Recicleiros e BNDES fecham parceria para investir em infraestrutura e capacitação de catadores

O Instituto Recicleiros e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) fecharam uma parceria inédita para investir em infraestrutura e capacitação de catadoras e catadores de materiais recicláveis. 

O BNDES Fundo Socioambiental injetará recursos na estruturação de cooperativas de catadores. Já Recicleiros investirá em máquinas e equipamentos das cooperativas de catadores, além de desenvolvimento e capacitação técnica de catadores que fazem parte do Programa Recicleiros Cidades. 

Os recursos somados chegam a um total de R$ 19 milhões, que serão utilizados ao longo dos próximos 5 anos. A expectativa é um aumento de 40% no número de postos de trabalho gerados e alcançar a marca de 545 vagas para atuação dos cooperados, com trabalho e renda para pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Leia também:

Cooperativa ou associação: qual a forma mais adequada para a atividade de reciclagem?

Reciclando o Futuro: conheça o projeto Recicleiros de educação ambiental nas escolas

Recicleiros e Owens-Illinois retiram 130 toneladas de vidro na Vila de Jericoacoara

“Canalizar recursos para implementar infraestrutura e qualificar os processos será determinante para construir o futuro da reciclagem no Brasil. A reciclagem a partir de mecanismos sociais de trabalho, como as cooperativas de catadores, é não só a história mais bonita a ser contada, mas também a solução mais eficiente e competitiva para alavancar os índices de reciclagem no país”, comenta Erich Burger, diretor e fundador do Instituto Recicleiros.

Segundo a diretora Socioambiental, Tereza Campello, o BNDES retomou seu papel histórico de apoio às cooperativas de materiais recicláveis, buscando articulação institucional e alinhamento às políticas públicas. 

“O projeto vai proporcionar maiores oportunidades de geração de renda para os catadores e contribuir para estruturação da coleta seletiva nos municípios selecionados, em parceria com o poder público local, possibilitando inclusão social e produtiva dos catadores e contribuindo para a redução das desigualdades sociais”, explica.

Destinação dos investimentos

Com relação à capacitação, os recursos do BNDES Fundo Socioambiental visam ao desenvolvimento de habilidades de operação, gestão e governança das cooperativas de catadores e, também, ao fortalecimento da infraestrutura operacional, com promoção de maior eficiência, segurança e competitividade das organizações gerenciadas pelos catadores de recicláveis. 

No que diz respeito aos investimentos fixos, há previsão de aquisição de máquinas e equipamentos para implantação de três novas cooperativas de reciclagem em diferentes partes do Brasil, e incrementar as operações de 10 das 12 plantas já existentes de Unidades de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMRs) que integram o Programa Recicleiros Cidades, programa estruturante de coleta seletiva e reciclagem inclusiva.

A atuação do Instituto Recicleiros amplia o impacto socioambiental das ações realizadas pelo Programa Recicleiros Cidades e garante a sustentabilidade das unidades apoiadas que, por terem caráter estruturante, demandam investimentos fixos, assessoria técnica intensiva e qualificada ao longo de anos para garantir sua perenidade.

BNDES Fundo Socioambiental 

O BNDES Fundo Socioambiental tem como premissa oferecer apoio por meio de investimentos de caráter social em áreas como educação, meio ambiente, geração de emprego e renda, saúde e vinculadas ao desenvolvimento regional e social. Esses recursos são destinados para aplicações com foco na inclusão social, priorizando projetos que visam proporcionar significativos benefícios sobre as condições de vida das populações mais carentes e de baixa renda.

Recicleiros cria Protocolos de Manutenção de Máquinas e Equipamentos e de Saúde e Segurança do Trabalho voltada a catadores

O Instituto Recicleiros deu um importante passo para melhorar os processos técnicos de cooperativas de materiais recicláveis e, ao mesmo tempo, proporcionar mais segurança e bem-estar às catadoras e aos catadores de todo o Brasil. 

Após meses de intenso trabalho, Recicleiros concluiu dois novos e importantes instrumentos de atuação profissional: Protocolo de Manutenção de Máquinas e Equipamentos e Protocolo de Saúde e Segurança do Trabalho. Importante dizer que essa instrumental servirá às operações das Unidades de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMRs) incubadas pelo Instituto Recicleiros e, também, a outras organizações de catadores de todo o Brasil, já que se trata de conteúdo livre e gratuito disponibilizado pela Academia Recicleiros do Catador.

Em linhas gerais, trata-se de protocolos completos formados por um conjunto de manuais, checklists e materiais de treinamento. Juntos, têm como objetivo treinar, formar e instrumentalizar catadoras e catadores para que possam lidar com essas duas importantes questões, ambas fundamentais para o dia a dia de trabalho das operações que têm como premissa serem funcionais e saudáveis, tanto do ponto de vista humano quanto da gestão do empreendimento em si.

Capacitação técnica para cuidar da infraestrutura de trabalho

“Estamos priorizando o atendimento às operações e, por isso, por meio do Núcleo de Desenvolvimento do Catador, criamos um treinamento completo para dar suporte às áreas operacionais. Criamos dois blocos de materiais audiovisuais, um para os multiplicadores e outro para cooperados”, comenta Roberto Pimenta, Coordenador de Infraestrutura do Instituto Recicleiros.

O plano de manutenção elaborado por Recicleiros, que incorpora conhecimentos básicos de elétrica, mecânica e segurança do trabalho, basicamente vai formar as catadoras e catadores para que eles mesmos possam cuidar dos aspectos essenciais da manutenção de máquinas, além da manutenção das instalações, infraestrutura civil e predial. E, também, quando for o caso, poder acompanhar serviços externos com o máximo qualidade e propriedade. 

