradada.

  • Fontes de financiamento

Acesso a recursos do estado e do governo (ICMS Ecológico, por exemplo).

Quais serão os próximos municípios contemplados com o Programa Recicleiros Cidades?

Atualmente, o Programa Recicleiros Cidades está em plena operação em 12 municípios brasileiros, com uma coleta seletiva e reciclagem inclusiva, proporcionando inúmeros benefícios à população, ao meio ambiente e à gestão pública. Outras três cidades estão em fase de implantação, e muito em breve, farão parte do Programa, casos de São José do Rio Pardo (SP), Cataguases e Machado, ambos em Minas Gerais.

Por fim, importante frisar que a Academia Recicleiros do Gestor Público oferece as gravações das Mentorias Técnicas na íntegra dentro do blog de sua plataforma on-line, para todos agentes públicos brasileiros interessados. Para ter acesso, basta se inscrever na página oficial: clique aqui > 

Seletiva 2023: Recicleiros divulga lista com 25 municípios classificados para Turma de Qualificação

O Instituto Recicleiros anunciou, nesta terça-feira (21), a lista com os 25 municípios classificados para a Turma de Qualificação da Academia Recicleiros do Gestor Público, que prepara os gestores públicos para implantação de Coleta Seletiva e Reciclagem a partir do Programa Recicleiros Cidades.

A escolha foi feita a partir do processo seletivo, que começou em janeiro último e terminou no dia 10 deste mês, e envolveu o período de inscrição e pré-seleção. Nesta primeira fase da Seletiva, o Instituto Recicleiros alcançou 24 estados brasileiros.

Leia também:

Modalidade de Logística Reversa criada por Recicleiros vira política pública no Brasil

Remuneração justa de catadores como elemento de sustentabilidade da reciclagem

Reciclagem ética e inclusiva: quanto custa esse conceito?

Em síntese, foram realizadas 312 inscrições oficiais, das quais 121 foram consideradas aptas, de acordo com o edital de chamamento público da Seletiva 2023. O crescimento foi de impressionantes 184% no número de inscrições oficiais, e 61% dos municípios aptos, quando comparados com a última seletiva promovida por Recicleiros, em 2022.

Veja abaixo a lista com os 25 municípios classificados:

Adamantina/SP

Agudos/SP

Araguari/MG

Arapiraca/AL

Araripina/PE

Bom Despacho/MG

Canoinhas/SC

Ferraz de Vasconcelos/SP

Guapimirim/RJ

Itabirito/MG;

Itapecuru Mirim/MA

Itapipoca/CE

Itaqui/RS

Mairiporã/SP

Mata de São João/BA

Nossa Senhora do Socorro/SE

Paraguaçu Paulista/SP

Parauapebas/PA

Patos/PB

Pederneiras/SP

Santa Cruz do Rio Pardo/SP

São Félix do Xingu/PA

São Lourenço da Mata/PE

Senhor do Bonfim/BA

Teotônio Vilela/AL

Agora, esses municípios vão percorrer a chamada Trilha de Conhecimento na plataforma on-line da Academia Recicleiros do Gestor Público. Neste ambiente exclusivo de aprendizagem, os gestores podem elevar rapidamente os conhecimentos sobre a implementação da política pública de Coleta Seletiva e Reciclagem.

Mentorias técnicas e visitas aos municípios

Ao mesmo tempo, para fechar a terceira fase da Seletiva, a Turma de Qualificação passará por Mentorias Técnicas junto com especialistas de Recicleiros. No total, serão 10 encontros on-line entre os meses de março e junho. A proximidade com os experientes técnicos do Instituto permitirá que cada município alcance, em tempo recorde, os requisitos para ser selecionado para o Programa Recicleiros Cidades. 

Afinal, a missão da Academia Recicleiros do Gestor Público, que tem a SIG Group como patrocinadora semente, é auxiliar na elaboração de todos os itens necessários para sedimentar o serviço público municipal de Coleta Seletiva e Reciclagem efetivo e perene.

Depois, a quarta fase da Seletiva 2023, entre abril e setembro, corresponde às visitas técnicas. Os especialistas Recicleiros encontrarão os gestores públicos dos municípios classificados, a fim de aprofundar o entendimento sobre a qualificação do município para integração ao Programa Recicleiros Cidades.

Por fim, vem a quinta e última fase da Seletiva: a divulgação dos territórios que alcançaram os requisitos mínimos para implantação do Programa Recicleiros Cidades.

Investimento robusto e apoio constante

Lembrando que as cidades selecionadas receberão até R$ 5 milhões para investir em soluções para implementação da reciclagem inclusiva, como infraestrutura, apoio à gestão, assessoria técnica especializada, comunicação e muito mais. A iniciativa prevê a participação intensiva do Instituto Recicleiros por pelo menos 5 anos na cidade.

Ser parte do maior programa estruturante de Coleta Seletiva e Reciclagem do Brasil significa colocar o município entre as referências nacionais em sustentabilidade, economia circular com atuação socioambiental de impacto.

Parabéns a todos os 25 municípios classificados! Um grande passo já foi dado para escrever uma nova história na sua cidade.

Ficou com dúvidas? Entre em contato!

+[84] 1800 333 555

Rua General Sócrates, 418 – Penha da França, São Paulo, SP, CEP 03632-040.

Explore

Receba notícias eatualizações:

Nossas redes:

© 2022 – Instituto Recicleiros. Todos os direitos reservados.

Carefully crafted by Themelexus