“O treinamento está formando os catadores para que eles façam manutenção preventiva regularmente na cooperativa contando ou não com mão de obra de terceiros. A ideia é que alguns serviços eles mesmos executem, como limpeza, ajustes, lubrificação. E, no caso de serviços que precisam de terceiros, estão sendo preparados para avaliar e saber fazer o acompanhamento correto. Esse trabalho é fundamental para eles terem essa autonomia e esse conhecimento, sobretudo quando houver a emancipação da cooperativa”, explica Jonathan Stabolaitz, Técnico de Manutenção do Instituto Recicleiros.

Os benefícios da ação para as Unidades de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMRs):

  • Segurança e saúde
  • Ambiente limpo e organizado
  • Eficiência na produção
  • Redução de falhas e aumento da vida útil dos equipamentos 
  • Bem-estar financeiro da cooperativa

“Estamos fazendo isso junto com eles para dar autonomia. O foco da área de infraestrutura é garantir que as unidades tenham capacidade para atender o aumento previsto das demandas, dentro do padrão Recicleiros de qualidade. É isso o que estamos fazendo neste momento”, acrescenta Renato Sobrinho, Gerente de Serviços Técnicos do Instituto Recicleiros. 

Um outro ponto interessante desse novo protocolo de manutenção é o olhar mais amplo da manutenção. A partir dessa sistematização, é possível ter uma radiografia mais clara do que está acontecendo em cada UPMR, o que nos permite, por conta dos dados coletados, fazer comparações e tomar decisões estratégicas para a boa gestão do Instituto Recicleiros.

Saúde e Segurança do Trabalho para todos os cooperados

Esse trabalho começou com uma consultoria nas UPMRs e, a partir dos laudos gerados, criou-se um plano de ação. Entre os treinamentos pautados por Recicleiros estão brigada de incêndio, primeiros socorros, uso de EPIs, armazenamento e transporte de materiais, ginástica laboral, entre muitos outros que ainda estão por vir. 

Uma outra ação nesse sentido é a criação de um Grupo de Segurança, por meio do qual os cooperados poderão multiplicar os conhecimentos relacionados à saúde e à segurança do trabalho. 

“Levamos esses conhecimentos para a vida. Vemos segurança do trabalho em todo o lugar, isso é importante porque acaba mudando a nossa visão, criando essa cultura prevencionista de segurança. A minha ideia é que eles se sintam acolhidos e cuidados. É muito importante que todos os cooperados tenham um ambiente seguro e saudável no trabalho e que retornem em segurança para suas casas no final do dia”, conclui Michele Almeida, Analista de Saúde e Segurança do Trabalho, que há 10 anos trabalha junto a cooperativas.

O resultado das ações

João Vitor da Silva Lima, cooperado da Recicla Serra Talhada, conta como foi vivenciar essa jornada de aprendizado e os benefícios que essas experiências trouxeram.

“A proposta é, principalmente, nossa segurança, e que pudéssemos manter ao máximo a vida útil dos nossos equipamentos, através de checklist, manutenções semanais, mensais e anuais. Todos os treinamentos, tanto teórico quanto prático, hoje servem justamente para prevenir acidentes e cuidar dos equipamentos”, diz João Vitor.

“O que posso dizer com toda certeza é que todo o conhecimento que foi passado levarei para a vida toda, mudou minha visão em relação ao trabalho. Sou grato a Recicleiros por me darem essa visão. Hoje trabalho com segurança e saúde”, encerra.

A voz dos cooperados #2: o que dizem os catadores que fazem parte do Programa Recicleiros Cidades

O Programa Recicleiros Cidades faz a diferença no município, uma vez que ajuda a estruturar um sistema inteligente de coleta seletiva e reciclagem do zero. Assim, contribui para a limpeza urbana, além de atuar na preservação dos recursos naturais e do meio ambiente.

Outro ponto tão importante é a transformação de vidas de pessoas em situação de vulnerabilidade – muitos que até então já atuavam como catadores de materiais recicláveis. Ou seja, a atuação é socioambiental.

Com a criação de uma cooperativa de reciclagem na cidade, esses profissionais passam a integrar uma Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) e garantem, todos os meses, a uma renda digna, condições adequadas de trabalho e extensa formação, com capacitação técnica e humana.

Leia também:

A voz dos cooperados #1: o impacto social proporcionado pelo Programa Recicleiros Cidades

Cooxupé fecha parceria para doar cerca de 15 toneladas de recicláveis à Recicla Guaxupé

Recicleiros promove Live para debater como Créditos de Massa Futura podem impulsionar a reciclagem

Confira alguns depoimentos de cooperados que estão dentro das cooperativas incubadas pelo Instituto Recicleiros.

“Eu era catadora da rua, trabalhava me arriscando sem ter luva, sapato, nada que me protegesse. Passava muita necessidade com meus filhos, morava em um quartinho, dormindo todos no chão porque não tinha espaço para nenhuma cama, mas graças a Deus hoje tenho outra vida. Trabalho com EPI, tenho segurança e condições de oferecer uma vida melhor para meus filhos. Hoje, pago aluguel de uma casa, faço feira, compro as coisinhas deles e tô terminando de pagar as camas. Se Deus quiser, o próximo passo é comprar o guarda-roupa. Com meu trabalho tenho a certeza de que aos poucos vou conseguir dar uma vida cada dia mais saudável, confortável e segura para meus tesouros, que crio sozinha. Agradeço todos os dias a Deus por essa oportunidade na minha vida e torço para que quem trabalhava como eu sem nenhuma esperança de melhorar de vida, tenha uma chance dessa de ter a vida transformada como a minha e de minha família”.

Maria Aparecida, 36 anos, Recicla Serra Talhada.

“Entrei na cooperativa como diretor financeiro e atualmente estou como presidente. Estou na Recicla Caçador desde o início, cerca de 1 ano e meio. O que mudou na minha vida? Consegui abrir um negócio próprio, voltei a estudar. Tem alguns cursos que fiz dentro da cooperativa e que eu não conseguiria fazer. O estudo tem feito muito bem para mim. Além dos benefícios que a cooperativa tem, como o horário, eu consigo ir à escola e não é tão cansativo como em outros lugares”.

Luiz Eduardo Malaquias, 23 anos, Recicla Caçador.

“Até entrar na cooperativa eu não fazia nada, só ficava em casa. Mudou muita coisa e pra melhor. Primeiramente, mudou minha autoestima, segundo a minha independência financeira. Graças a Deus, hoje, posso dizer que vivo bem. Realizei o sonho de comprar minha moto e agora estou construindo minha casa.  Graças à cooperativa estou realizando o meu sonho. Aqui foi ensinado muita coisa, como operação de máquinas, esteira, computador, voltei a estudar, o que é muito bom. Nunca tive vontade de estudar, e através da cooperativa, recebi inspiração. Aprendi demais, como paciência e a lidar com pessoas”.

Elizabeth Dantas de Souza, 43 anos, Recicla Cajazeiras.

Estou na cooperativa há quase 1 ano e hoje exerço o cargo de diretor administrativo. Antes, trabalhava como ajudante de pedreiro. Não era fixo, mas me ajudava muito, porque precisava dessa renda para auxiliar em casa, apesar de ser bem desgastante. Quando surgiu a oportunidade na cooperativa, não pensei duas vezes. Sabia que era um compromisso muito grande e uma experiência nova para mim. Agradeço ao Instituto Recicleiros, pois estão me ajudando muito, não só a mim, mas a todos que trabalham aqui na cooperativa. Antes, não conseguia pagar o INSS. Mais: já comecei a pagar a minha Carteira Nacional de Habilitação, hoje consigo ajudar em casa, posso pagar minhas contas sem depender de ninguém. Fora a experiência. Me tornei uma pessoa mais séria e comprometida tanto pessoal quanto profissional. Pretendo estudar mais para buscar conhecimento para minha vida, fazer cursos profissionalizantes na área. Só agradecer ao Instituto Recicleiros, que me ajuda nessa minha trajetória”.

Andrei Junior Barbosa de Oliveira, 19 anos, Recicla Garça.

Atualmente, mais de 300 cooperados em 14 municípios brasileiros são diretamente beneficiados com o Programa Recicleiros Cidades.

A voz dos cooperados #1: o impacto social proporcionado pelo Programa Recicleiros Cidades

O Programa Recicleiros Cidades muda a história do município ao estruturar do zero um sistema inteligente de coleta seletiva e reciclagem, contribuindo para a limpeza urbana, além de preservar o meio ambiente e os recursos naturais. 

Ao mesmo tempo, transforma a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade – muitos que até então já atuavam como catadores de materiais recicláveis. Com a criação de uma cooperativa de reciclagem na cidade, esses profissionais agora integram uma Unidade de Processamento de Materiais Recicláveis (UPMR) e passam a ter acesso, todos os meses, a uma renda digna, condições adequadas de trabalho e extensa formação, com capacitação técnica e humana.

Leia também:

Seletiva 2023: veja os 9 municípios habilitados para o Programa Recicleiros Cidades

Quadro Gestão à Vista proporciona mais transparência e agilidade na tomada de decisão dentro das cooperativas

Recicleiros e Owens-Illinois fecham parceria inovadora para viabilizar reciclagem de embalagens de vidro no Brasil

Veja alguns depoimentos de cooperados que atuam nas cooperativas estruturadas e incubadas pelo Instituto Recicleiros.

“A cooperativa me ajudou bastante com a chance de cursar a faculdade de Farmácia na Univértix, de poder ter uma renda para que eu consiga fazer os meus projetos, realizar meus sonhos e avançar. Também, de chegar ao final de semana e ter algum dinheiro no bolso, de correr atrás das coisas que eu planejava. Por isso, agradeço pela oportunidade, pois hoje em dia está tão difícil conseguir alguma forma de ter uma renda e a Cooperativa Recicla Três Rios me ajudou com isso”.

Messias Neves Marques, 26 anos, Recicla Três Rios.

“Estava desempregada. Estou aqui há quase 2 anos. Para mim mudou tudo. Recebo minha remuneração e consigo fazer planos. Hoje tenho minha independência financeira, vou ao mercado e compro o que eu quiser. E consegui pagar o tratamento do meu filho, que está recuperado. Foi a minha maior vitória. Tenho muitos aprendizados socialmente falando. Comunicativa eu já era e fiquei ainda melhor. Quando chego nos lugares para falar da cooperativa, consigo falar bem. Gostei também dos cursos que realizei sobre a cooperativa, de marketing, saúde, educação financeira, nutricionista, psicólogo… Só tenho a agradecer Recicleiros por ter me proporcionado esse trabalho, que veio na hora certa. Estava com alguns problemas, mas vim trabalhar e aqui estou eu. É bom demais!”

Francilene Marinheiro, 41 anos, Recicla Cajazeiras.

“Aprendi muitas funções para a minha vida e carreira profissional. Infelizmente, nos últimos empregos, fiquei apenas três meses. Aqui, já estou há sete meses, é o lugar onde estou trabalhando por mais tempo, atuando como assistente administrativo. Além disso, foi o único local que me aceitou do jeito que sou. Estou pensando em fazer faculdade de Análise de Sistemas ou Programação, visando crescer ainda mais na minha vida. Só tenho a agradecer pela oportunidade de estar trabalhando aqui, pois evolui tanto profissionalmente quanto pessoalmente, sou muito feliz aqui”.

Alex Santana, 30 anos, Recicla Piracaia.

“A experiência na Recicla Campo Largo foi uma parte muito importante da história que eu tô construindo na cidade. Sou da Bahia e as relações que eu desenvolvi na cooperativa foram as primeiras que fiz na cidade nova, com pessoas que me acompanham e torcem pelo meu sucesso. A Cleusa, a Dayane, a Adriana, o Alisson e a Dona Suzely, minha mãe, são pessoas de extrema importância para mim. Pude conhecer também o Rafa, o Erich, o Marciano e a Andréia, de Recicleiros, que acabaram agregando ainda mais e por quem vou sempre ser agradecido. Foi através do Rafa, inclusive, que cheguei à empresa onde trabalho hoje – SIG Group. Ele que enxergou meu talento e a possibilidade, que me levaram ao lugar certo na hora certa. Minha vida não seria a mesma sem ter conhecido a Recicla Campo Largo e eu serei grato eternamente à minha mãe por ter me levado até lá e a todas as pessoas que foram trazidas 'no balaio’”.

Thiago Ramos de Souza, 24 anos, ex-cooperado da Recicla Campo Largo e atualmente estagiário de comunicação na SIG Brasil.

Hoje, mais de 300 cooperados em 14 municípios brasileiros são diretamente beneficiados com o Programa Recicleiros Cidades.

Academia Recicleiros do Catador investe na inclusão e capacitação de profissionais da coleta seletiva e reciclagem

Parte fundamental do Instituto Recicleiros, o programa, que conta com investimentos de empresas como Grupo HEINEKEN, Nestlé e SIG, visa empoderar catadores brasileiros, de forma individual e coletiva, para que possam empreender de forma sustentável

O Brasil gera 82 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano, dos quais apenas 3% são reciclados, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Hoje, estima-se que estejam em ação cerca de 800 mil catadores, segundo dados do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), que são protagonistas quando o assunto é reciclagem.

Porém, a grande maioria desses profissionais está em situação de vulnerabilidade, com remuneração baixa e atuação em ambientes precários, como ruas e lixões, além de condições muito vulneráveis pela falta de contratos que garantam estabilidade para o planejamento de seus empreendimentos.

Formar pessoas e promover a mobilidade social

É dentro deste contexto que nasceu a Academia Recicleiros do Catador, iniciativa essencial que integra as ações do Instituto Recicleiros. O objetivo da Academia do Catador é formar pessoas e promover a mobilidade social desses profissionais a partir do empreendedorismo.

Para tanto, envolve um processo de qualificação profunda e transversal, considerando todas as dimensões necessárias para que o negócio dos catadores possa ser bem sucedido. As trilhas de capacitação desenvolvem conhecimento operacional, de segurança, administrativo, liderança, cooperativismo, governança, relacionamento interpessoal, entre outros assuntos técnicos e comportamentais.

Leia também:

Saiba para onde vão os investimentos nos municípios que fazem parte do Programa Recicleiros Cidades

Mentorias com especialistas Recicleiros qualificam gestores públicos para introduzir coleta seletiva nos municípios

Modalidade de Logística Reversa criada pelo Instituto Recicleiros vira política pública no Brasil

“A Academia é a concretização de um sonho de constituir uma escola que não tratasse apenas de questões produtivas e administrativas, mas considerasse a dimensão humana, olhando para a origem e a história de vida dessas pessoas. É preciso saber lidar com questões relacionadas à violência doméstica, problemas com álcool, desgastes emocionais, situações de fome e depressão, que muitas vezes fazem parte da condição social dessas pessoas”, explica Lusimar Guimarães, gestor da Academia do Catador. “A reciclagem, para nós, só é sustentável se for inclusiva e emancipatória”, acrescenta.

Com uma jornada intensiva e de longo prazo, a Academia do Catador busca desenvolver condições ideais para que as pessoas mais vulneráveis, aquelas que dificilmente têm oportunidades formais de trabalho e buscam sua sobrevivência como catadores, possam atuar com profissionalismo e eficiência em suas cooperativas.

A metodologia de capacitação da Academia já vem sendo utilizada e constantemente melhorada nas operações do Programa Recicleiros Cidades. São quase 300 catadores e 50 técnicos facilitadores, em 14 cidades, passando pela capacitação. Com o apoio das empresas Grupo HEINEKEN, Nestlé e SIG, o Instituto Recicleiros está sistematizando o conteúdo que é fruto de 16 anos de atuação no campo para torná-lo disponível de maneira gratuita para catadores de todo o país.

Atuação com impacto social positivo

A iniciativa vem mudando a vida de trabalhadores, como é o caso da Deizideria Saraiva da Silva, 23 anos, cooperada, catadora e diretora administrativa da Recicla Cajazeiras, na Paraíba, desde 2022.

“A Academia nos dá toda a assistência para lidar com as questões burocráticas da empresa e questões legais. Fornece conhecimento técnico que só conseguiríamos se fizéssemos uma faculdade. Além disso, nos ajuda como pessoas dando oportunidade para aqueles que o mercado rejeita”, explica Deizideria.

A catadora conta que sua vida financeira mudou após entrar para a cooperativa e iniciar o processo de capacitação. “Por meio da minha remuneração, consegui estabilizar minha família, viver num padrão de vida melhor, pagar as contas, comprar minha moto, as coisas que meu filho precisa e pagar a minha faculdade, que comecei quando entrei na cooperativa”, encerra.

Erich Burger, Diretor Institucional de Recicleiros e um dos idealizadores da Academia, fala do impacto positivo que a Academia do Catador provoca: “entendemos que a demanda por capacitação de qualidade e aderente à realidade dos catadores vem de todo o Brasil. Com a experiência do Instituto Recicleiros na incubação e profissionalização de catadores, associada à possibilidade de deixar isso acessível e padronizado para quantos catadores tiverem interesse, acreditamos que temos um produto extremamente valioso e gerador de profundo impacto social. É um projeto de longa duração, de melhoria contínua, até que se torne a melhor e mais completa solução para o desenvolvimento profissional dos catadores”.

Empresas têm papel preponderante na Academia do Catador

Para dar escala à Academia do Catador, Recicleiros conta com o apoio de empresas que acreditam e apoiam essa causa. Tornar tanto o método quanto o conteúdo livres e gratuitos para catadores de todo o Brasil foi o que chamou a atenção e incentivou empresas a investirem no programa.

“Por meio da Academia queremos compartilhar o conhecimento e boas práticas gerados no Programa Recicleiros Cidades com outros catadores. Para nós a construção de uma cadeia ética de reciclagem, que garante condições de trabalho seguras e remuneração digna aos catadores, é fundamental. Hoje, temos os times de saúde e segurança e de melhoria contínua da fábrica da SIG trabalhando junto com o time dos Recicleiros para desenvolver os melhores protocolos. Nosso objetivo é que os catadores trabalhem nas unidades de processamento com as mesmas condições que nossos funcionários em nossas plantas”, diz Isabela De Marchi, Gerente de Sustentabilidade América do Sul da SIG.

“A Nestlé apoia mais de oito mil profissionais de reciclagem em todo o Brasil, com ações estruturantes que desenvolvem melhores sistemas de reciclagem, aumentam o engajamento sobre o tema e a renda desses trabalhadores. Estar junto com o Instituto Recicleiros, na criação da Academia, faz parte do compromisso da empresa de ter 100% de suas embalagens recicláveis e/ou reutilizáveis integrada à geração de impacto social positivo. E isso também acontece por meio da ampliação do conhecimento, que contribui para valorização dos catadores como empreendedores sociais”, afirma Cristiani Vieira, Gerente de Sustentabilidade da Nestlé Brasil.

Importante destacar que o programa trabalha com a lógica de “inovação aberta”, conceito que busca a inovação a partir da criação de parcerias externas com outras pessoas e organizações. Dessa maneira, os investidores têm a oportunidade de contribuir para a construção dos módulos educativos, estudos socioeconômicos e projetos especiais dentro do espectro da Academia do Catador.

“Sabemos da importância de catadoras e catadores para o funcionamento da cadeia da indústria de bebidas e da reciclagem e, principalmente, da nossa responsabilidade para com este público. O Instituto HEINEKEN, pilar social do Grupo, existe para atuar frente ao desafio de promover condições mais dignas de trabalho para esses profissionais, e parcerias como essa unem o nosso compromisso e recursos com a expertise de quem está diretamente ligado a esses profissionais, nos permitindo promover o desenvolvimento social e a inclusão produtiva necessários para gerar a transformação dessa realidade”, conta Vânia Guil, Gerente Executiva do Instituto HEINEKEN.

Por fim, Lusimar destaca a importância da participação das empresas para estender as ações da Academia do Catador.

“Com o apoio de mais empresas, vamos amplificar este modelo que estrutura, qualifica e emancipa os atores envolvidos nesse segmento da cadeia produtiva, além de gerar conhecimento que é aberto e compartilhado com outras organizações que promovem os catadores. E, por fim, transformar o que alguns ainda chamam de lixo em recursos, trabalho e dignidade, afinal, essa é a nossa missão”, finaliza o gestor da Academia do Catador, Lusimar Guimarães.

Modalidade de Logística Reversa criada pelo Instituto Recicleiros vira política pública no Brasil

Governo Federal publica decretos que devem gerar impacto positivo na reciclagem inclusiva no país. Decreto 11.413/2023, que traz novas diretrizes para o mercado de logística reversa, tem como destaque o conceito de Massa Futura, mecanismo de incentivo ao financiamento de ações estruturantes promotoras de inclusão social de catadores de material reciclável, criado e desenvolvido pelo Instituto Recicleiros, e que agora se torna oficial como política pública

 

O Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao lado de Marina Silva, ministra do Meio Ambiente, e Márcio Macedo, ministro da Secretaria-Geral da Presidência, publicou oficialmente nesta segunda-feira (13) dois decretos importantes relacionados à reciclagem.

 

Os decretos foram elaborados a partir do Grupo Técnico de Trabalho (GTT) que envolveu, ao longo de 12 reuniões, representantes das cooperativas de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis e do setor empresarial que atua na política de logística reversa, além de membros convidados de oito órgãos governamentais. Recicleiros, inclusive, contribuiu com este Grupo de Trabalho.

 

O primeiro decreto (11.414/23) institui o Programa Diogo Sant’ana Pró-Catadoras e Catadores para a Reciclagem Popular, recriação do antigo Programa Pró-Catador, lançado em 2010, que novamente tem o objetivo principal de fomentar as bases estruturais para a atuação de catadores de material reciclável, visando uma alavancagem em termos de qualidade, produção e produtividade. E, além disso, oferecendo a estes trabalhadores uma oportunidade de inserção competitiva neste mercado.

 

Este novo decreto considera todas as esferas do poder público (federal, estadual, distrital e municipal) e propõe ações, programas e estudos sistemáticos em todas elas.

 

Já o segundo decreto, o 11.413/2023, revoga o anterior 11.044/2022, lançado ao final do governo Bolsonaro com o nome de Recicla+. E mais, institui três novos instrumentos: o Certificado de Crédito de Reciclagem; o Certificado de Estruturação e Reciclagem de Embalagens em Geral; e o Crédito de Massa Futura.

 

Em meio a definições e oportunidades importantes que esses decretos trazem, destacamos o reconhecimento da Massa Futura como um instrumento legal, capaz de influenciar diretamente a estratégia das empresas no investimento em ações estruturantes e que ampliem a capacidade de recuperação de resíduos do meio ambiente de maneira aliada à inclusão socioprodutiva de trabalhadores em condição de vulnerabilidade.

 

Trata-se de uma grande oportunidade para privilegiar a criação e ampliação de empreendimentos voltados a impactos ambientais e também sociais.

 

Massa Futura, conceito e origem

 

O conceito de Massa Futura foi lançado originalmente pelo Instituto Recicleiros em meados de 2014.

 

À época, com o amadurecimento da legislação brasileira relacionada ao tema, ficou claro que os índices de reciclagem vigentes no país não eram suficientes para que todas as empresas cumprissem suas metas de logística reversa. Isso tornava pungente a demanda por investimentos estruturantes para aumentar a capacidade instalada de recuperação e reciclagem em um país que ainda rasteja com seus 3% de reciclagem de resíduos urbanos. E onde catadores, mesmo sendo os maiores responsáveis pelo que conseguimos reciclar, ainda vivem explorados e à margem do mercado onde deveriam ser os protagonistas.

 

Para endereçar este problema, o Instituto Recicleiros criou um mecanismo para incentivar investimentos nessas ações de base, capazes de criar infraestrutura perene e de qualidade para que o mercado possa avançar com garantias de oportunidades reais de inclusão social produtiva de catadoras e catadores.

 

Com o expediente da Massa Futura, o governo passa a reconhecer formalmente que investimentos que comprovadamente  aumentam os índices de reciclagem ao mesmo tempo que atendem premissas de impacto social bem definidas, podem aferir seus resultados de logística reversa para fins de comprovação legal em um prazo ampliado.

 

Considerando que a criação de novos sistemas de recuperação e reciclagem de resíduos sólidos voltados à capacitação de trabalhadores e ao engajamento de comunidades necessitam de maior tempo de maturação para que apresentem resultados expressivos, mas que ao mesmo tempo são estruturais e necessários para que a gestão de resíduos no país seja de fato sustentável, a Massa Futura traz um racional investimento x retorno mais atraente para o setor empresarial.

 

Começamos a trabalhar assim em 2014, e de lá pra cá tivemos uma jornada intensa pelo Brasil para mostrar a órgãos públicos federais e estaduais, a lógica desse racional e a importância dele para o estímulo ao crescimento da reciclagem com impacto social.

 

Nosso primeiro protocolo no MMA sobre esse assunto foi em 2017. Apresentamos o conceito para o governo Dilma e, dois anos depois, novamente para o governo Bolsonaro. Trabalhamos dentro da Coalizão Embalagens, atuamos em defesa do conceito em diversos fóruns técnicos, conversas com técnicos das agências reguladoras estaduais por todo Brasil e também diretamente com Associações empresariais de maneira constante e incansável. Discutimos o conceito com diversos representantes do Ministério Público, incluindo a Abrampa, Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente, e com técnicos de Tribunais de Contas Estaduais.

 

Passamos incontáveis horas com empresas os convencendo do quão importante era o investimento delas nesse modelo, já que a escassez de resultados de logística reversa e, por óbvio, de material reciclável, iria bater à porta muito em breve. E, por isso, era importante focar na geração de adicionalidade, mesmo não tendo o reconhecimento formal da federação e nem dos estados sobre a legalidade dessa forma. 

 

Estado de São Paulo sai na frente com Termo de Compromisso entre Cetesb, Recicleiros e o setor empresarial

 

A primeira conquista regulatória veio no estado de São Paulo, em 2020, quando, depois de uma longa jornada, assinamos o Termo de Compromisso de Logística Reversa prevendo o mecanismo de Massa Futura como regular para o cumprimento da obrigação da logística reversa por parte do setor empresarial no estado. 

 

Esse movimento impulsionou o investimento no Programa Recicleiros Cidades nesse modelo de ação estruturante de qualidade, com profundidade, amplitude e impacto social. Depois de 1 ano, conquistamos o Termo de Compromisso com o mesmo reconhecimento com o estado do Mato Grosso do Sul. Mas, faltava uma conformidade nacional para realmente ampliar o impacto possível.

 

Mecanismo financeiro para estimular o crescimento com impacto social

 

Nossa batalha nos últimos anos e, especialmente nos últimos meses, com a transição de governo, foi para garantir o entendimento do modelo de estímulo de investimentos e garantir que os benefícios dele sejam concedidos para projetos estritamente voltados à geração de trabalho, renda e empoderamento de catadoras e catadores. Faz sentido a dilação de prazo no cumprimento da logística reversa quando falamos de projetos estruturais onde o benefício seja não somente de caráter ambiental pela reciclagem, mas social ao impactar positivamente a parcela mais vulnerável da população que precisa de trabalho e renda e que não tem os mesmos acessos à mecanismos de mercado para financiar seus empreendimentos.

 

Celebramos neste momento uma conquista que pode colaborar de fato para a geração de impacto social e ambiental positivos para o nosso país. Celebramos também aqui cada pessoa, que com o poder de representar suas instituições, sejam elas públicas ou privadas, contribuíram conosco com espaços importantes de diálogo. Celebramos as pessoas que, representando suas empresas, acreditaram e escolheram investir conosco nesta proposta, fazendo virar realidade e agora uma política pública que pode ganhar o Brasil inteiro e gerar benefícios sociais e ambientais profundos.

Remuneração justa de catadores como elemento de sustentabilidade da reciclagem

No texto de abertura deste blog, falamos sobre o conceito de reciclagem ética e sustentável, destacando o papel estratégico de cada ente dessa cadeia de valor na construção de  condições que atendam a estes dois conceitos. Isso serve como um bom pano de fundo para o assunto da vez: a remuneração justa e competitiva de catadoras e catadores do nosso país como um elemento vital para a sustentabilidade e o desenvolvimento contínuo dessa cadeia. Se ainda não leu o conteúdo anterior, acesse aqui!

 

Pois bem, o ecossistema da logística reversa de resíduos pós-consumo envolve diferentes entes e personagens: empresas, poder público, cidadãos, catadoras e catadores. Acreditamos que um modelo inclusivo e sustentável depende de um arranjo institucional que considera esses diversos entes estabelecendo deveres e responsabilidades claras e encadeadas para que a prática da economia circular possa acontecer de forma sistêmica e virtuosa.

 

Aqui, não há espaço para olhares direcionados a um ou outro player. Ao contrário, é fundamental a parceria entre todos, com cada um fazendo a sua parte, comprometidos com a qualidade e um objetivo comum: a redução do impacto ambiental dos resíduos associado ao desenvolvimento social da população mais vulnerável.

 

 

Há mais de 15 anos, o Instituto Recicleiros está comprometido com essa causa, e trabalha pela conexão e integração de todos esses atores. Atualmente, o Programa Recicleiros Cidades está operando em 12 municípios em 11 estados, por meio de contratos de cooperação técnica que visam o fortalecimento das bases regulatórias e institucionais da política de coleta seletiva inclusiva e o compromisso Recicleiros e de seus parceiros investidores em prover infraestrutura e capacidade operacional para o recebimento e preparação desses materiais para reciclagem. Tudo isso por meio da capacitação intensiva e transversal de pessoas provenientes de estratos sociais de alta vulnerabilidade.

 

Todo esse esforço vai ao encontro de padrões interessantes de qualidade, não só do material em si, mas do que está por trás disso, que são as condições que originam esse material. Garantias de que existem condições operativas que conversam com padrões de qualidade, com ergonomia, saúde e segurança no ambiente de trabalho e que a remuneração desses trabalhadores atende a padrões de dignidade necessários.

 

Equilíbrio para a roda da economia circular girar e não parar

 

A demanda pelos materiais produzidos nessas operações, nas unidades de processamento, é o mais relevante fator de sustentabilidade dessas operações. A depender dos valores e condições praticadas entre organizações de catadores e compradores de material, tem-se a prosperidade ou a inviabilidade desses empreendimentos. Olhar com essa visão crítica para as condições que esses contratos e ofertas representam, é olhar para a sustentabilidade dessa cadeia.

 

Uma oferta qualificada e condizente com a realidade do país, viabiliza o ganho de escala, produtividade e qualidade, pois permite a retenção dos trabalhadores e a melhoria contínua dos processos, com especialização de mão de obra e de fluxos produtivos.

 

Uma oferta qualificada vai além, permite a vida digna dos trabalhadores que compõem esse elo da cadeia, beneficia famílias, economias locais e propicia a longevidade dos empreendimentos de catadores.

 

Hoje, os valores médios de remuneração dos catadores mostram a fragilidade desses atores da reciclagem e proporcionam uma reflexão sobre qual a capacidade produtiva que de fato está sendo estabelecida no segmento.

 

De acordo com um levantamento realizado pela Associação Nacional de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (ANCAT) e pelo Instituto Pragma, com dados de 641 organizações de catadores, em 2020, foram 326,7 mil toneladas de materiais recicláveis comercializados, com produção média de 895 toneladas por dia. Tais números evidenciam a participação ativa desses integrantes na cadeia.

 

Por outro lado, quando analisamos a contrapartida que recebem, nota-se o quão desigual está hoje essa balança. Segundo o mesmo estudo da ANCAT, publicado em dezembro de 2021, a renda média mensal por catador vinculado a alguma das organizações consultadas é de R$ 1098. Ou seja, menor do que o salário mínimo, hoje fixado em R$ 1212.

 

Quando analisada por região, a região Sul lidera com renda média de R$ 1256 por catador; seguida pelo Sudeste, com R$ 1111 e Centro-Oeste: R$ 1091. As regiões Norte e Nordeste apresentam os menores salários, abaixo dos três dígitos, com R$ 975 e R$ 973, respectivamente.

 

Soma-se a isso a alta do preço dos alimentos. Por exemplo, entre janeiro a setembro, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) nos segmentos de alimentação e bebidas acumulam inflação de 9,54%. Para se ter uma ideia do que esse índice representa, trata-se da maior alta para os primeiros nove meses em 28 anos.

 

Valores tão baixos diminuem a atratividade dos postos de trabalho e incentivam o turnover, a rotatividade de pessoas nos postos, impactando diretamente na capacidade de qualificar pessoas e processos.

 

Como podemos viabilizar então esse elemento econômico tão importante para a sustentabilidade da cadeia?

 

Existem questões de estratégia de negócio que tendem a favorecer bastante a melhoria das ofertas pelos materiais recicláveis. Uma delas é a capacidade de encurtamento da cadeia, permitindo que os materiais processados pelos catadores cheguem diretamente aos recicladores, perpassando os intermediários e, com isso, capitalizando as vendas sem a dispersão de dinheiro com esses intermediários.

 

A questão não é super simples, mas tem um caminho. Negociações diretas com recicladores dependem de volumes que justifiquem fechamento de cargas em seu máximo aproveitamento e isso requer volume. Outro grande desafio é vencer a barreira do custo logístico para algumas regiões mais distantes dos pólos recicladores.

 

A solução passa (mas não se restringe) pela capacidade de se criar redes integradas de geração de recicláveis, que garantam padrão de qualidade e origem e possam integrar cargas ao longo dos trajetos logísticos, fazendo com que apesar do custo elevado de algumas regiões, menos expressivas em volume, sejam compensados por custos baixos de regiões com maior volume. 

 

No final da equação, essa composição tende a gerar um custo médio de frete viável. É exatamente o que estamos construindo aqui com o programa Recicleiros Cidades, mas queremos ir além das nossas próprias unidades de projeto. Queremos integrar iniciativas que garantam padrão de qualidade ao longo dos nossos trajetos logísticos e oferecer essas condições superiores de negociação com recicladores a um maior número de cooperativas no Brasil.

 

 

Disse antes que não se restringe a isso porque em alguns casos é necessário um rompimento com alguns conceitos impregnados na mentalidade do setor empresarial, o tal do conceito de viabilidade que muitas vezes é trazido à mesa de negociação junto a uma vontade de indexar preços com base em valores de commodities

 

Estamos falando de outra coisa aqui e não de uma escolha entre um material reciclável e uma resina virgem. Estamos falando do trabalho de recuperar resíduos do meio ambiente, da casa dos consumidores e efetivar a responsabilidade das empresas. Isso tem seu custo e deve ser analisado a partir dessa ótica.

 

Quanto maior for a eficiência das unidades de triagem - e aqui buscamos isso todos os dias -, melhor será a razão custo x benefício dessas operações. Só não podemos esperar que esses catadores e cooperativas tenham de buscar sozinhos meios para sobreviver, aquele famoso “se virem”. E, então, “se virem” para assegurar suas operações sem poder ter um sistema de combate a incêndio e/ou seguro patrimonial. Ou mesmo “se virem” para trabalhar sem parar, já que não podem pagar pela previdência ou ter pelo menos 30 dias de descanso remunerado a cada 12 trabalhados.

 

Sim, eventualmente empresas terão que assumir que o valor que chega aos catadores para uma tonelada de um determinado material não é o suficiente para o mínimo necessário para a sustentabilidade dessas operações, para a dignidade desses postos de trabalho. E aí, será fundamental sentar à mesa com os outros elos da cadeia, recicladores, convertedores e brand owners para construir uma oferta condizente, digna e sustentável.

 

Mas, e se for inviável?

 

Não existe inviabilidade quando consideramos compliance nessa equação. O que deve ser feito, tem que ser feito e de maneira ética, justa e inclusiva. Quando uma empresa diz que não pode pagar pelo custo justo e inerente de um processo que faz parte do ciclo de vida do seu produto e que não pode ser tratado como externalidade, está assumindo que o seu próprio negócio não é viável. Se não existe margem para que um determinado produto arque com seus custos inerentes, a resposta é clara: este produto não pode existir.

 

Sabemos que o retorno sustentável e digno de resíduos para a cadeia produtiva é viável. A questão aqui é sobre o compromisso do setor empresarial no cumprimento de suas obrigações. E, também, no empenho em criar alianças, articular parceiros e atuar com visão de médio e longo prazo na construção dessa cadeia, na busca conjunta pela eficiência de custos por meio do investimento estruturante qualificado, da tecnologia e da revisão de seus próprios projetos de embalagens e processos produtivos.

 

Nosso material vai além. Vai ao encontro do seu compromisso com a sustentabilidade e o impacto social para remuneração justa.

 

Queremos entregar nosso material reciclável aí na sua porta, diretamente da porta do seu consumidor, com rastreabilidade e um rastro de transformação social.

 

Mas, quais as vantagens para as empresas que firmam esse tipo de parceria com Recicleiros?

 

  • Oportunidade de criação de valor compartilhado e de inovação social, fomentando políticas públicas de coleta seletiva e reciclagem e participação direta de cooperativas;

 

  • Previsibilidade, pois garantem o fornecimento e os preços não são regulados por fatores externos como diferenças geopolíticas e oscilação do preço de commodities;

 

  • Fomentam a elevação da oferta de materiais pós-consumo, pois são provenientes de projetos de aumento dos índices de reciclagem (adicionalidade), o que representa mais estabilidade para o mercado a longo prazo, capacidade de cumprimento de acordos e pactos globais e a consequente elevação de benefícios sociais e ambientais. 

 

  • Reduz a emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE) e a entrada de resíduos sólidos em aterros e lixões;

 

  • Garante a segurança de abastecimento por meio de contratos firmes;

 

  • Reduz riscos para as marcas pelos atributos de garantia de origem ética e socialmente justa.

 

Estamos a todo o vapor construindo essa história. Se ela tem a ver com a filosofia da sua empresa, vamos conversar e somar esforços na construção do futuro da reciclagem sustentável no nosso país.

 

Te esperamos por aqui. Envie um e-mail para contato@recicleiros.org.br.

Ficou com dúvidas? Entre em contato!

+[84] 1800 333 555

Rua General Sócrates, 418 – Penha da França, São Paulo, SP, CEP 03632-040.

Explore

Receba notícias eatualizações:

Nossas redes:

© 2022 – Instituto Recicleiros. Todos os direitos reservados.

Carefully crafted by Themelexus